Fazer login no IT Mídia Redefinir senha
Bem-vindo de volta,
Digite seu e-mail e clique em enviar
Ainda não tem uma conta? Cadastre-se
Salvar em Nova pasta de favoritos

+

Criar pasta
Salvar Escolher Pasta
Trabalho remoto testa as habilidades pessoais dos CIOs em meio à crise de coronavírus
Home > Tendências

Trabalho remoto testa as habilidades pessoais dos CIOs em meio à crise de coronavírus

Do horário de expediente virtual às sessões do Slack, CIOs fazem o possível para manter equipes conectadas durante pandemia

Clint Boulton, CIO (EUA)

22/05/2020 às 8h29

Foto: Shutterstock

Os líderes de TI eliminaram os obstáculos técnicos para apoiar milhares de funcionários enviados para trabalhar em casa devido à pandemia de coronavírus. A próxima etapa dessa jornada de trabalho remota se mostrou mais assustadora, pois os CIOs lidam com o gerenciamento da saúde mental de seus encarregados.

Nunca antes, tantos trabalhadores de escritório foram tão abruptamente deslocados. O surto de Covid-19 desencadeou o auto isolamento e a quarentena, ampliando sentimentos de medo, ansiedade e estresse, que, por sua vez, afetam o ânimo dos trabalhadores e, finalmente, a produtividade.

Cinquenta e três por cento dos 1.000 trabalhadores americanos pesquisados pela KPMG, em abril, disseram que sua saúde mental piorou e estão com dificuldade em alcançar um bom equilíbrio entre trabalho e vida pessoal, de acordo com Matt Campbell, Diretor Administrativo de Pessoas e Mudança da KPMG US. Além disso, 72% dos gerentes consultados disseram que seus empregos se tornaram mais exigentes desde o surto da Covid-19. "Eles estão se sentindo mais estressados e menos capazes de lidar com o ambiente de trabalho", diz Campbell.

Como lidar com a 'fadiga do Zoom'

Pode acontecer que seja o mês nacional de conscientização em saúde mental, mas isso é pouco consolo para funcionários sobrecarregados e cheios de ansiedade. Alguns padrões estão surgindo para testar as habilidades pessoais dos CIOs, um aspecto perpetuamente subestimado do gerenciamento de equipes de centenas ou mesmo milhares de trabalhadores de TI.

CIO2503

E-book por:

Considere videoconferência. Inicialmente comemorado por quebrar barreiras geográficas e ao mesmo tempo permitir que funcionários remotos se encontrem virtualmente, os trabalhadores em todo o mundo estão sentindo a chamada "fadiga do Zoom". Os funcionários se sentem como um público cativo porque não se sentem à vontade em se afastar de uma reunião virtual - mesmo para usar o banheiro, diz Ken Solon, CIO e Chefe de Digital da provedora de seguros de vida Lincoln Financial. Uma ação aparentemente trivial, ao que parece, pode desencadear uma quantidade desproporcional de estresse.

"É muito diferente quando você vê seus olhos em vídeo", diz Solon, que acrescenta que as pessoas não sentem a mesma pressão durante as reuniões que a maioria dos participantes está fisicamente presente. Solon incentiva sua equipe a interromper quando necessário.

O encerramento antecipado das reuniões pode ajudar a aliviar a fadiga do Zoom. O CIO da VMware Bask Iyer gosta de encerrar suas reuniões 5 minutos antes, sempre que possível. "Não exceda essas reuniões", diz Iyer, que gerencia uma equipe de 1.200 pessoas. "É importante dar uma pequena corda para garantir que as pessoas estejam confortáveis".

Em nome do conforto, Iyer oferece horário de expediente virtual duas vezes por semana, durante o qual as pessoas podem envolvê-lo em um bate-papo do Zoom sobre o que está em suas mentes. Promover a conversa natural é diferente para Iyer, que está acostumado a manter o trabalho e a vida pessoal separados. Em um movimento incomum, ele compartilhou com a equipe o fato de praticar meditação. "Você precisa de tempo para refletir", diz Iyer.

Flexibilidade: mais crítica do que nunca

A flexibilidade é a chave para gerenciar funcionários sob pressão, diz Alan Stukalsky, Diretor Digital da consultoria de RH Randstad EUA, que enfatiza isso aos cinco gerentes que se reportam diretamente a ele. Por exemplo, duas semanas depois de se reunir com sua equipe pelo Google Meet, ele percebeu que muitos estavam desligando suas câmeras.

"Precisamos entender, desde os gerentes, qual é a melhor maneira de interagir com nossos funcionários que trabalham nessa nova dinâmica", diz Stukalsky. "O que funciona para uma pessoa não funciona para todos".

Ciente de que muitos de seus 200 funcionários são cautelosos ao desconectar a tomada - a maioria das pessoas sente a necessidade de substituir o trabalho pelos seus deslocamentos diários - Stukalsky pede que sua equipe se afaste de seus computadores de trabalho pelo menos uma hora por dia. Isso lhes permite cuidar de seus filhos ou de outros membros da família pelos quais prestam cuidados, ou dedicar um tempo para si mesmos.

O tempo de inatividade é uma ênfase corporativa: em um aceno ao bem-estar mental, a Randstad USA está praticando "My Day in May", dando a cada funcionário um dia de folga pessoal pago durante o período.

Horário de expediente virtual

Na Schneider Electric, uma equipe de liderança de TI que se reunia uma ou duas vezes por mês antes da pandemia começou a se reunir todos os dias até meados de abril, diz a CIO Elizabeth Hackenson, cuja equipe de 2.200 pessoas está em 62 países. Depois que a migração do home office se estabilizou, a equipe passou a ter as reuniões duas vezes por semana. Mas Hackenson carrega a tocha das comunicações via Microsoft Yammer, onde ela hospeda uma atualização diária. De três a quatro frases que ela escreve no Yammer são motivacionais.

Alguns funcionários não se sentem à vontade para fazer perguntas durante as chamadas ao vivo; portanto, o Yammer também serve como uma plataforma eficaz para sessões de perguntas e respostas. Apelidadas de Yam Jams, essas sessões de uma hora permitem que a equipe faça qualquer pergunta que escolher à equipe de liderança de TI. Um profissional de comunicação “zagueiro” da discussão, faz a triagem de perguntas antes de enviá-las a líderes apropriados para segurança cibernética, e assim por diante. "É alta intensidade por uma hora", diz Hackenson. "Os funcionários adoram".

Enquanto isso, o LogMeIn criou um canal WFH Slack, no qual os membros da equipe de TI compartilham reflexões bem-humoradas sobre a vida do WFH (Working From Home) e participam de uma competição amigável, como fotos ou culinária, diz o CIO Ian Pitt.

O horário de expediente virtual também é uma parte crítica da conexão de Pitt com os funcionários de TI. Embora a política esteja tipicamente fora da base, não é incomum nessas conversas de "vale tudo" discutir assuntos pessoais, escassez de suprimentos de comida e papel higiênico ou mesmo algo engraçado que a equipe de funcionários possa ter visto ou ouvido.

"Com o horário de expediente, essas equipes se reúnem de maneiras que nunca fizeram no passado", diz Pitt, acrescentando que essas reuniões acontecem duas vezes por semana.

Uma equipe vencedora: TI e RH

Muitos CIOs também estão em parceria com seus colegas de recursos humanos para garantir que eles encontrem o equilíbrio certo entre manter o bem-estar de suas equipes e, ao mesmo tempo, garantir a produtividade.

A equipe de RH do LogMeIn instituiu uma campanha de conscientização em torno da saúde mental, onde a cada semana eles fornecem recursos diferentes de saúde mental e atividades internas. Por exemplo, recentemente a empresa promoveu um esforço de “Atos Aleatórios de Bondade” para incentivar os funcionários a fazerem coisas para aqueles com quem convivem ou, virtualmente, para amigos e vizinhos.

Para promover uma maior empatia entre os 4.000 funcionários da empresa, a LogMeIn também compilou pessoas de diferentes perfis de trabalhadores, como funcionários que fazem malabarismos no home office com crianças que estudando em casa. "É algo que todos nós podemos usar para entender a situação de todos", diz Pitt.

Iyer, da VMware, se reúne quase diariamente com Betsy Sutter, Diretora de Pessoal da empresa, para discutir maneiras de abordar a saúde mental dos colaboradores, entre outras questões, incluindo como a empresa pode trazer muitos de seus 31.000 funcionários de volta ao escritório com segurança.

Os CIOs e seus colegas de RH estão se preparando para modelos de trabalho híbrido. Em algumas empresas, o pessoal de operações retornará aos seus escritórios quando seus municípios o permitirem, enquanto outros permanecerão no modo WFH. As medidas de distanciamento social desencadearão as reconfigurações dos escritórios, para não falar dos novos métodos de higienização dos locais e fornecimento de equipamentos de proteção individual.

Mas, por enquanto, "acho que isso será algo incomum por um tempo", diz Hackenson, acrescentando: "mas se aproveitarmos o que há de bom, sairemos mais fortes".

Vai um cookie?

A CIO usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Fechar anúncio

15