Home > Tendências

Todos os caminhos levam à nuvem

A velocidade em que o cloud computing avança, em termos de segurança, eficiência e custos, captura a atenção de empresas

Adrián Fognini*

23/04/2019 às 8h13

Foto: Shutterstock

Até pouco tempo, o conceito de computação em nuvem como principal plataforma para gestão de empresas parecia distante da realidade por distintos fatores, como a falta de maturidade e acesso da tecnologia, a resistência natural a grandes mudanças e os custos. Hoje, o cenário é outro. A velocidade em que o cloud computing avança, em termos de segurança, eficiência e custos, captura a atenção de empresas e desenvolvedores.

Segundo levantamento da consultoria Gartner, já em 2020 mais de 30% dos investimentos em novos softwares serão direcionados para soluções em nuvem. Isso inclui sistemas que facilitam algumas das atividades mais complexas e trabalhosas do dia a dia, como gestão fiscal, jurídica, contábil e de comércio exterior. Com oferta mais ampla e acessível de soluções em cloud, uma questão frequente é: já vale a pena investir para levar a gestão à nuvem em comparação com ofertas mais tradicionais, como o software on premise? Quais são os benefícios em relação ao custo-benefício, segurança e flexibilidade?

Para responder, é preciso entender as diferenças entre dois tipos de serviço. Basicamente, os sistemas tradicionais, chamados de on-premise, baseiam-se na compra do software, instalação e futuras atualizações feitas nos computadores da empresa. A armazenagem dos dados é feita em servidores locais, e o custo inicial é maior devido à compra de hardwares, softwares e dispositivos periféricos, além de capacitação e adaptação da equipe de TI.

Já as soluções em cloud são acessadas via internet, têm atualizações automáticas, armazenamento em nuvem e assinatura periódica, sem a necessidade de aquisição. O sistema em nuvem é pago em mensalidades ou de acordo com o uso, o que diminui a necessidade de investimentos iniciais, compra de itens menos essenciais. São menores, também, as demandas por manutenção e treinamento, já que sua atualização e backups são feitos automaticamente pela empresa contratada. Sem necessidade de uma estrutura de TI robusta, o Custo Total de Compra é substancialmente mais baixo. Isso diminui os custos e aumenta a previsão de gastos da empresa, algo fundamental para o equilíbrio das contas.

Além disso, os servidores para soluções em cloud seguem protocolos de segurança muito mais rígidos do que os comuns, o que é essencial para quem lida com informação. Apesar de alguns profissionais ainda duvidarem da segurança da nuvem, um estudo da Gartner constatou que 95% das falhas de segurança na nuvem são causadas por comportamento inadequado dos usuários, não por vulnerabilidades na infraestrutura ou gestão do provedor.

Outra característica importante deste modelo de negócio é uma maior conformidade legal e fiscal na operação. Programas de gestão lidam com alguns processos sensíveis para o negócio e precisam de atualizações constantes, que são mais rápidas e baratas nos sistemas em nuvem. Só o Brasil passa por cerca de 50 alterações por dia na regulação tributária nos âmbitos municipal, estadual e federal. O cenário não é muito diferente no restante da América Latina.

Uma pesquisa com 300 gestores de empresas brasileiras feita pela Thomson Reuters, em parceria com a escola de negócios Live University, revelou que a busca por compliance é a segunda principal justificativa para investimentos em tecnologia. Com 20% das respostas, só fica atrás do aumento de eficiência (27%). Nesse mesmo levantamento, 80% das companhias disseram não acreditar que será possível se manter competitivo sem acompanhar as tendências tecnológicas nos próximos três anos.

Outra grande vantagem da nuvem é a flexibilidade e disponibilidade do serviço. Com servidores in Cloud a empresa pode contratar os recursos com alguns cliques e já iniciar sua configuração e uso, enquanto Para servidores on-premise, há um período de espera entre o momento em que uma necessidade é detectada, a execução do processo de aquisição e o período de entrega do novo recurso para o TI.

Com todos esses diferenciais competitivos, qual seria o grande obstáculo para migrarmos de vez para a nuvem? A mesma barreira de sempre: o desafio de mudar a maneira como se realizam tarefas dentro das empresas. Este é sempre o maior desafio na adoção de inovações. O impacto inicial costuma ser grande e, muitas vezes, gera dúvidas entre os gestores sobre esses investimentos. Isso é natural. Logo, é preciso enxergar além e entender os benefícios que o cloud traz para o negócio.

Reinventar a maneira como trabalhamos nem sempre é um processo fácil. Mas, quando inovamos, os resultados – financeiros, de segurança, flexibilidade e de produtividade nos negócios – aparecem. Sou testemunha dessa transformação pela minha experiência desde a faculdade em Contabilidade, observando e vivendo na prática as mudanças dessa profissão em pouco mais de 20 anos como contador e, principalmente, como gestor. A história provou o perigo de se subestimar a corrida tecnológica. Adaptar-se é evoluir. A nuvem está aqui, neste exato instante. Quem deixá-la passar, talvez não consiga embarcar no futuro.

*Adrián Fognini é managing director da Thomson Reuters na América Latina. Com 22 nos de experiência na companhia, o executivo é pós-graduado com MBA pela Universidade de San Andres, na Argentina. Anteriormente, desempenhou diversos cargos de gestão nas operações da Thomson Reuters na Argentina, Chile, Espanha e Brasil.

Tags
Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail