Fazer login no IT Mídia Redefinir senha
Bem-vindo de volta,
Digite seu e-mail e clique em enviar
Ainda não tem uma conta? Cadastre-se
Salvar em Nova pasta de favoritos

+

Criar pasta
Salvar Escolher Pasta
TI é uma das áreas que mais praticam qualificação e reciclagem de colaboradores
Home > Tendências

TI é uma das áreas que mais praticam qualificação e reciclagem de colaboradores

Pesquisa feita pela Robert Half e Fundação Dom Cabral revela que encontrar profissionais qualificados está muito difícil

Redação

19/11/2021 às 13h19

Foto:

O upskilling (qualificação) e o reskilling (reciclagem de colaboradores) se tornaram ainda mais presentes nas empresas após a pandemia. E, de acordo com um levantamento feito pela Robert Half em parceria com a Fundação Dom Cabral, as áreas que mais praticam upskilling e reskilling são: gestão de pessoas (40,85%); tecnologia da informação (36,9%); e vendas e marketing (35,5%).

As companhias de grande porte foram as que mais passaram a qualificar seus funcionários durante a pandemia. Nelas, os fatores que levam à adoção de práticas de aperfeiçoamento e reciclagem são: a cultura da empresa (59,13%); mudanças organizacionais (56,9%); e a necessidade de treinar funcionários em novas tecnologias (49,57%).

Quando perguntados sobre as principais habilidades desenvolvidas nesses treinamentos, foram observados: capacidade de liderança e gerência (56,78%); pensamento crítico e tomada de decisão (46,69%); e adaptabilidade e aprendizado contínuo. As soft skills e habilidades comportamentais aparecem apenas na quarta colocação, com 32,23%.

Segundo a pesquisa, 66% dos profissionais responsáveis pelo recrutamento nas empresas, ou que têm participação no processo de seleção, acreditam que contratar profissionais qualificados hoje está difícil ou muito difícil. Desses, 42% afirmam ter vagas abertas por não conseguirem profissionais adequados para as funções disponíveis.

Entre as principais razões da dificuldade, os recrutadores apontam: a ausência de habilidades técnicas essenciais para a vaga (49,85%); os melhores talentos estão empregados (45,63%); o pacote de remuneração da empresa em que atuam não é competitivo (39,01%); e os candidatos não têm as habilidades comportamentais necessárias à função (38,4%).

“Essa percepção dos recrutadores faz com que os profissionais mais preparados e qualificados encontrem ainda mais oportunidades de trabalho e sejam bastante disputados, principalmente neste momento de recuperação e reestruturação do mercado”, destaca Fernando Mantovani, diretor-geral da Robert Half para a América do Sul.

Para os entrevistados, o maior benefício da prática é o aumento de produtividade (59,4%). Em seguida, 57,5% consideram a retenção de funcionários um dos benefícios mais importantes, seguida da possibilidade de evitar a contratação de novos funcionários (36,3%).

Por outro lado, os executivos apontaram como os principais desafios a dificuldade de encontrar recursos (72,1%), falta de tempo (71,5%) e alto custo (56,8%).

Snippets HTML5 default Intervenções CW
Vai um cookie?

A CIO usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Fechar anúncio

15