Home > Tendências

Os limites entre os data centers privados e as nuvens públicas se confundem

As nuvens públicas estão mudando a forma como olhamos para a TI, não importa se você está usando a computação em nuvem ou não

David Linthicum

09/09/2021 às 18h42

Foto: Shutterstock

Lembra quando havia uma diferença distinta entre nuvens públicas e sistemas que você podia ver e tocar em seu data center? Este não é mais o caso.

As linhas estão se confundindo entre os sistemas tradicionais, significando hardware e software adquiridos ou licenciados por milhões de dólares em custos irrecuperáveis ​​para ficar em seus próprios data centers físicos, e as nuvens públicas com sua flexibilidade, escalabilidade e provisionamento instantâneo.

Os sistemas legados ou tradicionais estão mais parecidos com nuvens hoje em dia, e o que antes era uma decisão clara não está mais claro. Eu chamo isso de "efeito de nuvem".

Os participantes tradicionais de software e hardware adotaram muito do que torna a computação em nuvem pública atraente. Isso inclui preços pré-pagos e contratos de hardware e software, até mesmo sistemas conectados à nuvem pública que ficam dentro de um data center e muitas vezes são chamados de nuvens de borda ou microclouds, como Microsoft Azure Stack e AWS's Outpost. Este não é mais um caminho claro.

Este embaçamento é uma coisa boa?

Qualquer coisa que torne o uso da tecnologia mais flexível e menos caro é uma evolução positiva, e assim continua. Você deve se lembrar, quando mudamos para os PCs, que mudamos a maneira como aproveitamos o hardware e o software do mainframe e do minicomputador. O efeito da nuvem não é diferente, no entanto, é cerca de 100 vezes maior uma virada de jogo do que qualquer mudança tecnológica que eu já vi.

Portanto, há benefícios, mesmo para aqueles que ainda não migraram para uma única nuvem. Com certeza, os data centers se tornaram “mais rígidos”, com muitas empresas optando por atrasar a migração para a nuvem ou reduzir o número de sistemas que serão migrados. Eles estão fazendo isso por razões estritamente comerciais, incluindo o fato de que os sistemas em seu data center estão se tornando mais semelhantes à nuvem e, portanto, já têm uma relação custo-benefício melhor.

A desvantagem é que algumas empresas podem atrasar as migrações pelos motivos errados. Se eles estão procurando oferecer suporte a mais velocidade e inovação, então a computação em nuvem é normalmente uma opção melhor do que as abordagens de computação tradicionais.

O risco é que os fornecedores que oferecem suporte a coisas que funcionam em data centers se tornem bons em reter clientes e, às vezes, os clientes podem tomar decisões erradas pelo que parecem ser os motivos certos. Costumo bancar o advogado do diabo e fico do lado de ficar no data center quando há muita religião em torno da nuvem. Ou eu me torno um defensor da nuvem quando ninguém quer assumir os riscos e custos de fazer a jornada para a nuvem, sem considerar o valor deixado na mesa.

Deve haver uma razão convincente em cada caso. Nenhum dos caminhos será fácil - será principalmente um mix de local e nuvem. Este mix é o problema a ser resolvido.