Home > Tendências

O que fazer quando você atinge a barreira do Cloudops

Depois de operacionalizar cargas de trabalho movidas para a nuvem, fica claro que algumas coisas deveriam ter sido corrigidas antes

David Linthicum

14/09/2021 às 19h17

Foto: Shutterstock

Você é um novo CIO. São 9h de uma quarta-feira e você está em uma reunião de emergência do Zoom com os líderes de operações de TI. Os rostos na tela estão sombrios e fica claro o motivo quando explicam o propósito da reunião.

Parece que todas as operações de TI, inicialmente orçadas em US$ 10 milhões para este ano fiscal, agora estão prevendo um estouro de US$ 4 milhões devido ao custo imprevisto da equipe de operações e ferramentas necessárias para operar o novo grupo de aplicativos e bancos de dados que acabou de mudar para uma nuvem pública.

O que aconteceu? É provável que eles tenham atingido uma "barreira de nuvem", o que significa que o custo dos sistemas operacionais na nuvem foi subestimado em 20% a 30%. Eles presumiram que, no máximo, o custo de operação dos mesmos sistemas na nuvem seria cerca de 10% a mais do que no local. Na verdade, a indústria disse a eles que o custo das operações provavelmente seria reduzido.

A realidade é que algumas coisas estão ocorrendo agora.

Primeiro, a pandemia levou muitas empresas a migrar sua próxima tranche de sistemas para a nuvem - sistemas evitados no início, pois eram mais complexos e não tão bem projetados. Além disso, esses sistemas estão interagindo de novas maneiras, como um banco de dados baseado em nuvem que agora consome dados de um data center tradicional versus os que vivem no mesmo data center.

Em segundo lugar, uma vez que há uma “necessidade de velocidade” na movimentação para a nuvem, muitas das etapas pragmáticas foram compactadas ou ignoradas. A refatoração de aplicativos para aproveitar os serviços nativos da nuvem ou a colocação de contêineres de alguns dos sistemas em migração foi empurrada, optando por processos de levantamento e mudança mais baratos e rápidos que são subotimizados.

Finalmente, e mais importante, ninguém na empresa fez cloudops para esses tipos de sistemas ainda. Por exemplo, mover sistemas baseados em mainframe para uma nuvem pública é muito diferente de migrar pilhas LAMP (Linux, Apache, MySQL e PHP), que são mais modernas. Essa falta de habilidades transforma grande parte do planejamento em suposições. Desta vez, eles erraram em 20% a 30%.

Existem algumas maneiras de consertar a barreira da nuvem que as empresas estão atingindo agora.

Primeiro, é preciso haver mais foco na refatoração ou conserto de sistemas conforme eles se movem para a nuvem. Costumo dizer: “O lixo no local movido para a nuvem é apenas o lixo na nuvem”. Os sistemas que ficam ainda mais complicados e caros para operar na nuvem precisam ser consertados ou aprimorados à medida que você os move.

É matemática simples para mim. Se você está deixando de melhorar os sistemas, então você precisa fazer um orçamento maior para cloudops. Ou melhore os sistemas à medida que eles migram, como refatoração para serviços nativos da nuvem, e obtenha melhorias no cloudops e, assim, reduza os custos. É uma troca clara.

Em segundo lugar, aproveite as ferramentas cloudops certas para garantir que todas as operações que podem ser automatizadas sejam automatizadas. A maioria dos que atingem uma barreira de nuvem têm automação de operações subotimizada. Eles levam suas práticas operacionais do local para a nuvem e acabam adaptando processos e ferramentas já ineficientes a sistemas que se tornaram mais complexos.

O problema com a barreira de nuvem é que as empresas não entendem por que estão acertando. Não se trata de sistemas na nuvem serem mais caros de operar do que se pensava originalmente. Trata-se de falta de planejamento e de vontade de melhorar os sistemas antes de mudar para a nuvem. É também sobre saber como aproveitar as ferramentas de cloudops corretas da maneira certa.

Talvez este seja outro exemplo de pagar agora versus pagar muito mais depois. Eu descobri que o primeiro é sempre a melhor escolha no mundo da computação em nuvem.

Tags