Fazer login no IT Mídia Redefinir senha
Bem-vindo de volta,
Digite seu e-mail e clique em enviar
Ainda não tem uma conta? Cadastre-se
Salvar em Nova pasta de favoritos

+

Criar pasta
Salvar Escolher Pasta
Emissões de gases de efeito estufa: o próximo grande desafio para os CIOs
Home > Tendências

Emissões de gases de efeito estufa: o próximo grande desafio para os CIOs

Soluções do Google, Salesforce, SAP e outras estão facilitando o gerenciamento de CO2, não apenas na sala do servidor, mas em toda a empresa

Peter Sayer, CIO (EUA)

13/10/2021 às 21h14

Foto: Shutterstock

Os CIOs têm um papel significativo a desempenhar para ajudar as empresas a relatar e reduzir as emissões de gases de efeito estufa - e isso vai muito além de mudar para a computação em nuvem com eficiência energética ou desligar os PCs do escritório à noite.

Essa é a mensagem que vem de eventos recentes promovidos por fornecedores de software e serviços de TI, incluindo SAP, Salesforce e Google, que esta semana está tornando a sustentabilidade um grande destaque de seu evento de computação em nuvem, o Next 21.

Cada vez mais se espera que as empresas - por seus clientes e, em alguns casos, pelo governo - relatem suas emissões de gases de efeito estufa, normalmente seguindo metodologias de medição padrão, como o Greenhouse Gas Protocol.

“Com os requisitos crescentes de relatórios ESG [ambientais, sociais e de governança], as empresas estão procurando maneiras de mostrar a seus funcionários, conselhos e clientes seu progresso em relação às metas climáticas”, disse Jenn Bennett, diretora de TI, líder em estratégia de dados e tecnologia para sustentabilidade no escritório do CTO do Google.

Ampliando o escopo

As empresas controlam algumas emissões de gases de efeito estufa diretamente: as chamadas emissões de Escopo 1 de fontes próprias ou controladas, como o combustível que queimam para aquecer escritórios ou para fornecer energia aos veículos da empresa. As organizações têm rastreado esses dados em seus sistemas ERP há uma década ou mais.

As emissões do Escopo 2, de eletricidade, calor e vapor comprados, são relativamente fáceis de calcular, pois as concessionárias geralmente relatam suas emissões médias por quilowatt-hora (kWh) produzido. Essas emissões podem até figurar como uma linha na conta de eletricidade do seu escritório ou data center.

O desafio para muitos é estender os recursos de relatório para abranger as emissões do Escopo 3 - todo o resto, incluindo bens e serviços adquiridos, produtos vendidos, transporte e distribuição, descarte de resíduos, transporte de funcionários e viagens de negócios. (Lembra disso?)

Poucas empresas aceitaram o desafio de relatar dados abrangentes de emissões: para fazer isso, são necessários muitos dados dos fornecedores e a capacidade de conectá-los aos bens e serviços adquiridos. A disponibilidade de ferramentas especializadas de software de relatórios de sustentabilidade, ou módulos em sistemas ERP, que podem fazer exatamente isso, está tornando o relatório de emissões completo uma proposição mais realista, portanto, embora o "porquê" do relatório ainda possa ser conduzido pelo conselho ou comitê de governança, o “como” e o “quando” são muitas perguntas para o CIO responder.

Relatar as emissões brutas tem benefícios líquidos

O Google Cloud Platform está adicionando relatórios de pegada de carbono ao console da nuvem, permitindo que os clientes monitorem suas emissões brutas de carbono por projeto, produto ou região, diz Bennett do Google. Também está oferecendo aos clientes ferramentas para ajudar a mover cargas de trabalho para regiões com data centers de baixo carbono, um critério de localização que pode se tornar tão importante quanto a conformidade com as leis de proteção de dados.

Ao relatar as emissões brutas de carbono, o Google está fornecendo importante transparência e destacando a importância dos dados refinados e em tempo real para garantir que os relatórios de emissões façam o seu trabalho.

O Google é neutro em carbono desde 2007, o que significa que seus data centers ainda consomem eletricidade emissora de carbono, mas a companhia compra compensações de carbono para compensar essas emissões. Desde 2017, tem sido "100% renovável", comprando energia renovável suficiente para corresponder ao seu uso anual de eletricidade - embora se o sol não estivesse brilhando e o vento não soprasse quando e onde precisava de energia, a eletricidade real usada pode ter sido de usinas elétricas a carvão, então ainda há espaço para melhorias.

É por isso que, diz Bennett, o Google está trabalhando para descarbonizar totalmente suas operações em nuvem 24 horas por dia, 7 dias por semana, até 2030, fornecendo energia limpa para cada local e a cada hora de operação.

Por meio de seu console na nuvem, o Google está fornecendo a seus clientes os dados de nível de que eles precisam para fazer isso também - e tornando mais fácil para eles importar os dados para seus próprios sistemas de relatórios.

“Para ajudar nossos clientes a contabilizar as emissões além de nossa nuvem e em toda a organização, também firmamos parceria com a Salesforce Sustainability Cloud, integrando nossos dados de emissões do Google Cloud em sua plataforma de contabilidade de carbono”, disse Bennett.

Salesforce e SAP avançam iniciativas verdes

A Salesforce anunciou suas iniciativas de sustentabilidade um mês antes, no Dreamforce 2021, dizendo que também estava usando eletricidade “100% renovável” e tinha atingido emissões líquidas zero em toda a sua cadeia de valor (incluindo o Escopo 3). Chegou lá por meio de software próprio, o Sustainability Cloud, que reduziu o tempo de elaboração de relatórios anuais de seis meses para seis semanas, segundo a empresa.

No evento, a companhia revelou sua Sustainability Cloud 2.0, adicionando novas ferramentas baseadas no Slack para coletar dados de emissões do Escopo 3 de fornecedores, novas ferramentas de previsão e planejamento de cenário para gerenciar os efeitos das mudanças climáticas nos negócios e anunciando planos para construir um intercâmbio online para créditos de carbono.

A SAP está se posicionando como um centro de coleta e processamento de dados de emissões de gases de efeito estufa. Ao alavancar ferramentas como sua rede de compras Ariba, pode facilitar a troca de informações sobre o custo do carbono, bem como o custo em dólares, de bens e serviços, e os sistemas ERP usados ​​por seus clientes já contêm muitas das informações sobre o que eles estão gastando, com quem e quando necessário para calcular as emissões de gases de efeito estufa. No ano passado, a gigante alemã anunciou o SAP Product Carbon Footprint Analytics para fornecer uma visão sobre o impacto de produtos específicos e, em setembro de 2021, lançou o SAP Product Footprint Management, que fornece ferramentas adicionais de gerenciamento e integração aos processos de negócios.

Vai um cookie?

A CIO usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

<

Este anúncio desaparecerá em:

Fechar anúncio

15