Fazer login no IT Mídia Redefinir senha
Bem-vindo de volta,
Digite seu e-mail e clique em enviar
Ainda não tem uma conta? Cadastre-se
Salvar em Nova pasta de favoritos

+

Criar pasta
Salvar Escolher Pasta
CIOs podem esperar uma década de inovação radical, diz Gartner
Home > Tendências

CIOs podem esperar uma década de inovação radical, diz Gartner

Covid acelerou desenvolvimento de tecnologias em todo o mundo. Ritmo acelerado promete impacto transformador na sociedade

Da Redação

23/10/2020 às 14h00

Foto: Adobe Stock

Vivemos um ano de muitas incertezas sobre o presente, mas sobretudo, sobre o futuro. O gerenciamento da crise gerada pela Covid levou a aceleração da adoção de tecnologias e o desenvolvimento de novas soluções para ajudar as empresas e a sociedade como um todo a sobreviver em meio a pandemia. O mesmo ocorre para o futuro. Nesta semana, durante a conferência virtual Gartner IT Symposium/Xpo Americas, analistas do Gatner avaliaram as dez principais previsões estratégicas para aplicação e uso de tecnologias durante e após a recuperação da economia a partir de 2021.

"As tecnologias estão sendo pressionadas até seus limites e a computação convencional está atingindo uma parede", disse Daryl Plummer, Vice-Presidente de pesquisa e membro do Gartner, em comunicado à imprensa. "O mundo está se movendo mais rápido do que nunca e é essencial que a tecnologia e os processos sejam capazes de acompanhar as necessidades de inovação digital. A partir de agora, os CIOs podem esperar uma década de inovação radical liderada por abordagens não tradicionais à tecnologia".

As tecnologias de ponta para o futuro promoverão maior inovação e eficiência na empresa; eles serão mais eficazes do que as tecnologias que estão substituindo; e elas terão um impacto transformador na sociedade, disse Plummer.

Essas são as previsões para os próximos anos:

1. Cresce a responsabilidade dos CIOs

Até 2024, 25% dos CIOs tradicionais de grandes empresas serão responsabilizados pelos resultados operacionais de negócios digitais, tornando-se efetivamente "COO por proxy".

A função do diretor de operações (COO) está ganhando importância cada vez maior entre as empresas digitais. É essencial ter um COO para alcançar o sucesso digital.

2. Vigilância digital

Segundo estimativa do Gartner, até 2025, 75% das conversas no trabalho serão gravadas e analisadas, permitindo a descoberta de valor ou risco organizacional agregado.

As conversas tradicionais em tempo real estão diminuindo, principalmente com o aumento do trabalho remoto durante a pandemia, e as soluções de reunião em nuvem, plataformas de mensagens e assistentes virtuais são a nova norma para conversas no local de trabalho. A análise dessas conversas, que podem ser gravadas e reproduzidas, será usada para ajudar as empresas a cumprir as leis e regulamentações existentes e prever o comportamento e desempenho futuros. O uso da tecnologia de vigilância digital virá com considerações éticas e direitos de privacidade.

3. Computação neuromórfica

Até 2025, as tecnologias de computação tradicionais atingirão uma parede digital, forçando a mudança para novos paradigmas, como a computação neuromórfica.

As técnicas de computação atuais não serão suficientes para permitir que CIOs e executivos de TI forneçam iniciativas digitais críticas até 2025. Inteligência artificial (IA), visão computacional e reconhecimento de voz serão usados em todos os lugares, e processadores de uso geral serão inadequados.

"Uma variedade de arquiteturas de computação avançadas surgirão na próxima década", disse Plummer. "No curto prazo, essas tecnologias podem incluir paralelismo extremo, DNN-on-a chip ou computação neuromórfica. No longo prazo, tecnologias como eletrônica impressa, armazenamento de DNA e computação química criarão uma gama mais ampla de oportunidades de inovação".

4. Armazenamento de dados em DNA

De acordo com estimativas do Gartner, até 2024, 30% das empresas digitais exigirão testes de armazenamento em DNA, abordando o crescimento exponencial de dados prestes a superar a tecnologia de armazenamento existente.

Sistemas mais avançados serão necessários conforme as necessidades de computação da humanidade evoluem. Esses sistemas serão capazes de adaptação e resiliência radical em ambientes complexos e hostis. O DNA é inerentemente resiliente e capaz de verificação de erros e auto reparo, portanto, é uma plataforma de armazenamento e computação de dados ideal para uma variedade de aplicações.

5. Experiências imersivas mais atraentes como diferencial competitivo

Até 2025, 40% das empresas baseadas na experiência física melhorarão os resultados financeiros e superarão os concorrentes, estendendo-se para experiências virtuais pagas.

A Internet das Coisas (IoT), digital twins e realidade virtual (VR) e realidade aumentada (AR) estão tornando as experiências imersivas mais atraentes e acessíveis para uma gama mais ampla de consumidores. Essa tendência se acelerou durante a pandemia, à medida que as pessoas precisavam de um envolvimento mais remoto e virtual como resultado dos efeitos sociais do isolamento da pandemia. As empresas de experiência física precisam começar a construir e adquirir habilidades em disciplinas relacionadas à criação, entrega e suporte de experiências virtuais imersivas.

6. Hiperautomação acelerada

Até 2025, a previsão é que os clientes finais sejam os primeiros humanos a tocar em mais de 20% de todos os produtos do mundo, uma vez que a automação aumentará exponencialmente.

Segundo o Gartner, uma vez que a pandemia acelerou a automação em setores agrícolas e industriais, a interação com esses produtos se dará em última instância.

"A automação é uma nova fonte de vantagem competitiva e ruptura", disse Plummer. "Por exemplo, uma máquina inteligente pode não esmagar as uvas da mesma forma que um ser humano as embalaria. Os CIOs devem ver a hiperautomação como um princípio, não um projeto, à medida que avançam na atualização de seus processos para o futuro".

7. Atendimento ao cliente automatizado

Até 2025, os clientes pagarão um especialista autônomo em atendimento ao cliente para resolver 75% dos problemas de atendimento ao cliente.

Optar por sair dos canais oficiais da empresa será mais eficaz e criará uma melhor experiência para o cliente, de modo que os clientes optarão por profissionais autônomos de atendimento ao cliente com conhecimento especializado da tecnologia para a qual procuram assistência.

8. Novas métricas para ouvir 'a voz da sociedade'

Até 2024, 30% das principais organizações usarão uma nova métrica de "voz da sociedade" para atuar em questões sociais e avaliar os impactos em seu desempenho empresarial.

A perspectiva compartilhada das pessoas em uma comunidade é a "voz da sociedade" e impulsiona o desejo de representar e mudar os valores éticos em direção a um resultado comumente aceitável. Métricas baseadas em opinião, como a voz da sociedade, serão usadas conforme as empresas se expandem para usar essas táticas de medição. Eles serão iguais a métricas mais tangíveis, como taxas de cliques.

9. Empresas passarão a atender demandas e necessidades de funcionários que são pais

Até 2023, as grandes organizações aumentarão a retenção de funcionários em mais de 20% por meio do reaproveitamento do espaço do escritório como creche e instalações educacionais no local.

Na esteira da Covid-19, a demanda global de trabalhadores por assistência infantil se tornará ainda mais desafiadora com a previsão do Gartner de que uma em cada cinco creches será fechada permanentemente até o início de 2021. Grandes empresas começarão a reaproveitar espaços vazios para creches ou serviços educacionais para atender a essa demanda crescente e aumentar a satisfação, produtividade e retenção dos funcionários, especialmente entre as mulheres na força de trabalho.

10. Investimentos em moderação de conteúdo

Até 2024, os serviços de moderação de conteúdo para conteúdo gerado pelo usuário serão avaliados como a principal prioridade do CEO em 30% das grandes organizações.

A volatilidade do conteúdo nas redes sociais aumentou com a agitação social do ano passado. Isso cria preocupações com a segurança da marca para profissionais de marketing e anunciantes. As empresas investirão em moderação de conteúdo, aplicação e serviços de relatórios para entender a providência do conteúdo em seus sites.

"Em muitos casos, as marcas estão apagando totalmente as plataformas de conteúdo gerado pelo usuário até que medidas de policiamento apropriadas sejam implementadas. No entanto, os editores de sites e aplicativos devem andar na linha entre a aplicação de políticas para fornecer um ambiente seguro e serem acusados de censura. Portanto, os anunciantes de marcas serão responsáveis por neutralizar a polarização do conteúdo e surgirão padrões da indústria para moderação de conteúdo", disse Plummer.

Snippets HTML5 default Intervenções CW
Vai um cookie?

A CIO usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Fechar anúncio

15