Home > Tendências

CIOs adotam TI voltada para negócios em meio à democratização da tecnologia

CIOs estão cada vez mais aceitando tecnologias construídas ou compradas por linhas de negócios, enquanto fornecem governança e suporte

Clint Boulton, CIO

03/08/2021 às 10h01

Foto: Shutterstock

Os líderes de TI há muito condenam a tecnologia implantada fora de seu alcance como a ruína de sua existência. Essa chamada shadow TI gerou discussões acaloradas entre os CIOs que acreditavam que cabia a eles bloquear os líderes de tecnologia e de negócios que acreditavam ter o direito de comprar ou construir software para apoiar seu trabalho.

Mas a maré está mudando por razões notáveis. Primeiro, o surgimento de low code e outras ferramentas de automação que ajudam os "desenvolvedores cidadãos" a construir aplicativos está democratizando o desenvolvimento de software além do controle da TI. Em segundo lugar, apoiar esse grupo de tecnólogos de negócios em vez de reprimi-los pode ajudar a aliviar a carga de trabalho de TI, que se tornou difícil de controlar com a aceleração dos imperativos de negócios digitais.

Quando as linhas de negócios compram ou constroem sua própria tecnologia, isso fornece uma espécie de "válvula de alívio de pressão" que ajuda a reduzir o número de projetos sobrecarregando os pipelines de TI, diz Art Hu, CIO da Lenovo. A tendência do faça você mesmo (Do It Yourself - DIY) também sugere que a TI pode não estar fazendo tudo o que pode para apoiar os negócios, diz Hu, que calculou tudo, desde instâncias de nuvem não autorizadas a sites de marketing. “Se a empresa tem necessidades que a TI não foi capaz de atender a tempo, eles são compelidos a conseguir outra coisa”, disse Hu.

Os números favorecem a tecnologia DIY

Como resultado, os chefes de tecnologia parecem cada vez mais dispostos a dar as boas-vindas a esta era de "TI voltada para os negócios". Até 80% dos produtos e serviços de tecnologia serão desenvolvidos por profissionais que não são da área de tecnologia, com gastos totais de TI liderados por negócios comandando até 36% do orçamento total de TI, de acordo com Rajesh Kandaswamy, Analista do Gartner. “As necessidades desses compradores nem sempre se encaixam perfeitamente nas ofertas dos fornecedores tradicionais”, diz Kandaswamy. E os CEOs que veem as novas oportunidades de negócios digitais como um “esporte de equipe” concordam em grande parte com esse trabalho acontecendo fora do alcance da TI, acrescenta Kandaswamy.

Os CIOs não precisam ver isso como uma tendência nefasta. Quando um chefe de tecnologia chega a um colega de negócios sobre o uso de tecnologia não sancionada, ele inicia uma conversa sobre como todos podem trabalhar juntos no futuro, acrescenta Hu.

Por exemplo, quando as linhas de negócios da Lenovo experimentaram a automação de processos robóticos (RPA), elas eventualmente precisaram de ajuda para trabalhar com seu fornecedor e buscaram ajuda de TI. Esse obstáculo permitiu que a empresa chegasse a um acordo com a tecnologia em seu próprio período de tempo, promovendo um relacionamento mais saudável com a TI. “Quando feito da maneira certa, [a TI voltada para os negócios] pode levar à devolução da tomada de decisões e capacitação para os negócios”, diz Hu.

Apoiar os negócios com governança e barreiras de contenção

Na verdade, à medida que as empresas se reinventam como empresas de tecnologia, cabe aos CIOs trabalharem com seus pares de negócios para criar soluções sensatas para funcionários e clientes. Uma maneira de fazer isso é criar estruturas saudáveis para aquisição de tecnologia e desenvolvimento cidadão que se encaixem na arquitetura de tecnologia da empresa, que é o que Stephen Franchetti está se esforçando para fazer como CIO da Samsara.

A equipe de TI do fabricante do software lida com serviços de dados corporativos e ambientes DevOps, bem como ERP e CRM. Mas as linhas de negócios, como marketing e vendas, adquirem seu próprio software dentro da construção da arquitetura de TI, respeitando os padrões de segurança e conformidade designados pela TI. Os chefes de tecnologia devem atender a esse tipo de acordo de propriedade híbrida, diz Franchetti. “Se a TI não reconhecer que isso é um fenômeno, eles ficarão para trás”, diz Franchetti.

Pat Dineen, CIO da Nielsen, tem estado em ambos os lados da moeda de negócios de TI. Fazendo a transição para a TI após passagens pela liderança de produtos, vendas e marketing, Dineen sabe muito bem como pedir perdão em vez de permissão ao abordar tecnologias que podem servir aos negócios - e atrair a ira da TI. Ainda assim, Dineen observa: “O caminho mais rápido nem sempre é pela TI”.

Desde que ingressou na Nielsen há dois anos, Dineen alterou o modelo operacional de TI, fazendo com que as equipes de produto “assumissem o custo e a administração da tecnologia de que precisam para executar”. Sua equipe apoia o negócio com guardrails e na mediação com fornecedores. Embora ele gerencie algumas equipes dedicadas para sistemas de negócios críticos, como CRM, os departamentos de finanças e RH da Nielsen administram migrações críticas para os sistemas SAP S/4 HANA e SuccessFactors.

“É quase como se a sombra [shadow TI] estivesse operando à luz do dia e isso é uma coisa boa”, diz Dineen sobre o arranjo de TI voltado para os negócios na Nielsen. “Eu sou um grande defensor disso”.

O caso contra a TI voltada para negócios

As empresas cujos produtos de dados são a força vital do negócio podem precisar de líderes de tecnologia para reprimir os gastos externos com tecnologia. Esse é o caso da Quotient Technology, que vende serviços de dados ao consumidor que informam as campanhas de marketing, diz Lenin Gali, que em suas funções duplas como CIO e CISO deve priorizar a segurança de TI como poucos outros líderes de TI.

As regras de segurança e conformidade que regem o modelo de negócios da empresa para a venda de ferramentas de dados do consumidor tornam a TI voltada para os negócios desafiadora e arriscada. Na Quotient, o departamento de compras aloca os gastos com tecnologia, enquanto o jurídico desempenha um papel fundamental na tomada de decisões.

Mas Gali reconhece que um programa de compras conectado verticalmente oferece a melhor governança em um momento em que as ferramentas de automação alimentadas por machine learning e inteligência artificial estão em alta. “A evolução da tecnologia ficará cada vez mais agressiva e as implicações disso afetarão as organizações maiores”, diz Gali.

Líderes de TI, como Sheila Jordan, Diretora de Transformação Digital da Honeywell, estão combatendo isso separando as melhores ferramentas em favor de abordagens centradas na plataforma adquiridas, implantadas e gerenciadas pela TI. Jordan, que trabalhou em organizações onde a shadow TI prevaleceu, diz que a TI voltada para os negócios não se presta à integração vertical necessária para executar estratégias digitais.

A TI liderada pelos negócios é inevitável

Também se poderia argumentar, como faz Don Schuerman, CTO da Pegasystems, que é porque as empresas estão buscando transformações digitais agressivamente que a aquisição de tecnologia está se espalhando pelas linhas de negócios como um incêndio. Mesmo assim, isso dificilmente significa que ele será castrado. Schuerman compara esse problema com o fechamento de restaurantes em meio à Covid-19. Embora haja mais gente cozinhando em casa, nem todo mundo vai se tornar um Master Chef. Assim como é melhor deixar algumas refeições para os profissionais, o mesmo ocorre com muitas iniciativas de TI, como ERP e CRM, diz Schuerman.

À medida que isso acontece, os CIOs devem se colocar no meio de qualquer decisão de tecnologia voltada para os negócios, especialmente à medida que as empresas desenvolvem mais produtos digitais, diz Kandaswamy, do Gartner. “Se eles não fizerem isso, descobrirão que seu papel ficará sem poder”, diz ele. “A tecnologia é muito importante para o futuro de uma empresa para ser deixada para um departamento”.

Dicas para dar suporte a TI voltada para negócios

Líderes de TI avançam com essa abordagem com o seguinte conselho:

Torne-se um facilitador do negócio. A empresa precisa de concierges e parceiros, em vez de guardiões de tecnologia e recebedores de pedidos, diz Kandaswamy. “Para reter influência, eles precisam ceder algum controle”, acrescenta. Alimentar modelos operacionais de produtos é uma maneira de fazer isso, permitindo que a TI se torne muito mais experiente nos negócios.

Lidere com uma mentalidade de colaboração multifuncional. Nem sempre a TI será capaz de atender a todas as classes de problemas dentro da empresa. Os CIOs podem fornecer orientação, ferramentas e proteções em uma ampla gama de interesses, diz Schuerman da Pegasystems. Para fazer isso, os líderes de TI precisam trabalhar com a empresa para formar equipes de produtos multifuncionais ou de fusão. Armadas com a equipe certa, essas equipes podem destilar a linguagem da tecnologia em metáforas familiares que apontam para os resultados de negócios desejados. “A TI precisa pensar em construir um playground para os negócios, mas que seja cercado para que as crianças não fujam”, diz Schuerman.

Construa um inventário combinável de integrações. Assim como os desenvolvedores criam bibliotecas de software, a TI pode construir uma biblioteca de integrações combináveis, incluindo APIs e microsserviços, que fornecem conexões para sistemas back-end, diz Schuerman. Quando a empresa precisa de uma nova conexão, eles podem adquiri-la para realizar seu trabalho. “Líderes que não fornecem uma estrutura de composição para parceiros de negócios vão perder oportunidades de inovação para os negócios”, diz Schuerman. “A empresa fará isso de qualquer maneira e a TI será chamada para limpar tudo”.