Fazer login no IT Mídia Redefinir senha
Bem-vindo de volta,
Digite seu e-mail e clique em enviar
Ainda não tem uma conta? Cadastre-se
Salvar em Nova pasta de favoritos

+

Criar pasta
Salvar Escolher Pasta
6 conceitos de negócios que líderes de TI devem dominar
Home > Tendências

6 conceitos de negócios que líderes de TI devem dominar

CIOs devem dominar os conceitos críticos de negócios ao falar com seus colegas de liderança. Aqui estão alguns termos essenciais

Clint Boulton, CIO (EUA)

17/02/2021 às 8h46

Foto: Adobe Stock

Comunicar o valor da tecnologia é essencial para qualquer CIO que busca obter favores para suas iniciativas de negócios digitais. Legiões de ex-CIOs podem atestar que envolver colegas C-level e a diretoria em um bingo de palavras da moda pode condenar até mesmo os melhores planos de tecnologia.

Quando se trata de articular o valor comercial da tecnologia, os líderes de TI devem pensar e falar como seus colegas de negócios, diz Art Langer, Diretor Acadêmico do Programa de Mestrado Executivo em Ciência em Gerenciamento de Tecnologia da Universidade de Columbia. Isso significa suavizar a retórica do papo sobre tecnologia em favor de temas mais palatáveis e amigáveis aos negócios.

“Ninguém está interessado em falar sobre tecnologia”, diz Langer, que ajuda os líderes de TI a aprender como se comunicar com os membros do conselho.

Com a pandemia sacudindo as empresas em todo o mundo, os CIOs devem estar familiarizados com os conceitos que os ajudam a articular o valor de fornecer experiências de funcionários de alta qualidade (EX) e experiências do cliente (CX), usando tecnologias digitais.

Aqui, nos apoiamos na sabedoria de CIOs, consultores e analistas para definir os principais conceitos de negócios com os quais os líderes de TI devem se familiarizar.

CIO2503

E-book por:

Operações Anywhere

Dispositivos móveis, periféricos e software proliferaram na empresa por anos, mas a pandemia acelerou essa tendência e estimulou novos cenários de colaboração. Em 2020, os CIOs aumentaram os investimentos em videoconferência, quadro branco virtual e outras ferramentas que ajudam a facilitar o trabalho remoto. Mas esse paradigma de trabalhar em qualquer lugar desafia a capacidade dos CIOs de gerenciar seus ativos.

“Os funcionários estão mais dispersos do que nunca, e isso fez com que os CIOs precisassem repensar coisas como segurança e produtividade”, disse o CIO da McAfee Scott Howitt, que está lidando com essas tarefas no fabricante de software de segurança.

Mas a vantagem de aperfeiçoar essas “operações em qualquer lugar” é ótima, de acordo com uma pesquisa do Gartner divulgada em dezembro. “Um modelo operacional primeiro digital e remoto permite maior eficiência operacional, melhora a produtividade do trabalhador e democratiza o acesso a uma força de trabalho diversificada e geograficamente distribuída. E acabará por levar à ‘inovação combinatória’, recorrendo a diferentes tecnologias e serviços para criar novas formas de inovação ”, afirma a consultoria.

Os conceitos de “Anywhere operations” variam de acordo com a empresa. A estratégia de Team Anywhere da Atlassian garante que as equipes tenham autonomia para fazer seu trabalho e permanecerem conectadas, engajadas e saudáveis, afirma o CIO Archana Rao. As tecnologias digitais funcionam bem o suficiente; o desafio está em gerenciar equipes remotas que lutam para encontrar o equilíbrio entre vida pessoal e profissional e evitar o esgotamento. Mais difícil de dominar é cultivar o “sentimento de pertencimento e construir relacionamentos”, acrescenta Rao.

Resiliência de negócios

Bem, você construiu sua “operações em qualquer lugar"? OK, deve funcionar, o tempo todo, certo? Claro, os CIOs estão algemados aos seus fornecedores de nuvem e uma interrupção do Zoom ou da Amazon Web Services está fora de seu controle, mas uma organização resiliente cria planos de backup e redundância no caso de falha das soluções principais.

“Os CIOs precisam entender como podem usar a tecnologia para apoiar a resiliência dos negócios e garantir que sua organização seja capaz de lidar com os desafios que certamente virão”, diz Howitt.

Além disso, os líderes de TI devem provar ao conselho de diretores que estão usando a tecnologia não apenas para tornar o negócio mais resiliente, mas também para transformá-lo, diz Howitt.

Estado de TI

Todos os anos, os CIOs devem transmitir aos seus CFOs o "estado de TI" da organização. O estado da TI pesa coisas como planejamento e execução de orçamento junto com imperativos de negócios estratégicos, de acordo com Mark Schwartz, Estrategista Corporativo da Amazon Web Services que anteriormente atuou como CIO do Serviço de Cidadania e Imigração dos EUA.

“O estado de TI também determina a eficácia com que novos investimentos podem ser implantados”, escreve Schwartz em uma postagem no blog da AWS. “E é o estado atual que determina quais riscos a empresa enfrenta. Todas essas são informações críticas para o CFO e o restante da diretoria”.

A descrição do estado atual deve incluir uma visão do "balance sheet" ou snapshot de TI, ao invés de uma visão do fluxo de caixa no plano de orçamento, e deve contar pessoas, sistemas e funções, lacunas tecnológicas e deltas, bem como postura de cibersegurança e outros fatores de risco, como custos de atraso. “Assim como os ativos no balanço de uma empresa são usados para gerar lucros futuros, os ativos de TI podem ser usados da mesma forma”, diz Schwartz.

A pandemia ressalta a importância deste encontro.

Modelo de negócio digital

Modelos de negócios digitais - pense no serviço bancário ao consumidor - crie gêmeos digitais de empresas existentes em busca de um novo crescimento. Para a maioria das organizações, esses esforços continuam sendo aspiracionais.

Eles não precisam ser, dado o planejamento adequado. Considere uma farmácia de varejo, que fica no meio de um extenso ecossistema farmacêutico que inclui fabricantes de medicamentos, seguradoras, médicos e pacientes, diz Ari Libarikian, Líder Global da Leap, unidade de construção de negócios da McKinsey. Um varejista poderia criar uma farmácia digital que permitiria aos pacientes solicitar seus medicamentos por meio de um site ou aplicativo móvel com apenas alguns cliques e enviá-los no mesmo dia. Não são necessárias viagens a filiais físicas.

Simplificar esse processo labiríntico é um desafio difícil de resolver, mas seria altamente lucrativo para os líderes de TI, diz Libarikian. As organizações que buscam modelos de negócios digitais devem operar como startups, adotando ciclos de testes iterativos para melhorar os produtos e seguir de perto os mapas de jornada do cliente, que rastreiam os caminhos dos consumidores até os produtos, da aquisição ao consumo.

KPIs de negócios digitais

À medida que as empresas criam modelos de negócios digitais, cabe às organizações de TI rastrear os KPIs de negócios digitais, que vêm em dois tipos, de acordo com uma pesquisa publicada por James Anderson e Paul Proctor, Analistas do Gartner, em abril de 2019.

O primeiro conjunto avalia o progresso na digitalização do modelo de negócios atual, abrangendo vendas, operações de marketing, cadeia de suprimentos, produtos e serviços e atendimento ao cliente. Um segundo conjunto de KPIs avalia o progresso e a oportunidade de novas fontes de receita líquida criadas pela busca de novos modelos de negócios digitais e são claramente diferenciadas das fontes não digitais.

Uma coisa é criar KPIs, outra é discuti-los. Os CIOs devem ser capazes de explicar a seus colegas e conselhos executivos o que esses KPIs digitais medem e por que são importantes para os negócios.

Business OKRs

KPIs digitais são frequentemente incorporados em uma estrutura estratégica mais ampla conhecida como objetivo de negócios e resultados-chave (OKRs), que usa métricas para rastrear a realização de uma meta específica.

Por exemplo, os OKRs da Atlassian rastreiam o crescimento da receita, contagem de clientes e produtividade, entre outros pontos de dados, diz Rao, que usa analytics para rastrear tais métricas críticas, bem como para decidir em quais tecnologias investir e para avaliar seu desempenho.

Isso destaca a importância para os CIOs de aproveitar os dados de como administram a TI, acrescenta Rao. Obviamente, as entradas e saídas de dados mudam constantemente.

“O mundo está mudando muito rápido”, diz Rao. “Há muito que podemos aprender e evoluir para fazer melhor pela nossa empresa”.

Vai um cookie?

A CIO usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Fechar anúncio

15