Home > Tendências

Tendências do mercado open source em 2019

Um dos principais temas deste mercado em 2018 foi a noção de infraestrutura aberta. Deve continuar assim, incluindo containers e Edge Computing

Tamlin Magee, Computerworld/UK

09/01/2019 às 8h03

Foto: Shutterstock

O código aberto percorreu um longo caminho desde o momento em que alimentou a grande maioria da Internet de forma invisível por algum tempo, e parece que muitos dos grandes fornecedores de software aderiram no modelo.

Dois dos maiores negócios de fusão e aquisição de 2018 envolveram empresas de código aberto: a compra da GitHub pela Microsoft e a decisão da IBM de comprar a Red Hat.

A diretora financeira da Microsoft, Amy Hood, até explicou abertamente que a compra do GitHub tinha tanto a ver com o acesso da Microsoft à comunidade quanto com a tecnologia.

Um dos principais temas das grandes empresas de código aberto em 2018 foi a noção de infraestrutura aberta - criando um modelo colaborativo que poderia funcionar como uma base para o desenvolvimento das empresas, muito parecido com o modo como a economia digital se relaciona com a Internet. Esperamos que continue em 2019, juntamente com desenvolvimentos voltados para containers e Edge Computing.

Aqui, perguntamos a especialistas do setor o que eles esperam ver da comunidade de Open Source em 2019.

Containers
A mudança para microsserviços e tecnologias abertas como containers - Docker e Kubernetes em particular - estão ajudando as empresas a agregar seus aplicativos legados e colocá-los na nuvem.

Estimativas da 451 Research apontam que o mercado de containers, mesmo nos primórdios, já sugeria um enorme crescimento, podendo chegar a US$ 2,7 bilhões até 2020.

Meses depois, a estimativa do relatório da 451 Research já pode ser considerada conservadora, com o Docker impulsionando a adoção do modelo e a popularidade do sistema de orquestração Kubernetes também em alta.

Houve alguns desenvolvimentos interessantes na Openstack Foundation também, com o projeto Kata Containers, com suporte da Intel e da Huawei.

E a AWS anunciou o Firecracker, uma nova tecnologia de virtualização com código aberto que permite que os proprietários de serviços operem baseados em containers multilocatários.

O COO da Fundação Openstack, Mark Collier, observa que 75% das organizações estão contribuindo para o código aberto, além de estarem consumindo. Ele afirma que há um ressentimento crescente em relação aos três grandes provedores de nuvem (AWS, Azure e Google Cloud) entre os desenvolvedores e iniciantes de código aberto.

"Muitos acham que as substanciais recompensas comerciais que esses grandes players estão obtendo não correspondem às contribuições desses usuários", diz Collier. "Isso alcançará um ponto de ebulição, mas eu prevejo que a mudança para criar licenças mais restritivas, como Redis, acabará fracassando como uma contramedida.

"Em vez disso, os três grandes continuarão se abrindo peça por peça - por exemplo, o AWS Firecracker. Outras comunidades surgirão para preencher as lacunas, tornando possível uma infraestrutura de fonte totalmente aberta, do bare metal até o serverless."

O diretor de produtos da Canonical, Stephan Fabel, acrescenta que o Kubernetes está facilitando a adoção de várias nuvens.

"O código aberto está rapidamente se tornando uma necessidade para o sucesso. Novas ondas de inovação serão impulsionadas por software que se baseia em um esforço colaborativo, não apenas de uma empresa, mas de uma comunidade focada em melhorar toda a paisagem."

'Composability'
O CTO da Western Digital, Martin Fink, acredita que 2019 levará ao desenvolvimento da capacidade de composição verdadeiramente aberta - onde, em resumo, as organizações poderão executar computação, rede e armazenamento no mesmo dispositivo com provisionamento de carga de trabalho simplificado.

"Embora 'composability' não seja um termo novo, em 2019 veremos a capacidade de composição aberta versus as soluções proprietárias inflexíveis de hoje, amadurecer e começar a se tornar mainstream", diz Fink, enquanto as organizações buscam construir infraestruturas compostáveis ​​em padrões abertos, para permitir configurações especializadas que são específicas para suas cargas de trabalho e endereçam diversos dados ".

No entanto, alerta Thierry Carrez, vice-presidente de engenharia da Openstack Foundation, a "extrema capacidade de composição do software" também vem com custos de segurança.

5G e Edge Computing
Embora nem todo negócio seja uma empresa de software, como diz a famosa citação, aqueles que quiserem estar à frente certamente estarão mais inclinados nessa direção. À medida que a internet industrial se torna mais interligada com nossas vidas diárias, uma sólida compreensão de software, especialmente de código aberto, se tornará crucial para a formação de empresas.

"Estamos vendo empresas se beneficiarem quando seus funcionários aproveitam a comunidade próspera e voltada para soluções", diz Fabel, da Canonical. "De carros autônomos a robôs médicos, de cidades inteligentes a datacenters - as soluções para esses problemas não são algo que queremos confiar  a uma quantidade limitada de empresas."

Veja a iniciativa LF Energy, apoiada pela Linux Foundation, por exemplo - alguns cantos do mundo do código aberto estão começando pequenos, mas pensando bem, e não é muito maior do que combater as mudanças climáticas com padrões de software abertos e mais eficientes.

A Red Hat e a Canonical são apenas duas das titãs de código aberto que estão levando a Edge Computing incrivelmente a sério. O Openstack também está girando nessa direção.

Agora, a borda da rede é um pouco imprecisa, mas pode ser definida como redes distribuídas onde o cálculo é entregue mais próximo do caso de uso. Isso será rigoroso para certos tipos de computação, uma vez que o espectro 5G tenha sido alocado e as redes implantadas, porque permitirá uma forma muito mais rápida de computação móvel, com maior largura de banda de e para dispositivos.

O código aberto será fundamental na criação de padrões para a Edge Computing, porque a rede básica será utilizada por muitos dispositivos diferentes que precisarão interagir uns com os outros. Essa é a parte da 'infraestrutura aberta' novamente.

Gavin Hayhurst, consultor de telecomunicações da TEOCO, acrescenta que muitas empresas de telecomunicações ainda estão lutando para encontrar o modelo de negócios para a virtualização de funções de rede baseadas em código aberto, embora estejam cada vez mais conscientes dos benefícios que proporciona. Isso significa que, embora as empresas de telecomunicações considerem a adoção, é provável que estejam esperando para ver o resultado dos testes em outras indústrias primeiro.

"O Facebook mudou o mercado de datacenters com o Open Compute Project, e muitas empresas de telecomunicações estão adotando o código aberto para ter um efeito igualmente revolucionário em sua indústria", diz Hayhurst. "Enquanto isso, a oferta comercial de SD-WAN para clientes corporativos fornecerá um trampolim para muitas empresas de telecomunicações que ainda não estão prontas para dar o salto para oferecer redes totalmente virtualizadas."

Fusões & Aquisições e investimentos
Embora as aquisições do GitHub e da Red Hat tenham sido discutivelmente as mais comentadas no mercado de código aberto no ano passado, também houve outras compras notáveis.

A VMware pagou US $ 550 milhões pela Heptio.  Uma decisão inteligente, já que o pêndulo passa para containers em vez de máquinas virtuais.

Enquanto isso, a Salesforce concluiu sua aquisição da especialista em integração Mulesoft - levando a outra interessante parceria entre Docker e Salesforce, que permite que os clientes corporativos não apenas transfiram aplicativos legados para novas arquiteturas, mas recuperem dados desses aplicativos herdados também.

A Docker poderia estar à venda? Ela poderia ser uma proposta segura para um dos grandes jogadores.

Já a Canonical, fabricante do Ubuntu, está à procura de investidores externos antes de um possível IPO .

Sacha Labourey, CEO da CloudBees, espera que a farra de compras de fornecedores de código aberto tenha deixado o Google, que antes esperava adquirir a Red Hat, um pouco carente, observando que a aquisição de última aquisição do Google data de 2016: a Apigee.

Mas a chegada do CEO da Google Cloud, Thomas Kurian - que já havia estado no Oracle por mais de duas décadas - sugere que pode haver algum movimento da gigante das buscas no mercado de código aberto. Kurian difere da ex-CEO da GCP, Diane Greene, que preferia focar sua energia no trabalho de desenvolvimento, em vez de no de aquisições.

"Minha previsão é de que o Google vai adquirir pelo menos cinco empresas nos primeiros nove meses de 2019", diz Labourey. "Se não o fizerem, Kurian deixará a empresa rapidamente."

"Desde que a Red Hat foi adquirida, a Pivotal se tornou o próximo alvo atraente, com fortes produtos e ativos culturais", acrescenta Labourey. Nos próximos nove a 24 meses, a Pivotal pode ser comprada pelo Google por uma boa quantia, ou incorporada novamente à VMware. "

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail