Home > Tendências

Tendências de Blockchain e criptomoedas para 2019

Especialistas opinam sobre os rumos que a tecnologia deve tomar nos próximos meses

Laurie Clarke, CIO/UK

08/01/2019 às 10h23

Foto: Shutterstock

Há dez anos, em 2008, logo após o cataclísmico crash das hipotecas, um feixe de esperança brilhou para alguns: a promessa de um sistema monetário completamente descentralizado, distinta das irracionalidades do mercado e das tendências destrutivas dos governos e dos bancos "grandes demais para falhar". A idéia insurgente, vazada silenciosamente em fóruns de internet, era o Bitcoin.

A criptomoeda não subverteu completamente as estruturas econômicas estabelecidas, como alguns esperavam, mas certamente causou impacto no mundo.

Apesar de agradar  inicialmente os criminosos cibernéticos como um meio de facilitar as transações ilícitas, as criptomoedas ainda têm potencial para o cidadão comum como veículo para pagamentos anônimos e sem atrito através das fronteiras.

O que é mais interessante para muitos outros segmentos da indústria é a tecnologia subjacente, o Blockchain. Os sistemas Blockchain permitem transparência para as transações, por sua capacidade de fornecer uma visão compartilhada de cada transação que ocorre dentro do sistema, dificultando a ação dos hackers. Essas características tornaram o Blockchain uma tecnologia atraente.

O nível de descentralização varia dependendo de quão aberto é o sistema Blockchain. Embora os defensores iniciais da tecnologia-  e alguns aplicativos descentralizados hoje, como veremos - advoguem por Blockchains completamente públicos, os Blockchains privados ou semi-privados provaram ser mais aceitáveis ​​para os grandes negócios.

Aqui está o que esperamos ver em Blockchain e criptoativos em 2019.

Os bancos e as criptomoedas

Uma indústria que percebeu o Blockchain desde o início foi a financeira.

Os bancos já experimentam o Blockchain, particularmente em aplicações para tornar as transações mais baratas e mais fáceis. E embora uma das principais características do Bitcoin tenha sido conceituada como descentralização, os bancos centralizados estão examinando maneiras de absorver certos sistemas semelhantes.

Pegue a criptomoeda Ripple, que foi fundada em San Francisco em 2012 e desde então teve sucesso trabalhando com grandes bancos. Um de seus produtos, o xCurrent, é usado por vários bancos, incluindo o Santander, e acelera enormemente o processo de verificação das informações necessárias para realizar transações.

A Ripple também lançou o xRapid em 2018, voltado para empresas que têm presença em mercados emergentes, onde contas em moeda local pré-carregadas geralmente são necessárias para pagamentos - aumentando os custos e o tempo de transação. Em vez disso, o xRapid converte rapidamente o dinheiro fiduciário em uma criptografia, o XRP, para movê-lo pelo sistema antes de converter de volta para qualquer moeda que necessária no final do processo.

Na época do lançamento, o CEO da Ripple, Brad Garlinghouse, previu que a maioria dos grandes bancos adotaria o serviço em 2019 como uma ferramenta de liquidez.

No entanto, apesar de algumas empresas, incluindo a Western Union e a Moneygram xRapid, Garlinghouse disse que a falta de aceitação é devido à incerteza em torno das restrições regulatórias sobre o Blockchain.

Isso pode mudar com o estabelecimento de bolsas de moedas legítimas em Gibraltar e Malta.

A Goldman Sachs manifestou interesse em montar uma mesa de negociação de criptomoeda, embora nada esteja imutável e a empresa parece ter recuado da ideia recentemente, segundo a Business Insider.

"Uma grande questão para as criptomoedas em 2019 é se veremos um Exchange Traded Fund aprovado pelo [órgão regulador americano] SEC", comentou Ruchir Dalmia, consultor da Blockchain da Deloitte à Computerworld UK . "Tal aprovação provavelmente seria um catalisador para o investimento adicional de investidores institucionais, como fundos e trusts em mercados criptografados e para a demanda por criptomoedas.

Ainda não está claro se a SEC estará preparada para permitir tal empreendimento no curto prazo.

É importante ressaltar que Christine Lagarde, presidente do Fundo Monetário Internacional (FMI), fez comentários recentemente que pareciam encorajar os bancos a se envolverem mais com as criptomoedas, sugerindo que os bancos deveriam experimentar lançar suas próprias moedas criptográficas para evitar que as criptomoedas se tornassem refúgio para fraudadores.

O comentário também sugere que Lagarde acredita que as criptomoedas podem, um dia, vir a ter aceitação generalizada. E essa eventualidade poderia ser preocupante para os sistemas bancários centrais, pois representaria um desafio direto à sua hegemonia. Dado que isso só aconteceria se as criptomoedas se tornassem muito mais fáceis para o usuário comum, talvez Lagarde desejasse negar essa possibilidade encorajando os bancos a se tornarem pioneiros nesse mercado, oferecendo uma criptomoeda mais fácil de transacionar e usar que as existentes hoje.

Embora muito disso pareça contrário à razão de ser das criptomoerdas como o Bitcoin, há maneiras de criar moedas menos descentralizadas e incorporar um mecanismo central que controle o fornecimento de "moedas". Isso significa que seria possível para os bancos lançarem sua próprias criptomoedas sem adotar um sistema verdadeiramente descentralizado.

Para este fim, há também um mercado crescente de "stablecoins", que estão vinculados a flutuações de preços de uma moeda fiduciária estabelecida, como o dólar. Inicialmente sugerido como um meio de negar as flutuações de preços selvagens sofridas pelo bitcoin e afins, oferece um mecanismo pelo qual uma moeda digital poderia oferecer os benefícios da criptografia, mas sem realmente desafiar os sistemas econômicos subjacentes no trabalho - uma perspectiva que pode se provar muito atraente para os bancos centrais.

No entanto, deve-se notar que, atualmente, devido à ambigüidade regulatória, em teoria, as empresas também poderiam lançar suas próprias formas de criptomoeda.

Dado que os gigantes da tecnologia como Google e Facebook podem se mover muito mais rapidamente do que o governo na criação e adoção de tecnologias, há também a possibilidade de que essas empresas se interessem em lançar suas próprias criptomoedas - domando as rédeas econômicas dos bancos centrais,  se assim desejarem. O Facebook parece bastante interessado.

Nossa aposta é que, de alguma forma, a 'criptomoeda' vai pegar, dado os incentivos maciços em termos de pagamentos sem atrito e de baixo custo, mas é improvável que seja vinculada a qualquer verdadeira forma 'descentralizada' de operações bancárias no curto prazo.

É claro que, para que isso aconteça, seria preciso haver uma mudança definitiva na estrutura regulatória atual para criptomoedas e Blockchain, globalmente.

É provável que em cerca de dois anos comecemos a notar um uso mais massivo em instituições financeiras, inclusive no Brasil. Um dos exemplos viáveis é aumentar a integração de transações financeiras entre bancos em diferentes países. Esse processo parte de uma premissa que lembra o surgimento do bitcoin em 2008, porém com maior conformidade com questões de controles de divisas e prevenção à lavagem de dinheiro em cada jurisdição.

ICOs e dApps

Em 2018, o mercado de 'Initial Coin Offerings' (ICOs) - um método alternativo de financiamento pelo qual uma startup Blockchain levanta capital em troca de tokens - cresceu em comparação a 2017, mas essa pode ser uma tendência em desaceleração e queda em 2019.

Dada a sua notoriedade por esquemas de bombas e lixões - permitindo que os fraudadores inflarem artificialmente o preço dos tokens antes de lucrar - há evidências de que os dias sem lei, do 'vale tudo, ' podem estar chegando ao fim para as ICOs.

A pesquisa sugere que está se tornando mais difícil obter financiamento suficiente dessa maneira. Um grande fracasso foi o Civil, uma organização de notícias baseada em Blockchain que não conseguiu atingir seu valor de mercado apesar da ampla publicidade, incluindo do Financial Times, New York Times e nossa própria publicação irmã, a Techworld .

Uma vez que a excitação dos primeiros impulsionadores se dissipou, o que restará? Todo o mercado vai cair na obscuridade? Ou somente os evangelistas verdadeiramente comprometidos permanecerão?

"Parece que além de qualquer interesse inicial em um aplicativo descentralizado, eles lutam para manter qualquer forma significativa de base de usuários, uma vez que toda a excitação diminuiu", disse um porta-voz da Everledger, uma startup do Reino Unido que construiu uma aplicação comercial para a indústria de diamantes, gemas coloridas, arte e vinho usando Blockchain. "Para a maioria, parece que os dApps são um conceito desafiador para entender em comparação com aplicativos populares, fáceis de usar baseados na web como o Facebook, Instagram e Twitter".

Mas, exceto o apelo do mainstream, persistem obstáculos consideráveis, como a necessidade de investir em uma "carteira fria" e às vezes passar por um complexo processo de registro, a fim de participar desse ecossistema.

Organizações como a Token Foundry estão tentando trazer legitimidade para a área, exigindo uma abordagem mais rigorosa para o registro de compradores.

Ruchir Dalmia, da Deloitte, disse à Computerworld UK que a multinacional de serviços registrou declínios de mais de 80% na maioria dos ativos de criptografia devido à falta de devoluções e projetos cancelados.

"À medida que os investidores e os reguladores se tornam mais espertos, os projetos simbólicos estão sendo mantidos em padrões mais elevados, e orientações regulatórias mais claras estão forçando novos empreendimentos de criptografia a adotar processos melhores, bem como equipes e tecnologia mais fortes", disse Dalmia. "Isso, no entanto, tem um custo considerável. Combinado com o já alto custo do desenvolvimento do Blockchain, o efeito de equipes ricas em ativos vendendo rendimentos de ICOs para financiar o desenvolvimento contínuo de produtos produziu condições difíceis de mercado, e é por isso que esperamos que o mercado para ICOs permaneça moderado em 2019. "

Tokenização

Para discutir a tokenização, é importante delinear diferentes tipos de tokens, que estão ligados a um tipo diferente de ecossistems  Blockchain.

Altcoins são formas de criptomoedas assim chamadas porque são uma 'alternativa' para o Bitcoin.

Tokens de utilitários: apelidados originalmente de 'appcoins', são tokens que são usados ​​principalmente nos ecossistemas de plataformas baseadas em Blockchain. Eles mantêm o valor interno na plataforma, mas também podem ser trocados por diferentes moedas nas trocas. Eles também podem atuar como 'compartilhamentos' em plataformas Blockchain.

"Acreditamos que os tokens são o catalisador para re-imaginar completamente novas construções e edifícios completamente novos", diz Sanaya Mirpuri, diretor de marketing de produto da token Foundry. "Acreditamos em projetos que criam ecossistemas baseados em tokens."

Os tokens de segurança podem tornar o comércio mais transparente e inclusivo devido à falta de barreiras entre diferentes moedas e países.

À medida que as ICOs são cada vez mais limitadas, as STOs (ofertas de tokens de segurança) estão em ascensão, devido à sua maior conformidade regulatória. Na verdade, os tokens de segurança já são totalmente compatíveis com os regulamentos da SEC, ao contrário dos tokens de utilitário. Isso ocorre principalmente porque o valor dos tokens de segurança está vinculado ao valor que já existe no mundo real. Por exemplo, imóveis, ações ou itens de valor que recebem um valor em tokens fungíveis. Muitos dos STOs lançados até hoje são tipos de fundos de investimento.

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail