Home > Carreira

Tecnologia com paredes tombadas

Viviane Lusvarghi, CIO da Cidade Matarazzo, está à frente de projeto grandioso que vai transformar a cidade de SP

Déborah Oliveira

31/05/2019 às 9h06

Foto: Shutterstock

Desde criança, Viviane Lusvarghi, CIO da Cidade Matarazzo, sonhava em seguir carreira em comunicação social. O destino, no entanto, a levou a percorrer a trilha da tecnologia da informação (TI). “Eu passava em frente a uma editora todos os dias e queria ser produtora editorial”, ri. Mas quando a mãe a inscreveu em um curso de processamento de dados tudo mudou. Ela sabia que tinha de seguir carreira na área. “Sempre me dei bem com exatas e lógica. Não foi uma escolha, mas quando conheci me dediquei. Então, comecei minha trajetória como programadora”, lembra.

A chama da comunicação nunca se apagou. Ela fez faculdade na área e recentemente formou-se em psicanálise, algo que exige uma profunda capacidade de ouvir e falar. “No futuro, não acredito que cursos de graduação em TI deverão existir. Tecnologia deve ser cross”, opina ela.

Relembrando sua trajetória, Viviane contou à CIO Brasil que atuou em diversos setores, o primeiro deles em agronegócios, em uma posição mais técnica. Depois foi para serviços, em uma jornada tecnológica voltada essencialmente à experiência do consumidor.

Em seguida, partiu para o outro lado do balcão, na Totvs, para atuar com consultoria, uma experiência que ela considera ter sido bastante agregadora. Sua trajetória também inclui passagens pelo setor alimentício e manufatura, na AOC. Com a fábrica em Manaus, ela se dividia entre a cidade e São Paulo, sua terra natal. Essa experiência foi altamente enriquecedora, garante a executiva.

Mais recentemente, antes de ingressar na Cidade Matarazzo, ficou seis anos à frente da TI da Santher, empresa brasileira que produz papel de diversos tipos para uso industrial e doméstico.

Foi lá, inclusive, que ela ganhou, em 2017, o prêmio Executivo de TI do Ano na categoria Plásticos, com um projeto baseado no conceito de Indústria 4.0, integrando máquinas, pessoas e sistemas. O trabalho foi grandioso e desafiador, envolvendo a integração de 14 sistemas, robôs, carros satélites e talentos de seis nacionalidades. Na bagagem, um aprendizado: não existe tecnologia sem pessoas. “Quando cheguei na Santher, busquei tornar a TI voltada para pessoas, mais próxima das áreas”, diz.

Novos ares

O desafio na Cidade Matarazzo surgiu há um ano e meio. Viviane considera esse projeto alinhado ao seu propósito de vida, a uma realização pessoal. Essa nova fase inclui erguer um empreendimento que será inaugurado em 2020 na Avenida Paulista, em local ocupado pelo histórico Hospital e Maternidade Matarazzo.

O local, que promete ser um verdadeiro oásis em meio à selva de pedra, foi idealizado pelo francês Alexandre Allard. Incluirá, em 27 mil metros quadrados, 10 mil árvores, áreas como um hotel 6 estrelas, capela, sinagoga, teatro, lojas e até um monumento de 79 metros com potencial para ser novo símbolo de São Paulo, em um mix de cultura e arte, segundo ela.

Haverá ainda hortas urbanas, que serão plantadas por moradores de rua do entorno da Cidade Matarazzo, que terão a oportunidade de vender seus produtos orgânicos no espaço e fornecê-los para os mais de 30 pontos de alimentação locais, em uma oportunidade de transformar suas vidas.

O desafio é inédito não só na sua carreira, o que a motiva sobremaneira, como também no mundo. No projeto, a TI é peça-chave, já que o espaço conta com conceito de smart city. “É um projeto de tecnologia com paredes tombadas”, define ela. “É um projeto voltado essencialmente para experiência, que impactará o Brasil todo. Ele certamente vai virar referência no varejo e mudar a economia na região.”

Sem limites para sonhar

Viviane define o projeto como o verdadeiro sentido da frase ‘não tenha limites para sonhar’. “A Cidade Matarazzo será pioneira em muitos sentidos. Por isso, digo ao meu time para sonhar alto com o que queremos e não se limitar. Tudo isso em prol da melhor experiência”, conta.

Para testar o modelo que será entregue em 2020, Viviane vai colocar no ar, em dezembro deste ano, uma loja experimental com o conceito ‘Retail 4.0’, altamente conectada, onde será possível testar diversas tecnologias e levar um gostinho para o público de como será essa cidade do futuro, no coração de São Paulo. “Apesar da inauguração prevista para 2020, a inovação é fio condutor do projeto e ela não pode parar”, revela.

TI diferente

Viviane entende que a TI da Cidade Matarazzo é diferente. “Somos voltados para digital, com legado zero.” Com essa visão, a executiva revela que a TI da empresa é conectada aos negócios e, portanto, altamente estratégica. “Mais do que nunca, entendo que o nosso core é inovação. Por isso, busco encontrar parceiros que cuidem da parte operacional e nós da gestão. Não vejo mais ter uma estrutura interna grandiosa para sustentar essa operação”, pontua.

Para os CIOs que estão em busca de se reinventar, Viviane oferece um conselho precioso: “Entendimento dos novos tempos é crucial hoje. Outro ponto importante é o autoconhecimento. Um profissional não consegue ir em busca dos seus sonhos se não se conhecer. Se não se transformar, não consegue transformar a empresa”, finaliza ela.

Tags
Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail