Fazer login no IT Mídia Redefinir senha
Bem-vindo de volta,
Digite seu e-mail e clique em enviar
Ainda não tem uma conta? Cadastre-se
Salvar em Nova pasta de favoritos

+

Criar pasta
Salvar Escolher Pasta
Por que as linguagens de programação mais usadas também são as mais impopulares?
Home > Notícias

Por que as linguagens de programação mais usadas também são as mais impopulares?

Ser amplamente utilizada não impede uma linguagem de ganhar a antipatia dos programadores

Da Redação

08/04/2020 às 10h00

Foto: Shutterstock

A programação é essencial para o trabalho dos desenvolvedores, isso não dá para negar. Mas como todo o trabalho tem os chamados “ossos do ofício”, o mesmo acontece com essa profissão tão requisitada: a “dor”, no caso, é trabalhar o dia inteiro com um código que não se gosta. 

Especialmente porque muitas das principais linguagens utilizadas em aplicações não são lá muito queridas entre seus usuários. Para entender mais sobre essa relação de amor/ódio, o TechRepublic ouviu líderes do setor para entender o porquê de linguagens de codificação  omo Python, Java e JavaScript, amplamente usadas, também tão impopulares entre os profissionais.  

Dentro da pesquisa promovida pelo site, Java e JavaScript  aparem disparadas como as linguagens mais impopulares entre os desenvolvedores.  Mas por qual motivo?

Jack Mannino, CEO da nVisium, provedora de segurança de aplicativos, diz que pelo design, o JavaScript “incentiva antipadrões, como o uso de variáveis globais, e a abordagem de coerção” da linguagem que, segundo ele, “confunde os desenvolvedores quando os resultados são inesperados”. 

Quanto ao Java: Thomas Hatch, CTO e Co-Fundador da SaltStack, fornecedora inteligente de software de automação de TI, explica que o código é “insustentável, complicado e difícil de manter”, o que considera irônico, já que foi criado com o objetivo de facilitar a manutenção de grandes equipes. 

CIO2503

E-book por:

Cada qual ao seu igual

Para Katie Levy, Engenheira de Software Sênior da Intuit,
toda linguagem tem seu próprio objetivo e muitas vezes o uso da
linguagem depende do contexto que o desenvolvedor está programando.  

Will Goode, instrutor principal do Coding Dojo, segue a mesma linha. "Se
eu quisesse escrever mais aplicativos com desempenho otimizado para
rodar em um sistema operacional, apreciaria muito o que o C ++ me
oferece. Se quisesse escrever um kernel do sistema operacional,
apreciaria o que posso fazer com C. E se eu quisesse escrever um código
necessário para acessar conjuntos de instruções especiais do meu
hardware, o Assembly seria ótimo", diz Goode. 

Entretanto, existem características comuns entre as linguagens que as diferenciam. Para Mannino,
“uma linguagem de programação ideal tem sintaxe direta, um conjunto
forte de bibliotecas principais". Ele acrescenta que uma linguagem é
flexível o suficiente para resolver problemas diversos e ainda fornece
“recursos facilmente implementáveis no caso de você desejar usar como
padrão a implementação opinativa da linguagem”. 

 Hatch também acredita que uma boa linguagem deve ser “compreensível”, no qual o desenvolver consegue se comunicar facilmente com outro profissional sobre como o programa foi construído. “A simplicidade vence”, ressalta.

“É por isso que gosto tanto de Python - é fácil desenvolvê-lo; e poucos desenvolvedores de Python escrevem códigos difíceis de passar para outro desenvolvedor", acrescenta. 

Vai um cookie?

A CIO usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Fechar anúncio

15