Home > Gestão

O caminho para iniciar uma jornada de inovação

O poder da inovação toma forma de veículo para transferir operações atuais da sua organização ao futuro ideal

Jose Hernandez, da CIO (EUA)

08/04/2019 às 14h35

Foto: Shutterstock

Vamos discutir uma questão óbvia e desconfortável: a inovação é uma jornada. A realidade é que você terá a sua cota de fracassos misturados com alguns sucessos.

Agora, imagine esses esforços como um grupo de pequenas experiências e oportunidades de aprendizado que constroem uma mentalidade de melhoria, seja ela incremental ou disruptiva. Essas não são implementações em grande escala que representam risco financeiro por conta de investimentos dispendiosos.

Em vez disso, esses conceitos são minimamente viáveis, que custam centavos por dólar e geram insights valiosos sobre a organização ou podem até mesmo estabelecer a base para a produção em larga escala. Ao visualizar cada falha ou sucesso como uma ponte sobre a lacuna que você está tentando resolver, rica em oportunidades de aprender, crescer e tentar novamente na próxima iteração, uma cultura de inovação começa a tomar forma.

Vamos expandir este pensamento por um momento e me deixar tomar a liberdade de definir a inovação de uma forma não considerada, muitas vezes, como uma ponte. Todas as organizações formulam estratégias para definir e descrever um estado desejado. A inovação é simplesmente um meio de unir esse estado à estratégia.

Disrupção e redução
Agora, vamos começar a conversa oferecendo uma perspectiva sobre por que uma organização de TI pode pensar em se aventurar neste tipo de inovação. Para responder a isso, devemos primeiro ampliar a abertura e considerar a proposta de valor básica que a TI trouxe para as empresas ao longo das duas últimas décadas. Vamos fazer isso através da perspectiva dos lucros e perdas de uma organização (P&L).

As empresas têm direcionado bilhões de dólares de investimento em tecnologia com o objetivo principal de automação e percepção do uso efetivo dos recursos da empresa. Esses investimentos em tecnologia concentraram-se amplamente na seção de Vendas, Gerais e Administrativas (SG&A) de um P&L, ajudando a gerenciar custos “abaixo da linha” ao liberar um crescimento sem precedentes dos ganhos de produtividade.
Após décadas de investimentos, a maioria das organizações percebeu o valor da promessa da tecnologia em ganhos de produtividade ou está disposta para fazê-lo mais prontamente do que nunca. Os recursos que antes exigiam a implementação de tecnologia em larga escala, agora estão se aproximando da simplicidade dos serviços contratados externamente.

Sem dúvida, a TI permitiu que as corporações cumpram a promessa de otimizar a linha de despesas SG&A de P&Ls. No entanto, há um novo desafio no horizonte. O ritmo de mudança entre as indústrias está aumentando em um ritmo dramático. É alimentado pela aplicação de invenções tecnológicas disruptivas. Eles costumam ser chamados de disruptivos, porque o resultado de sua aplicação perturba as indústrias nas quais eles são aplicados.

Os avanços tecnológicos e as invenções em Machine Learning (Aprendizado de Máquina), Blockchain e Realidade Virtual (VR) são apenas alguns exemplos com o potencial de romper o modo como o valor econômico é gerado em muitos dos setores que apoiamos como tecnólogos.

Estamos testemunhando uma justaposição histórica, em que corporações de sucesso com grande participação de mercado estão posicionadas com vastos recursos, prontas para alavancar a tecnologia emergente e recriar suas organizações. No entanto, elas são continuamente derrubadas por aqueles que aproveitam as oportunidades criadas por tecnologias emergentes para romper modelos de negócios estabelecidos há muito tempo. Os resultados são novos participantes e a saída de marcas antigas e familiares.

Para dar uma perspectiva adicional, o Credit Suisse destaca que a expectativa de vida média das 500 empresas listadas na Standard & Poor’s diminuiu de 60 anos na década de 1950 para pouco menos de 20 anos na década atual. Eles observam que “a força disruptiva da tecnologia está matando as empresas mais antigas mais cedo e em um ritmo muito mais rápido que décadas atrás”.

Provocador, talvez, mas a ruptura dos modelos de negócios é evidenciada por todos os negócios de táxi substituídos no planeta. por empresas que oferecem aplicativos móveis que permitem ao piloto personalizar seu próprio conforto e experiência. O ciclo está apenas aumentando a uma taxa exponencialmente mais rápida.

Aproximando tudo
As organizações de TI têm a oportunidade de liderar o desbloqueio do poder das tecnologias disruptivas, não por sua aplicação aos ganhos internos de produtividade, mas explorando a sua capacidade de gerar valor nos mercados em que suas organizações servem. Por meio do poder da experimentação, as organizações de TI podem começar a sair do reino da comoditização, enquanto posicionam suas organizações em direção aos sucessos na criação de valor.

O aproveitamento de vastos recursos, como talentos e ferramentas, ao mesmo tempo em que utiliza as tecnologia emergentes, para desenvolver novos produtos e serviços, vai criar novas linhas de negócios e abrir novos mercados. A inovação disruptiva fornece o caminho para esse estado desejado.

Uma solução para o dilema da inovação enfrentada pelas corporações está à mão, desde que reconsiderem as implicações de como ela é obtida. Se a inovação é abordada como um serviço e não como um processo, uma organização pode buscar novas ideias por meio de sua própria organização de TI.

Se a Amazon Web Services puder gerar centenas de serviços baseados em TI por ano, uma equipe de TI poderá aproveitar os mesmos princípios de entrada no mercado e desenvolver uma prática de inovação como serviço. Mais especificamente, eles poderiam executar a estratégia de uma organização, estreitando a abertura na tecnologia disruptiva para acionar disrupções de mercado, que mantêm sua viabilidade em um novo amanhã e, posteriormente, permitir que a TI transforme a mercantilização do back-office.

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail