Fazer login no IT Mídia Redefinir senha
Bem-vindo de volta,
Digite seu e-mail e clique em enviar
Ainda não tem uma conta? Cadastre-se
Salvar em Nova pasta de favoritos

+

Criar pasta
Salvar Escolher Pasta
Mesmo com aumento da demanda, gasto mundial em TI diminuirá 2,7% em 2020
Home > Notícias

Mesmo com aumento da demanda, gasto mundial em TI diminuirá 2,7% em 2020

Relatório da IDC aponta grande declínio de gastos em equipamentos de escritório e redução de despesas nas áreas de armazenamento e hardwares de rede

Da Redação

09/04/2020 às 10h00

Foto: Shutterstock

Novas projeções indicam que os gastos mundiais em TI devem cair 2,7% em termos de moeda constante este ano, uma vez que o Covid-19 afeta a economia global e força muitas organizações ao redor do mundo a responder com planejamento de contingência e cortes de gastos no curto prazo.

O cenário é analisado no Black Book Live Edition da IDC Worldwide, atualizado mensalmente com as últimas previsões de gastos em TI para o crescimento anual em 100 países.  

Baseado nas recessões econômicas anteriores, é provável que os gastos com TI em hardware, software e serviços caiam mais do que o PIB real em geral, na medida em que compradores e consumidores comerciais de TI implementam cortes rápidos nos gastos de capital, de acordo com a queda nas receitas, nos lucros, nas avaliações de mercado e na contagem de funcionários. 

"As empresas de setores da economia mais afetadas durante o primeiro semestre do ano reagirão atrasando algumas compras e projetos, e a falta de visibilidade relacionada a fatores médicos garantirá que muitas organizações adotem uma abordagem extremamente cautelosa no que diz respeito a planejamento de contingência orçamentária no curto prazo", disse Stephen Minton, Vice-Presidente de Programa do Grupo Customer Insights & Analysis da IDC. 

CIO2503

E-book por:

Impactos em aquisição de periféricos e dispositivos 

De
acordo com o relatório, são esperados grandes declínios de gastos neste
ano em PCs, tablets, telefones celulares e periféricos, com o gasto
geral de dispositivos diminuindo 8,8% em termos de moeda constante. 

Uma queda na compra de PCs já era aguardada pelo setor, devido a um forte ciclo de atualização orientado pelo Windows em 2019, mas a crise perturbará significativamente o mercado de smartphones que foi projetado para registrar retornos mais fortes este ano como resultado das atualizações de 5G. 

Os gastos com servidor/armazenamento e hardware de rede também diminuirão em geral, apesar da forte demanda por serviços em nuvem. Os gastos totais com infraestrutura (incluindo nuvem) aumentarão 5,3%, mas todo esse crescimento virá dos gastos corporativos em infraestrutura como serviço (IaaS) e gastos com provedores de nuvem em servidores.

Enquanto isso, os gastos gerais com hardware de servidor/armazenamento diminuirão em 3,3% e os gastos com equipamentos de rede corporativa diminuirão em 1,7%. 

"Em
geral, os gastos com hardware são sempre identificados para cortes
rápidos nos gastos durante qualquer crise econômica, como um meio para
as empresas protegerem rapidamente a lucratividade a curto prazo", disse
Minton.  

"Em
falhas econômicas anteriores, o hardware de TI tendia a ultrapassar o
ciclo econômico, tanto na fase negativa quanto na fase de recuperação.
Isso ocorre porque os fatores subjacentes à demanda não mudam da noite
para o dia, mas o momento das compras é alterado e atrasado, e isso
agora pode ser feito ainda mais rapidamente do que no passado. O que é
diferente agora é que a nuvem é um fator maior do que em qualquer
recessão global anterior, e isso significa que os gastos gerais são
menos voláteis do que nas duas últimas grandes quedas nos gastos com
TI", complementa. 

Infraestrutura inclui serviços de hardware e nuvem. 

Os
gastos com serviços de TI diminuirão 2% em 2020, com os piores
declínios nos serviços orientados a projetos, conforme as organizações
apertam o botão de pausa nos principais novos projetos até que a
visibilidade dos negócios melhore. Os gastos com serviços gerenciados e
serviços de suporte também diminuirão, de acordo com as atividades
gerais de TI e as implantações de hardware/software. 

O setor de software
registrará um crescimento positivo de pouco menos de 2% no geral, em
grande parte devido a investimentos em nuvem, juntamente com uma demanda
resiliente por categorias específicas, que serão um componente das
medidas de resposta ou serão parte integrante das operações comerciais
em andamento. 

"Haverá
muitas oportunidades de software e serviços relacionados nos próximos
seis meses, conforme as organizações criam medidas de resposta focadas
no aumento do trabalho e colaboração remota", disse Minton. "As organizações que estão mais além das escalas de transformação digital e migração de nuvem provavelmente estarão melhor posicionadas em termos de integração dessas tecnologias em planos de resposta eficazes e ágeis". 

Incluindo telecomunicações e outros gastos, o total de despesas
com TIC cairá 1,6%, para pouco menos de US$ 4,1 trilhões. Isso se
compara ao crescimento geral de TIC de 3,5% no ano passado, quando os
gastos com TI aumentaram quase 5%.  

As despesas com telecomunicações serão menos impactados
no geral, pois a demanda por banda larga permanece extremamente forte
(em alguns casos, mais alta como resultado do aumento do trabalho em
casa e das medidas de isolamento). 

Vai um cookie?

A CIO usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Fechar anúncio

15