Fazer login no IT Mídia Redefinir senha
Bem-vindo de volta,
Digite seu e-mail e clique em enviar
Ainda não tem uma conta? Cadastre-se
Salvar em Nova pasta de favoritos

+

Criar pasta
Salvar Escolher Pasta
Estudo: 81% das mulheres que atuam com tecnologia sofreram preconceito de gênero
Home > Notícias

Estudo: 81% das mulheres que atuam com tecnologia sofreram preconceito de gênero

Dados de uma pesquisa da consultoria de recrutamento Yoctoo mostram que 82% delas se sentem pressionadas a provar competência o tempo todo

Redação

09/03/2021 às 17h17

Foto: Adobe Stock

Uma pesquisa realizada pela consultoria de recursos humanos especializada no setor de tecnologia Yoctoo descobriu que 81% das mulheres já sofreram preconceito de gênero, seja na escola ou no ambiente de trabalho. Mas é neste último ambiente que o preconceito mais acontece, de acordo com 63% das ouvidas.

Para elas, o maior desafio é provar
a própria competência técnica o tempo todo, segundo 82%. Na sequência aparece a
dificuldade em serem respeitadas pelos pares, superiores e subordinados do
gênero masculino (51%).

Destacam ainda o preconceito de gênero dentro das empresas (49%), seguido pela falta de representatividade feminina na área, como forma de inspirar mais mulheres a trilharem carreiras de tecnologia (48%), e a falta de oportunidades nos processos seletivos (39%).

No entanto, segundo o estudo, a luta
começa cedo para as mulheres na TI, uma vez que a grande maioria das meninas é
desencorajada a estudar ciências exatas, como física e matemática. Na
universidade a luta continua: 43% afirmam sofrer preconceito no ensino superior,
já que os cursos de tecnologia são majoritariamente compostos por alunos
homens.

“É nosso papel proporcionar
processos seletivos mais justos, inclusivos e, principalmente, sem nenhum tipo
de viés”, pondera em comunicado Paulo Exel, diretor da Yoctoo. “TI ainda é um
mercado predominantemente masculino, entretanto incentivamos nossa equipe em
todos os processos de seleção, por mais desafiador que possa ser, a buscar
candidatos qualificados de todos os gêneros. Acreditamos que com iniciativas
como essa, é possível reverter esse cenário.”

Mais de 125 mulheres participaram
da pesquisa, entre elas especialistas de TI, líderes de equipe técnica,
executivas de TI (CTOs, CIOs,VPs, diretoras), empreendedoras de tecnologia,
freelancers e estudantes de tecnologia. As entrevistas ocorream entre 22 e 28
de fevereiro de 2021.

Orgulho, apesar de tudo

Apesar das dificuldades, as ouvidas
pelo estudo que seguiram a carreira em TI dizem não se arrependem. Mais de 63% disseram
que o que mais as motiva é a paixão pela área de tecnologia. Em segundo lugar,
aparece a remuneração e benefícios bastante atraentes (39%).

Quando questionadas sobre o que é
preciso ser feito para que mais mulheres ocupem cadeiras de tecnologia, 52%
dizem que é primordial o incentivo dos pais desde a infância, fazendo com que
haja interesse das meninas por brinquedos ligados à tecnologia, como jogos de
vídeo game, celulares, tablets, entre outros. Em seguida, 48% dizem que a equiparação
salarial em todos os níveis também ajudará a mudar esse cenário.

Quando questionadas se percebem que
o mercado está amadurecendo quanto à inclusão de mulheres, a maioria (62%) diz
que sim, mas ainda de forma bastante lenta.

Impactos da pandemia

A pandemia parece não ter imposto
grandes impactos à empregabilidade das mulheres da tecnologia. Mais de 50%
disseram não ter sofrido nenhuma mudança significativa. Outras 23% afirmam ter
mudado de emprego, enquanto 15% foram demitidas.

Já em relação ao desenvolvimento
profissional das respondentes, das que se disseram impactadas, 32% disseram que
houve aumento na demanda de trabalho sem reconhecimento das empresas. Os investimentos
em capacitação, como cursos e treinamentos, também sofreram reduções para 20%
delas.

Por outro lado, 37% afirmam que o home-office
as tornou mais produtivas. A pandemia proporcionou um maior equilíbrio entre a
vida pessoal e profissional para 36%. Como maior benefício do trabalho remoto,
elas apontam mais flexibilidade de horários (69%).

Entretanto, 51% afirmam que o
volume de trabalho aumentou e 49% afirma ter que participar de mais reuniões
que antes. Os maiores desafios estão sendo a manutenção da saúde mental (61%) e
o equilíbrio entre as atividades de casa e do trabalho (39%).

Vai um cookie?

A CIO usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Fechar anúncio

15