Home > Gestão

Nestlé Purina unifica sistemas de busca e troca de dados

Fabricante de ração integra portal dos distribuidores com site de relacionamento com vendedores e ganha agilidade no servidor

Luiza Dalmazo, do COMPUTERWORLD

10/01/2008 às 11h56

Foto:

Desde 2004, distribuidores e vendedores se relacionavam com a fabricante de ração para animais domésticos Nestlé Purina de formas diferentes. Havia um portal para a troca de dados entre os responsáveis pela distribuição e a empresa e, em paralelo, um site com função semelhante para falar com os comerciantes.

Tudo era duplicado. O sistema, o fornecedor, o trabalho de administração. Isso tudo mudou há três meses, quando a empresa integrou as ferramentas em busca de melhoria na gestão e sinergia na troca de dados.

O gerente de business intelligence da companhia, Eduardo Canto, conta que o planejamento da migração foi realizado para coincidir com o período do fim do contrato com um dos fornecedores. “Também esperamos para que a W5 Solutions, a partir de então o único parceiro nessa ação, pudesse se adequar às regras de segurança da Nestlé”, acrescenta.

A princípio, a consulta ao banco de dados se manteve, porque os sistemas trocam informações entre si. Só quando a base foi migrada é que tudo ficou realmente unificado e baseado em plataforma .Net. Hoje o sistema é totalmente web.

Para os usuários, no entanto, o impacto foi pequeno, com poucas mudanças visuais, pois a interface continuou igual. “Os nossos ganhos mais significativos ficam escondidos – os destaques foram para a sobra de banda e para a agilidade no servidor”, conta o executivo. Além disso, a empresa aproveitou a integração para criar um cadastro único de usuários para que consiga amarrar as duas informações – do portal dos distribuidores e da extranet.

Mesmo parecendo tarefa da TI, Canto explica que o principal do projeto foi a concentração dos envolvidos em atividades aparentemente distintas: as vendas diretas da Nestlé para os clientes, a comercialização com distribuidores que entregam para pet shops e também os que entregam para os consumidores. “Antes só víamos o que tínhamos vendido para os distribuidores. Agora reconhecemos o que comercializamos até mesmo com pequenas lojas, totalizando todas as vendas”, detalha.

Isso permite à companhia gerenciar com mais eficiência a identificação de demanda, fazer políticas de preços de acordo com o escoamento dos produtos, ações promocionais direcionadas para regiões específicas, entre outros.

“Avaliamos o cenário completo”, relata. Mesmo concentrando as operações em um só fornecedor, Canto diz que a redução de custos não foi expressiva. “Ainda assim consideramos que o ganho é qualitativo, pois conseguimos gerar muito mais possibilidades de negócios”, conclui.

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail