Home > Carreira

Aprenda a dizer não

Executivo de TI que aprendeu a gerenciar seu tempo para concluir a faculdade de psicologia explica a importância de dizer não

Marina Pita

19/12/2007 às 12h14

sayno_int.jpg
Foto:

O alto nível de automação e a conseqüente redução das vagas de trabalho têm significado o aumento do tempo dedicado à empresa para muitos profissionais. Alguns chegam a ocupar quase que o dia inteiro com as necessidades da corporação. Ao mesmo tempo, não são raros os casos de executivos em altos cargos, inclusive de confiança, que abrem mão da renda e do reconhecimento para encontrar a paz em uma outra atividade, muitas vezes mais tranqüila e afastada dos centros urbanos.

Para Jaimildo Vieira, profissional da área de tecnologia da informação há mais de 30 anos e psicólogo recém-formado, os profissionais precisam aprender a dizer não e a conciliar o trabalho com outras atividades para evitar que a situação chegue ao limite. Foi assim que ele conciliou a profissão com a segunda graduação. “Acredito que as empresas exijam a disponibilidade do profissional, mas não todo o seu tempo. Muito desse excesso de dedicação vem da própria insegurança dos executivos hoje. É preciso buscar a eficácia e a perspicácia”, afirma ele.  

“A eficácia não depende somente do tempo de trabalho. Para um profissional conseguir cumprir suas funções de forma adequada, é preciso dormir, descansar, não estar triste ou deprimido”, garante o psicólogo. Qualidade de vida é jantar em um bom restaurante mesmo quando não for fazer networking. “É preciso que cada um, individualmente, faça uma escolha: viver para trabalhar ou trabalhar para viver”, explica.

Vieira escolheu a segunda opção. Nunca deixou de praticar esportes - atualmente tênis - e estudar. Formado em ciência da computação em 1979, ele começou a sentir necessidade de entender o comportamento humano quando passou a gerenciar equipes e, ainda mais, depois que se tornou um executivo de negócio. Depois de uma fase difícil, entre crise conjugal e problemas de saúde, decidiu fazer a faculdade de psicologia.  

Foi aí que realmente precisou aprender a gerenciar seu tempo. “As demandas são enormes, mas a maioria delas não faz sentido, por isso é preciso saber dizer não. É muito importante ter perspicácia para avaliar o que é importante ou não”, afirma. “Muitos executivos que eu conheço fazem o plano de negócios e depois não o seguem. É preciso confiar mais no plano. Saber o que é relevante e o que foi combinado. Se foi feito um acordo, é preciso executá-lo. Ter disciplina para dizer não. Em algumas equipes com que trabalhei, os profissionais tinham excelente capacidade de trabalho, disponibilidade, mas tinham problema de não saber discernir o que deveriam ou não fazer. No final, tentavam mil coisas ao mesmo tempo e o resultado não vinha”, garante Vieira.

No seu caso, Vieira teve de abrir mão de um cargo executivo, tornar-se consultor para obter o segundo diploma. “Mesmo como uma espécie de assessor do presidente, tive que ter muita disciplina para educá-lo, por exemplo, para não aceitar demandas extras e seguir aquilo que havíamos combinado”.

Para ele, essa é a principal barreira enfrentada por muitos profissionais, mesmo quando pretendem melhorar a formação na própria área, com um MBA, por exemplo. “Como tinha de chegar na faculdade, tive de educar os executivos para que, quando quisessem contar com a minha presença, teriam de começar e terminar as reuniões no horário combinado”, diz.

Agora Jaimildo está formado, seu chefe está satisfeito com a idéia de dispor ainda mais de seu tempo. Mas o agora também psicólogo já tem novos planos: usar sua formação em TI e psicologia para abrir uma consultoria. “Talvez você não precise fazer uma segunda faculdade para estar satisfeito. Mas é bom saber gerenciar seu tempo tanto para se especializar quanto para manter uma vida emocional saudável”, recomenda.

 

 

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail