Home > Gestão

Data center conjunto entre BB e Caixa poderá ser alvo de novo edital

Expectativa do Banco do Brasil de inauguração do centro em 2008 é postergada e já se fala na possibilidade de que ele saia no final de 2009

Taís Fuoco, do COMPUTERWORLD*

28/11/2007 às 11h59

Foto:

O projeto de um data center conjunto entre Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil através de uma parceria público-privada (PPP) está sendo reavaliado. O BB admite que, se mudar a engenharia financeira da operação, poderá ter de publicar um novo edital, o que pode atrasar em cerca de um ano a previsão inicial de que o centro de armazenamento de dados ficasse pronto em 2008, como anunciado no final de 2006.

A diretora de tecnologia do BB, Glória Guimarães, afirma que as propostas, apresentadas por três consórcios, "estão na fase de análise", processo que vem sendo acompanhado pelo Tribunal de Contas da União (TCU). O consórcio vencedor teria de investir algo entre 1 bilhão e 1,2 bilhão de reais para implantar o data center, com o direito de prestar serviços por 25 anos, período depois do qual o centro voltaria ao controle do Estado.

"O governo estuda formas de financiar o investimento", afirmou Glória, que participa da II Jornada de Tecnologia do Banco do Brasil, esta semana em Brasília (DF). Ela citou, inclusive, a possibilidade de que o BNDES emprestasse recursos. Caso mude a engenharia financeira da operação, entretanto, um novo edital terá de ser lançado.

O terreno, na Cidade Digital (DF), é do Banco do Brasil, mas a parceria com a Caixa prevê que esta assuma sua parte mais para a frente. O conjunto de hardware e software, entretanto, permanecerá em separado para as duas instituições.

Glória estima que, na atual estrutura do Banco do Brasil, ele tenha cerca de 2 bilhões de reais em ativos de TI. No novo data center, "vamos investir pelo menos metade disso", afirmou, o que equivale a algo como mais 1 bilhão de reais em hardware e software.

Um dos consórcios que apresentou proposta se candidatando a implantar o data center é formado pelas companhias Delta e Termoeste, enquanto o segundo tem as empresas Carioca, WTorres e Acciona e o terceiro, Brasil Telecom e Funcef.

* A jornalista viajou a Brasília (DF) a convite do Banco do Brasil.

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail