Home > Carreira

Conheça seu novo chefe

Reportar ao CFO é diferente de responder ao CEO. E se você engolir o orgulho, pode ser melhor – para você e para a empresa

Michael Schrage

02/03/2007 às 11h21

Foto:

Você foi rebaixado. O CEO te chamou, pediu para sentar-se e disse que, depois de pensar muito, ele decidiu que a partir de agora você vai reportar ao CFO. Todos concordam que isso faz todo sentido. A área de TI não precisa reportar ao CEO, então não deve.
Não se preocupe, ele diz. Garante que TI continua sendo vista como uma área estratégica. Mas insiste que, neste momento, é melhor que esteja diretamente ligada ao executivo que pode assegurar que a empresa tire os melhores resultados de seus investimentos. E este executivo é o CFO.
Sim, o CEO entende completamente seu desapontamento. Mas ele também quer que você saiba que ele apoia seu trabalho e quer que você tenha sucesso. Ele acredita que a tecnologia terá um impacto melhor na companhia se reportar para o departamento financeiro. Além disso, o CFO é um ótimo professional. Ele tem uma enorme chance de suceder o CEO ou mesmo de ser contratado para comandar uma outra companhia. E esse movimento pode ser muito bom para você. Realmente.
Então, levante-se e seja parte do time. O CEO está contando com você para vender essa reorganização para a equipe. Afinal, o movimento será ótimo para eles também. Honestamente.
Quem sabe? Talvez o CEO esteja certo. Sejamos sinceros: não há como esta mudança não ser um sinal de que, agora, a TI importa menos. Seus fornecedores, por exemplo, saberão instantaneamente. Talvez seus clientes mais importantes também. Certamente os seus colegas – os executivos de C-level que costumavam ser seus pares – saberão. Como isto pode não reduzir dramaticamente sua eficiência profissional?
A resposta é simples: depende do que você entende por ‘eficiencia profissional’. Quando o CEO diz que não precisa ou não quer mais que você reporte diretamente a ele, isto pode ter dois significados: que as coisas estão indo tão bem que ele realmente não precisa mais interagir diretamente com você sobre as iniciativas; ou que, francamente, você não vale o tempo e a atenção dele quando comparado a outros assuntos. Então, você deve interagir com outra pessoa.
Preocupado em descobrir qual é o seu caso?
Enquanto ser rebaixado é inegavelmente um balde de agua fria no orgulho de qualquer um, eu acredito realmente que pode revigorar TI e reposicionar o CIO dentro da companhia. O sucesso pós-rebaixamento, entretanto, depende de uma coisa: você está disposto a se esforçar para ver seu novo chefe se dar bem?

Estratégias diferentes para um chefe diferente
Quando você reporta diretamente ao CEO, é claro que trabalhar para o chefe se dar bem está intimamente ligado com fazer a companhia ter sucesso. Isto é ainda mais verdade em uma época em que o CEO é considerado a personificação da marca e da estratégia da empresa.
Mas a situação é completamente diferente quando o seu chefe é o CFO ou o COO. Desenhar a estratégia e o orçamento de TI para o CFO ter sucesso é totalmente diferente de fazer a mesma coisa para o CEO ser bem-sucedido. O vocabulário é diferente, a sensibilidade é diferente e a personalidade é diferente. Não conheço estudos sobre isto, mas eu nunca ouvi empregados descreverem o temperamento do CEO e do CFO de formas semelhantes. 
A questão mais importante que um CIO deste novo mundo deve responder sinceramente é se ele está preparado para fazer o CFO ter sucesso em seus próprios termos e não na visão de TI.
Se a resposta para essa pergunta é “Eu não sei” ou “Eu não tenho certeza” ou, ainda pior, “Acredito que não”, o CIO não terá sucesso. A eficiência profissional, nesse contexto, significa fazer coisas que vão contra o novo chefe em favor dos princípios de TI.
Por exemplo, conheço um CIO que respondia a um CFO tão odiado pelas áreas de negócios que conseguiu ter sucesso na organização de uma insurreição contra ele. Como? Ele dedicou muitas horas trabalhando com os líderes de negócios para desenvolver iniciativas baseadas em tecnologia que levariam a companhia a alcançar o que o CEO desejava. Quando o CFO disse não a essas iniciativas, o CIO uniu-se aos executivos de negócios contra eu próprio chefe, de uma forma que culminou no isolamento do CFO. O CEO teve de se livrar o CFO e o CIO voltou ao topo.
Por que funcionou? Porque o CIO apostou que as áreas de negócios poderiam criar um business case mais interessante unindo aumento de receita e economia do que o CFO poderia fazer sozinho apenas cortando custos. Nesse cenário, ajudar o CFO a ter sucesso traria o ônus de impedir o crescimento da companhia. Dito isto, fica a questão: porque o CEO decidiu rebaixar o CIO? A moral desta história é que, pouco tempo depois, o board demitiu o CEO. Por que? Porque os membros do conselhor continuaram ouvindo rumores de que os executivos de negócios estavam insatisfeitos com a liderança do CEO.
O que aconteceu com o CIO? Ele reporta ao novo CEO e funciona como um mediador entre o as decisões estratégicas do chefe e as ações dos líderes de negócios.

As trincheiras do negócio
Para os CIOs recém-rebaixados que, em sã consciencia, pretendem investir em fazer o novo chefe ter sucesso, o façam. Sem reservas, sem medo, com apoio, criatividade e de maneira inovadora.
Por que? Primeiro porque é o mais profissional a fazer e eu acredito que ética profissional é crucial para eficiência. Segundo porque as sensibilidades do CFO e do COO são tão diferentes do CEO que dá ao CIO a oportunidade de gastar mais energia com os negócios. Isto é importante porque, cada vez mais, torna-se claro que as estratégias de TI mais eficientes vêm das áreas operacionais e não de cima para baixo.
Olhe para Dell, Tesco ou Wal-Mart. O que você vê são estratégias de TI que vieram de uma evolução de iniciativas inovadoras da TI operacional. O programa de fidelidade da Tesco veio de uma idéia de marketing desenvolvida por um homem que se tornou CEO. Em outras palavras, em companhias de sucesso que valorizam TI, a transformação emerge das operações.
Sendo assim, eu me preocupo com os CEOs que rebaixam seus CIOs. Talvez a melhor decisão seja demiti-los imediatamente, porque em todos os negócios de sucesso que vejo a TI está se tornando mais essencial para os negócios, e não menos. Então, alguns CEOs nunca serão inteligentes o suficiente para entender o valor de um grande CIO.

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail