Home > Tendências

O futuro dos serviços de localização

Estudo prevê que esses serviços, utilizados especialmente em forças de vendas e no setor público, terão 1,1 milhão de usuários, só nos Estados Unidos, até 2010

Thais Aline Cerioni

17/04/2006 às 11h58

Foto:

Muito dependente das ações das operadoras celulares, o mercado de serviços baseados em localização (LBS) dos Estados Unidos deve crescer de 582 mil assinantes para 1,1 milhão de usuários até o fim de 2010.
De acordo com o InStat, as aplicações de LBS constituem um segmento pequeno, porém importante do mercado de aplicações móveis. Entre os usos desse tipo de tecnologia, o instituto de pesquisas destaca gestão de pessoal de campo e de força de vendas, assim como uma grande variedade de aplicações para o setor público.
Allyn Hall, diretora da InStat, explica que o futuro dos serviços de LBS corporativos baseados em aparelhos celulares depende de como as operadoras e os desenvolvedores de aplicações vão definir sua comercialização e como será o processo de bilhetagem dos mesmos. Além disso, ela lembra que a oferta de celulares compatíveis com esse tipo de serviço é um fator importantíssimo, que também depende da estratégia das telcos.
O instituto destaca que o uso de celulares equipados com chips A-GPS (assisted-global positioning system) é um mercado emergente e que, até meados de 2005, apenas a Nextel (nos Estados Unidos) oferecia aparelhos com máquina Java e GPS, ou seja, capazes de lidar com os aplicativos de localização.
Atualmente, o maior mercado para esse tipo de serviços é baseado no uso de chips GPS integrados aos veículos e não nos telefones celulares.

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail