Home > Tendências

Tudo para as corporações

Com o vasto portfólio que resultou das recentes aquisições, a companhia apresenta uma nova estratégia para o mercado corporativo

Thais Aline Cerioni

13/03/2006 às 18h17

Foto:

“Hoje, temos uma mina de ouro.” A avaliação de Orlando Barbieri, presidente da Symantec no Brasil, é o que baseia as expectativas do executivo sobre os resultados da companhia no próximo ano fiscal. Babieri acredita que a subsidiária brasileira deverá crescer entre 20% e 30% no ano fiscal de 2007 – que terá início em abril. “Temos uma solução completa. Se nossa equipe souber vende-la, se nossa estratégia der certo – e acredito que dará – só temos que crescer.”
A base da estratégia da companhia é o novo portfólio – montado a partir de diversas aquisições –, agora estruturado de acordo com as aplicações das soluções. “Nos últimos seis meses, desde a aquisição da Veritas, foram compradas cinco outras empresas”, destaca o diretor comercial da companhia, Wagner Tadeu. Assim, a Symantec passa a oferecer ao mercado corporativo soluções em seis frentes: gerência de ameaças, compliance, mensageria, backup e infra-estrutura, gerenciamento de storage e servidores, e gestão de datacenter.
A intenção é crescer pela ampliação do escopo de atuação. “Queremos atender os nossos clientes em tudo o que ele precisar”, afirma Barbieri, comentando que, para muitos, a área de atuação da companhia não está muito clara. “Para muita gente, a Symantec é só antivírus”. Entretanto, a oferta da empresa pode crescer ainda mais nos próximos meses. “A caça às compras ainda não acabou”, sugere o presidente.
Não é de se espantar que a imagem da Symantec ainda esteja muito ligada às suas soluções de proteção. Até 2003, a empresa tinha 70% de seu faturamento proveniente do varejo. Graças a uma estratégia totalmente focada no desenvolvimento da área de soluções corporativas, a situação inverteu. “Mundialmente, 70% vem do corporativo atualmente. No Brasil, já chegamos a 75%”, comemora Barbieri.
Segundo o executivo, o faturamento da companhia é, hoje, três vezes maior do que era em 2003. E a intenção é manter o ritmo. O executivo conta que a meta da Symantec era de chegar a um faturamento global de US$ 5 bilhões em 2005. “Agora, brincamos que o objetivo é chegar é US$ 10 bilhões em 2010”, conclui.

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail