Fazer login no IT Mídia Redefinir senha
Bem-vindo de volta,
Digite seu e-mail e clique em enviar
Ainda não tem uma conta? Cadastre-se
Salvar em Nova pasta de favoritos

+

Criar pasta
Salvar Escolher Pasta
O que o TikTok ensina às empresas sobre o emaranhamento de tecnologia
Home > Gestão

O que o TikTok ensina às empresas sobre o emaranhamento de tecnologia

Infraestrutura, apps e dados devem ser projetados de uma forma que os torne portáveis e flexíveis o suficiente para serem separados, se necessário

Murli Thirumale, InfoWorld

17/09/2020 às 10h33

Foto: Adobe Stock

A onda de interesse em adquirir o TikTok mostra o valor de uma rede social popular com uma vasta coleção de dados de consumidores. O acordo também contém uma lição importante sobre o uso da tecnologia com a qual outras empresas podem aprender: a necessidade de projetar aplicativos de maneira flexível e portátil.

Um desafio para qualquer empresa que comprar o TikTok será como dividir sua infraestrutura técnica fora da China sem destruir seu valor no processo. O ímpeto para o acordo é que os EUA não querem que a China "espie" seus cidadãos por meio do aplicativo. Isso exigirá o desmembramento dos dados e do código do aplicativo no back-end.

O proprietário do TikTok, ByteDance, também executa um aplicativo semelhante chamado Douyin, disponível apenas na China, e os aplicativos supostamente compartilham recursos técnicos, incluindo dados do usuário, código do servidor e os algoritmos que determinam qual conteúdo e anúncios um usuário vê. A ByteDance precisa separar esses elementos no prazo apertado que lhe foi dado, e sua capacidade de fazer isso de forma eficaz será um fator em quanto um pretendente está disposto a pagar - e talvez se um negócio realmente acontecerá.

Existem lições aqui para outras empresas. Não é incomum vender ou desmembrar um produto ou divisão da empresa por razões estratégicas, e como esses ativos são arquitetados pode impactar seu valor e a facilidade com que podem ser vendidos.

CIO2503

E-book por:

Os dias de construção de aplicações monolíticas gigantescas já se foram. A maioria dos novos aplicativos é construída na nuvem usando microsserviços menores que podem ser aumentados ou diminuídos conforme necessário e atualizados de forma independente. Isso é bom para introduzir novos recursos rapidamente, mas pode ser difícil separar os aplicativos se eles não forem projetados com cuidado usando padrões e tecnologias abertas.

Existem três áreas principais a serem consideradas: a infraestrutura em nuvem, o código do aplicativo e os dados. Veja como projetar cada um de uma forma que os torne portáteis e flexíveis o suficiente para que possam ser separados de forma limpa, se necessário.

Mantenha-o neutro na nuvem

A maioria das empresas tem um provedor de nuvem preferencial, e qualquer aplicativo adquirido pode precisar ser movido para um serviço diferente. No caso do TikTok, a ByteDance assinou recentemente um acordo de US$ 800 milhões para executar o aplicativo na nuvem da Google. Certamente, a Microsoft ou a Oracle gostariam de mover o aplicativo para sua própria nuvem o mais rápido possível para coletar essa receita.

Uma maneira de ficar preso em uma nuvem é usar serviços gerenciados de alto nível, como Amazon Redshift ou Google Cloud Big Table. Esses serviços são incrivelmente simples de implantar, mas notórios por bloquear os clientes em formatos proprietários. Mesmo as versões gerenciadas de produtos de código aberto populares como MongoDB e Elasticsearch podem ter diferenças sutis dependendo do provedor de nuvem, dificultando a portabilidade de aplicativos quando necessário.

Pense na nuvem pública como um serviço de infraestrutura, não a base para decisões arquitetônicas. Se você estiver construindo o próximo TikTok, selecione os serviços que não são específicos para uma nuvem pública e não limite suas opções apostando tudo em um único provedor.

Torne os aplicativos modulares e portáteis

Os aplicativos devem ser desenvolvidos como microsserviços e implantados em contêineres com base em um padrão amplamente usado como o Docker. Os contêineres empacotam tudo que um aplicativo precisa para ser executado em um pacote independente, incluindo o código do aplicativo e todas as dependências ou arquivos de configuração necessários. Isso torna mais fácil mover ou copiar um aplicativo para uma nuvem ou plataforma de hardware diferente.

Como os aplicativos em contêiner são modulares por natureza, cada serviço de aplicativo pode ser tratado individualmente, conforme necessário. Por exemplo, talvez o código da interface do usuário seja copiado enquanto os serviços de segurança são regravados. Ou uma empresa pode vender uma funcionalidade específica e manter outras partes de um aplicativo. Os próprios algoritmos podem ser atualizados para cada país ou região, dependendo das necessidades do mercado local.

Mantenha os dados independentes

ByteDance possui um tesouro de dados sobre seus usuários em todo o mundo. Dadas as preocupações com privacidade e segurança dos EUA, será necessário separar os dados associados a seus usuários internacionais e garantir que a ByteDance não tenha como acessar essas informações após a conclusão do negócio.

O gerenciamento de dados em caso de venda começa sabendo onde estão todos os seus dados, incluindo quaisquer backups. Os dados devem ser arquitetados intencionalmente e segmentados por país ou zona de operação. Esta é uma boa prática em qualquer caso, para conformidade com regulamentos como GDPR ou leis de soberania de dados específicas de cada país, mas também pode ser essencial no caso de uma venda.

Além disso, os dados não devem ser conectados ao sistema de armazenamento subjacente. As tecnologias nativas da nuvem, como Kubernetes e contêineres, permitem que os dados residam em qualquer lugar e se conectem a um aplicativo conforme necessário. No caso de uma venda, os dados podem ser movidos para uma nuvem, data center ou região diferente sem ter que reescrever o aplicativo ou remover o hardware de armazenamento. Em suma, os dados devem ser mantidos altamente portáteis e existem tecnologias de nuvem baseadas em padrões que tornam isso possível.

Não está claro quem irá adquirir a TikTok, mas o negócio pode ser lucrativo. O Facebook pagou US$ 1 bilhão pelo Instagram e o serviço gerou US$ 20 bilhões em receita publicitária no ano passado. O TikTok tem cerca de 80 milhões de usuários nos Estados Unidos e ainda está crescendo rapidamente. Mas esses negócios podem ser complexos quando os dados e aplicativos precisam ser desemaranhados no back-end. A maneira como você arquiteta sua infraestrutura pode ter um grande impacto quando se trata de uma venda.

Portanto, deixe este acordo servir de lição. Projete para máxima flexibilidade, porque você nunca sabe o que o futuro reserva.

Vai um cookie?

A CIO usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Fechar anúncio

15