Fazer login no IT Mídia Redefinir senha
Bem-vindo de volta,
Digite seu e-mail e clique em enviar
Ainda não tem uma conta? Cadastre-se
Salvar em Nova pasta de favoritos

+

Criar pasta
Salvar Escolher Pasta
Mundo vive ‘uma simples revolução’, segundo Domenico de Masi
Home > Gestão

Mundo vive ‘uma simples revolução’, segundo Domenico de Masi

Nenhum momento histórico concedeu tanta liberdade, longevidade e possibilidades de realização quanto o que vivemos hoje

Domenico de Masi*

17/04/2019 às 20h15

Foto: Shutterstock

"O mundo ainda é jovem". Esta afirmação revigorante de Gianbattista Vico, filósofo italiano, mais atual do que nunca, propõe rever em nossa mente pelo menos onze fatores dinâmicos que colocam o nosso mundo em tumulto, impedindo que ele envelheça. Confira três desses elementos.

1. O primeiro desses fatores é lembrado pelo grande escultor romeno Constantin Brâncuși, autor da interminável coluna "Simplicidade - na sua opinião - é uma complexidade resolvida". Assim, a principal tarefa dos intelectuais é desatar os nós de fenômenos complexos, simplificando sua estrutura e compreendendo seu significado. No entanto, o processo de simplificação não deve ir além do que é devido, cruzando o limiar da banalidade e da falsificação. Como diz Einstein, "as coisas devem ser simplificadas o máximo possível, mas não mais".

É verdade que a atual sociedade pós-industrial é mais complexa do que a rural e a industrial, mas é igualmente verdade que os meios à nossa disposição para decifrá-la, gerenciá-la e melhorá-la são muito mais poderosas que as anteriores.

2. O segundo fator consiste na observação quase óbvia de que aquilo em que nos encontramos não é o melhor de todos os mundos possíveis, mas é o melhor dos mundos que existiram até agora, mesmo que seja pela maior longevidade conquistada pela raça humana, pela porcentagem de Estados. Correr democraticamente e porque 7 ou 8 bilhões de cérebros, educados e interconectados, representam uma inteligência coletiva que nunca existiu antes.

3. Mas este mundo nosso vive em excesso. Para absorver a quantidade de CO2 produzida por cada litro de gasolina que queimamos, são necessários 5 metros quadrados da floresta. O espaço bio-reprodutivo é de 1,8 hectare cada, de modo que 1,3 planeta é necessário hoje.

Se até mesmo os países pobres aumentarem seu consumo enquanto os países ricos não reduzirem os seus, em 2030 mais de três planetas serão necessários. Portanto, o equilíbrio ecológico já foi amplamente comprometido e qualquer desenvolvimento posterior do consumo nos países já ricos é insustentável: é necessário, portanto, planejar um reverso que reduza e modifique os níveis sem afetar o direito à felicidade.

*Domenico de Masi é professor universitário e filósofo

Vai um cookie?

A CIO usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Fechar anúncio

15