Fazer login no IT Mídia Redefinir senha
Bem-vindo de volta,
Digite seu e-mail e clique em enviar
Ainda não tem uma conta? Cadastre-se
Salvar em Nova pasta de favoritos

+

Criar pasta
Salvar Escolher Pasta
7 tarefas que cada CIO deve aprender a delegar
Home > Gestão

7 tarefas que cada CIO deve aprender a delegar

Os CIOs têm vidas ocupadas. Portanto, um dos maiores talentos que todo líder de TI deve adquirir é a capacidade de saber quando delegar

John Edwards, CIO (EUA)

30/09/2021 às 10h56

Foto: Shutterstock

Microgerenciamento, desperdício de tempo e energia gastos em tarefas que poderiam ser facilmente realizadas por um chefe de departamento ou outro membro da equipe de TI, é uma característica comum do CIO, especialmente entre os novatos no trabalho que estão mais acostumados a receber instruções do que emiti-las.

Saber como identificar a diferença entre uma tarefa de nível C e a desordem diária de rotina exige uma combinação de habilidades, diz Adam Landau, CIO da seguradora Buckle. “Delegar tarefas permite que o líder se concentre em itens de maior prioridade que podem ter um impacto maior na organização”, observa. “Ficar focado em tarefas de maior impacto ajuda a preparar a organização para o sucesso futuro”.

A forte e decisiva delegação de tarefas também cria benefícios imediatos em termos de desempenho pessoal e eficiência, bem como produtividade da equipe. Experimente começar com as sete tarefas a seguir que todo líder de TI deve aprender a delegar.

Tarefas não estratégicas que não são de alta prioridade

Ser um CIO eficaz exige delegar tarefas que não são particularmente críticas ou sensíveis ao tempo. “Isso dá aos outros a chance de aprender o básico, enquanto você se concentra na direção estratégica e no futuro da empresa”, diz Landau. Exemplos de tarefas a delegar incluem decisões de rotina que os membros da equipe são capazes de lidar e atribuições que permitem aprendizado e crescimento. “Sempre que você delega uma tarefa, ela deve ser definida como SMART: específica, mensurável, alcançável, relevante e limitada no tempo”, explica ele.

A microgestão dos funcionários, por outro lado, cria um ambiente estressante, resultando em trabalho de qualidade inferior e menor engajamento dos funcionários. “Isso é o oposto do que os microgerentes estão tentando alcançar, mas o resultado será sempre o mesmo”, observa Landau. Microgerenciamento também é um uso ineficaz do tempo de um CIO.

Em vez de microgerenciar os funcionários, é melhor apresentar às equipes tarefas que capacitem o sucesso. “À medida que os líderes ganham mais confiança na capacidade de entrega de seus funcionários, as tarefas devem começar a se aproximar dos limites de seu conjunto de habilidades”, diz Landau. “Como líder, você deve ajudar a orientá-los para o sucesso sem microgerenciar todas as decisões que eles tomam”.

Os chefes de TI também precisam aceitar o fato de que os funcionários ocasionalmente cometem erros. Erros honestos não devem ser tratados com punição, no entanto. “Dar aos funcionários tarefas com as quais eles possam aprender para se tornarem mais bem-sucedidos é uma parte crítica de ser um líder e para criar uma organização resiliente”, diz Landau. “À medida que os funcionários aprendem, eles podem assumir riscos maiores na tomada de decisões; … eles começarão a desenvolver mais confiança”.

Configuração e desenvolvimento prático

Muitas vezes, os CIOs sentem a necessidade de voltar a por a mão na massa e codificar ou configurar as coisas. Isso quase sempre é uma má ideia. Os líderes precisam se levantar, olhar para o panorama geral e ter certeza de que estão apoiando as metas empresariais, diz o CIO da McAfee, Scott Howitt. “Deixe sua equipe técnica fazer o que deve ser feito”.

Um líder que está excessivamente focado no funcionamento interno de TI corre o risco de perder oportunidades de fazer parceria com outros executivos da empresa para aprimorar os resultados de negócios, observa Howitt. “O líder de TI deve ser visto como o facilitador de partida em vez de apenas o implementador”.

Em vez de mexer em tarefas rotineiras de baixa prioridade, Howitt sugere construir e refinar habilidades essenciais de gerenciamento. “Assim como você precisa adquirir novas habilidades para se manter atualizado com a tecnologia, você precisa desenvolver novas habilidades para ser um líder eficaz”, aconselha. “Certifique-se, por exemplo, de aprimorar suas habilidades de apresentação, finanças e comunicação”.

Qualquer tarefa já realizada por um membro designado da equipe de TI

Os CIOs precisam reconhecer que a delegação de tarefas é necessária para desenvolver habilidades de gerenciamento fortes e confiáveis. “Ninguém, não importa o quão produtivo seja, pode fazer todo o trabalho”, diz Georgi Peltekov, Diretor de Engenharia da fornecedora de serviços de TI Accedia. Quando um líder tenta assumir tarefas já delegadas, o risco se torna um gargalo que atrapalha o progresso e gera resultados negativos.

Os melhores executivos de TI lideram pelo exemplo. “Que melhor maneira de motivar e envolver sua equipe do que delegar a ela tarefas reais e essenciais que podem melhorar suas habilidades e ajudá-los a adquirir novas”, pergunta Peltekov. Usando essa abordagem, o líder também tem mais tempo para se concentrar em processos, tarefas críticas e iniciativas estratégicas. “É uma situação ganha-ganha na qual minha equipe avança, eu avanço e os resultados do projeto excedem as expectativas”, observa ele.

Peltekov diz que observou chefes de TI evitando delegar tarefas devido à crença equivocada de que sua equipe não seria capaz de lidar com a tarefa. “Eles chegam a afirmar que as tarefas são realmente urgentes e não há tempo para envolver… membros da equipe no processo”, explica ele. Embora isso possa ser verdade em algumas situações, a relutância em delegar tarefas pode se tornar habitual com o tempo. “No longo prazo, o líder de TI acabará com uma equipe altamente dependente dele para todas as tarefas”, alerta Peltekov.

Tarefas que melhoram a visibilidade e o planejamento de TI

Um CIO deve sempre delegar um trabalho de alto perfil que ilumine a visão e as capacidades de sua equipe. “Descarregar trabalho dessa natureza melhora a compreensão da administração sobre o talento que está dentro da organização de TI e aumenta a probabilidade de que a empresa busque sua ajuda”, disse Ryan Rackley, parceiro da empresa global de consultoria e pesquisa de tecnologia ISG. “O líder de TI pode ser mais eficiente quando sua equipe é conhecida e respeitada a ponto de ser abordada diretamente para suporte e insights”. Em outras palavras, o chefe de TI é visto menos como um gargalo ou gatekeeper e mais como um comandante encarregado de uma equipe multifuncional de alta capacidade.

Com a supervisão e revisão fornecidas pelo CIO, os planos de estratégia e capacidade específicos para domínios de TI individuais devem ser entregues aos gerentes de departamento e suas equipes. “As interações regulares com os constituintes da empresa também podem ser delegadas, tornando o subordinado um proxy, reservando a participação do líder de TI para eventos de alto valor”, diz Rackley.

Tarefas operacionais e repetíveis

Os CIOs devem delegar tarefas operacionais de rotina e repetíveis aos subordinados, aconselha Romil Kulshreshtha, Diretor de TI da Saviynt, especialista em tecnologia de identidade inteligente. “As tarefas operacionais, como emissão de tíquetes de help desk e alocação de dispositivos de funcionários são um ótimo lugar para começar”, sugere ele. “Tarefas repetíveis, como construção de servidor ou infraestrutura de TI, é outra área a ser considerada”.

Kulshreshtha diz que delegar tarefas operacionais e repetíveis libera os executivos de TI para se concentrarem na estratégia de TI e impulsionar iniciativas corporativas críticas. “Os líderes que não podem delegar essas responsabilidades de forma eficaz terão dificuldade em ter sucesso a longo prazo”, diz ele.

O microgerenciamento frequentemente leva a um envolvimento excessivo nos processos operacionais e deixa pouco tempo para se concentrar em estratégias de longo prazo, gestão de pessoas e outras responsabilidades que são essenciais para o sucesso da liderança, explica Kulshreshtha. Em vez de mergulhar de cabeça nas tarefas operacionais, os CIOs devem visualizar os indicadores de desempenho operacional e usá-los como guias de sucesso. “Comece observando as métricas operacionais vitais, como SLAs para provedores de serviços locais e em nuvem, registros de tíquetes de help desk ao longo do tempo e incidentes de TI mensais”, ele aconselha.

Responsabilidades de envolvimento do cliente

Os CIOs devem considerar a delegação de responsabilidades de envolvimento do cliente a um subordinado, apenas intervindo quando solicitado por um cliente ou para resolver um problema contencioso. “É importante que os líderes acompanhem os projetos por meio de seus analistas e subordinados, para que não percam de vista o que está acontecendo e, ao mesmo tempo, minimizem as interações do dia a dia”, diz Lynsey Wolf, Contador Sênior - Analista de Ameaças Internas no provedor de plataforma de inteligência cibernética de força de trabalho DTEX.

Ao delegar responsabilidades diárias de envolvimento do cliente aos subordinados, os líderes de TI ficam livres para se concentrar na direção do projeto e lidar com interações de alto nível com o cliente. “Isso [também] ajuda os líderes a capacitar os subordinados em suas funções, promover a confiança entre os membros da equipe e identificar os pontos fortes e fracos da equipe”, explica Wolf.

Tarefas compartimentadas

Tarefas menores específicas e discretas, como implantar um novo servidor ou criar uma nova ferramenta de produtividade do funcionário, devem ser transferidas para subordinados qualificados. Como as empresas continuam a terceirizar e automatizar muitos processos, é importante apoiar os membros da equipe com tarefas e responsabilidades que lhes permitirão crescer e expandir seus conjuntos de habilidades, diz Lior Gavish, CTO e Cofundador da startup de confiabilidade de dados Monte Carlo.

Essa forma de carreira empacotada, de desenvolvimento passo a passo, pode direcionar a equipe de TI para disciplinas tangenciais, como DevOps ou até mesmo engenharia de software. “Enquanto isso, os líderes de TI devem se concentrar em iniciativas estratégicas maiores que tornem suas organizações mais sustentáveis e escaláveis”, recomenda Gavish. “Isso será ainda mais importante à medida que as empresas continuarem a migrar para ambientes de trabalho remotos ou híbridos, onde coordenação e planejamento são tudo”.

Vai um cookie?

A CIO usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Fechar anúncio

15