Fazer login no IT Mídia Redefinir senha
Bem-vindo de volta,
Digite seu e-mail e clique em enviar
Ainda não tem uma conta? Cadastre-se
Salvar em Nova pasta de favoritos

+

Criar pasta
Salvar Escolher Pasta
Games no horário de trabalho melhoram a produtividade e raciocínio, sugere estudo
Home > Tendências

Games no horário de trabalho melhoram a produtividade e raciocínio, sugere estudo

Segundo estudo, funcionários dizem que capacidade de resolver problemas e até satisfação no trabalho melhoraram depois de um tempo de jogo

Da Redação

03/06/2020 às 12h00

Foto: Shutterstock

A grande maioria dos funcionários americanos afirma jogar jogos durante o período de trabalho. Em uma pesquisa feita com 1.000 trabalhadores, 80% dos entrevistados disseram que jogavam no trabalho e 96% dessas pessoas jogavam jogos em seus telefones. Apesar da alta porcentagem, o estudo indicou que a maioria dos trabalhadores obteve benefícios positivos como resultado desses jogos.

A Word Tips conversou com trabalhadores de período integral para entender melhor seus hábitos de jogo no trabalho. “O que descobrimos parecia contrariar a reputação da força de trabalho americana: longas horas, almoços de mesa e exaustão significativa. Se a força de trabalho americana gera um volume de produção tão incrível, os jogos poderiam estar fornecendo a assistência?”, questiona o post da empresa sobre a pesquisa.

Não apenas os gerentes e supervisores participaram da ação, mas eles eram mais propensos do que seus subordinados a recorrer a games no trabalho. Esses superiores gastavam, em média, 54 minutos por semana jogando.

A maioria dos trabalhadores obteve benefícios positivos como resultado da prática, segundo a pesquisa. Para citar alguns, 80% dos funcionários de escritório disseram que se sentiam mais relaxados e 54% disseram que os jogos aliviam a crise da tarde. Outros 48% disseram que sentimentos de criatividade e desgaste foram impactados positivamente pelos jogos no trabalho. Mais de 1 em cada 5 comparou jogos ao hábito de tomar café, dizendo que seu foco foi aprimorado pelos jogos.

CIO2503

E-book por:

“Se você é um dos 83% de americanos que experimentam o estresse no local de trabalho, experimente alguns minutos da Candy Crush Saga”, sugere a postagem da Word Tips.

A porcentagem de quem estava disposto a jogar na tela de um PC caiu para apenas 33% dos trabalhadores. Talvez esse grupo menor de trabalhadores seja capaz de jogar furtivamente em seus computadores de trabalho com o uso de certos atalhos e aplicativos populares que os ajudam a evitar serem pegos, diz a publicação.

Gerações mais jovens e trabalhadores remotos (dois dados demográficos com muita sobreposição) também estão mais propensos à prática. A geração do milênio era a geração mais provável de jogar durante o horário de trabalho, enquanto os funcionários remotos eram o tipo de trabalhador mais provável a jogar quatro ou mais dias durante a semana de trabalho, em comparação com a média de 2,5 dias.

Por quê?

Quando perguntados por que eles jogavam tanto (normalmente em smartphones), as respostas eram principalmente lógicas e propositadas. Por exemplo, quase metade dos entrevistados disse que jogou porque seu trabalho já havia terminado. Outros 57% disseram que estavam entediados e 51% disseram que precisavam de algo para passar o tempo. Trabalhadores remotos eram ainda mais propensos a sentir que seu trabalho não era desafiador o suficiente e contavam com jogos para estímulo.

Segundo a empresa, a partir desses resultados “pode-se argumentar que os jogos estão preenchendo as lacunas que geralmente são inerentes a um dia de trabalho de oito horas. Pesquisas anteriores já demonstraram a quantidade de tempo desnecessário consumido pela semana de 40 horas, e nosso estudo agora revelou como esse tempo está sendo preenchido”.

Apesar da quantidade de funcionários que gastaram algum tempo jogando no trabalho, o estudo indica não parecia haver muito risco envolvido. Os chefes não pegavam ou enfrentavam seus subordinados com muita frequência. E quando as pessoas foram pegas, a consequência mais comum era, na verdade, não ter consequência. Mais frequentemente, os trabalhadores que foram pegos jogando receberam um aviso formal (57%) ou tiveram uma conversa séria sem uma consequência formal (41%).

Embora as consequências fossem pequenas ou inexistentes, um pequeno número de trabalhadores admitiu comportamentos de risco bastante arriscados. Quinze por cento disseram que perderam uma reunião ou chamada por se envolverem demais em um jogo, enquanto 14% cometeram um erro durante uma reunião ou chamada porque estavam jogando na época. Outros 12% se acharam completamente despreparados para uma reunião ou chamada devido a jogos.

“Sim, às vezes eles procrastinavam ou evitavam responsabilidades - mas muitas vezes os jogos ajudavam as pessoas a aliviar o estresse e a se sentirem mais concentradas quando voltavam ao trabalho. Os aspectos positivos relacionados aos jogos no trabalho pareciam superar os negativos. E o valor de uma pausa, seja relacionado a jogos, não pode ser subestimado. Os funcionários estão sobrecarregados e estressados a maior parte do tempo. Provavelmente, uma pausa é bem merecida, e você decide se deseja usar esse tempo para jogar”, diz a publicação.

Vai um cookie?

A CIO usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Fechar anúncio

15