Fazer login no IT Mídia Redefinir senha
Bem-vindo de volta,
Digite seu e-mail e clique em enviar
Ainda não tem uma conta? Cadastre-se
Salvar em Nova pasta de favoritos

+

Criar pasta
Salvar Escolher Pasta
Estratégia de multicloud híbrida: uma abordagem moderna à infraestrutura de TI
Home > Gestão

Estratégia de multicloud híbrida: uma abordagem moderna à infraestrutura de TI

Multicloud fornece os recursos que as empresas precisam para acelerar a transformação digital

Ananth Kumar K S*

21/02/2020 às 14h00

Foto: Shutterstock

Quando se trata de provedores de nuvem pública, há várias opções para escolher, com a AWS dominando a maior parte do mercado. A nuvem pública oferece vários benefícios para as organizações, mas também apresenta algumas preocupações. Frequentemente, quando as empresas adotam um único provedor de nuvem, isso introduz preocupações de interrupção; por exemplo, se um provedor de nuvem sofrer uma interrupção, qualquer organização que confie apenas nesse provedor ficará sem serviço.

Para manter um desempenho consistente, as organizações tendem a adotar uma estratégia que usa várias nuvens públicas. Muitas empresas estão se tornando impulsionadas pela tecnologia, e essa estratégia de multicloud fornece os recursos que elas precisam para acelerar essa transformação digital. A maioria prefere migrar suas cargas de trabalho existentes em etapas, o que exige que elas examinem quais tipos de dados pertencem à infraestrutura de múltiplas nuvens.

Estratégia de multicloud híbrida entra em jogo

Uma abordagem híbrida de múltiplas nuvens usa um datacenter in loco para lidar com informações confidenciais e a nuvem pública para lidar com fluxos de trabalho ad-hoc, mas ainda fornece serviços mais rápidos. A crescente popularidade da estratégia híbrida para múltiplas nuvens é destacada por um recente relatório do Gartner Insight, que prevê que até 2025, 80% das empresas desligarão seus data centers tradicionais enquanto se deslocam para a nuvem. No entanto, o relatório também observa que a infraestrutura local executará missões-críticas de negócios que exigem maior supervisão e controle do que o disponível via infraestrutura de nuvem e modelos hospedados.

Em geral, as organizações devem mover os componentes de escala dinâmica para a nuvem pública e usar a infraestrutura local para controlar aspectos como segurança, fluxos de trabalho, gerenciamento de usuários e outros mecanismos relacionados. Além disso, pode haver uma quantidade substancial de componentes temporários, como uma programação para executar um trabalho específico a cada hora, o que pode não exigir um componente dedicado no local e pode ser executado na nuvem pública.

CIO2503

E-book por:

Ao adotar uma nuvem pública, pode haver uma economia substancial nos gastos em infraestrutura da organização, pois você paga apenas pelo que usa. Dessa forma, as organizações podem executar suas aplicações proprietárias, manipulando informações confidenciais em seus data centers locais existentes e usar os serviços de cada nuvem pública para obter um modelo escalável e econômico. Além disso, um estudo do IDC aponta que até 2024, 80% das 1.000 principais empresas da América Latina reduzirão o vendor lock-in por meio de ferramentas e tecnologias em nuvens híbridas ou múltiplas.

Uma pesquisa de julho de 2018 da empresa de análise Forrester Consulting descobriu que 86% dos entrevistados caracterizou a estratégia de nuvem de suas organizações como multicloud híbrida, ou seja, “usa múltiplas nuvens, públicas e privadas, para diferentes cargas de trabalho de aplicações."

Este interesse em ambientes multicloud híbridos é refletido nas previsões da indústria. De acordo com um relatório do MarketsandMarkets, o mercado híbrido de nuvem multicloud deve crescer a partir de USD 44,6 bilhões em 2018 para US $ 97,6 bilhões até 2023, que é uma taxa de crescimento anual composta de 17 por cento.

Como a mudança para infraestruturas híbridas de múltiplas nuvens afeta os DevOps

Tradicionalmente, as organizações alcançavam a governança em um nível de aplicação, máquina ou dados por meio de monitoramento contínuo, e isso era conquistado usando as ferramentas de DevOps que operavam internamente. Quando falamos de abordagem híbrida de múltiplas nuvens, uma solução oferecida por um fornecedor de nuvem atuará como um serviço. Quando segurança ou governança é implementada no nível do serviço, as aplicações em execução in-house devem ser modificadas adequadamente. Além da mudança esperada dessa transformação, o dimensionamento robusto a um custo eficiente é outro aspecto que as organizações devem se esforçar para alcançar.

Na estratégia híbrida de multicloud, a automação é essencial. Para alcançar o equilíbrio perfeito para automação, as organizações precisam desenvolver bases apropriadas para uso de componentes. Mensurar os valores de base apropriados requer monitoramento contínuo e técnicas avançadas de correlação oferecidas por machine learning, e é por isso que há uma mudança de DevOps para o AIOps.

De acordo com o IBM Institute for Business Value, 98% das organizações esperam operar em um ambiente de nuvem até 2021, mas atualmente menos de 41% o fazem. Especificamente, esses 98% planejam adotar várias nuvens híbridas nos próximos três anos. No entanto, apenas 38% deles possuem os procedimentos e ferramentas necessários para operar em um ambiente como esse.

Para organizações que desejam adotar uma abordagem híbrida de várias nuvens, existem inúmeras opções disponíveis. Caso a adoção seja feita corretamente, as organizações poderão executar seus componentes herdados em várias nuvens públicas e privadas em uma escala maior, com um custo operacional mais baixo e com maior supervisão e tranquilidade.

*Ananth Kumar K. S. é Gerente de Produtos do Site24X7, da ManageEngine

Vai um cookie?

A CIO usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Fechar anúncio

15