Home > Gestão

Está na hora de um ajuste fino na estratégia Agile com a arquitetura SAFe

Arquitetos e equipes ágeis devem parar de trabalhar em silos. Suas abordagens são complementares, não conflitantes

Daniel Lambert, CIO/EUA

28/03/2019 às 8h10

Foto: Shutterstock

A maioria das organizações vê sua Transformação Digital como prioridade máxima. Muitas estão à frente em sua jornada digital usando o SAFe (Scaled Agile Framework) ou outra abordagem ágil para entrega de projetos de TI. No entanto, “83% dos líderes ainda lutam para fazer progressos significativos”, segundo o Gartner.

Muitas vezes, arquitetos e equipes ágeis trabalham em silos, como se fossem abordagens conflitantes. Não precisa ser assim. Este artigo pretende mostrar como a harmonização entre a arquitetura e as equipes ágeis pode contribuir para a entrega de projetos de sucesso.

Os arquitetos podem priorizar iniciativas estratégicas, identificando recursos de negócios importantes, mas problemáticos, usando fluxos de valor e várias técnicas de medição. Também podem decompor os estágios de valor que definem um fluxo em subestados e dividir os recursos de negócios em subcapacidades com vários níveis de profundidade para maior exploração, refinamento e precisão.

Os elementos de modelo de arquitetura empresarial e de negócios podem acelerar e aprimorar, com detalhes, a descrição de requisitos, épicos e histórias de usuários. Por fim, os arquitetos podem detectar, sinalizar e eliminar subprojetos ou sprints duplicados que podem aparecer em diferentes Agile Release Trains (‘ART).

O que é Scaled Agile Framework (SAFe)?

As abordagens de desenvolvimento enxutas e ágeis, e a arquitetura corporativa podem parecer duas disciplinas conflitantes para entregar iniciativas de software à primeira vista. Na realidade, eles podem ser muito complementares. Agile permite tempos de reação e entrega de iniciativas rápidos, em um fluxo contínuo para acompanhar os ambientes corporativos que também mudam rapidamente. Usando uma analogia, a agilidade permite que você execute com extrema rapidez. Por outro lado, a arquitetura permite que você enxergue o suficiente para não atingir uma parede de tijolos a toda velocidade, enquanto corre.

Uma das abordagens Agile mais utilizadas e pensadas, chamada Scaled Agile Framework, começou a integrar algumas arquiteturas em sua metodologia. Em resumo, o SAFe é uma estrutura baseada no conhecimento para fornecer soluções que agreguem valor aos negócios, dimensione práticas ágeis e incorpore princípios e práticas enxutas em uma organização.

Essa estrutura fornece às equipes de requisitos e analistas de negócios uma maneira de decompor fluxos de valor estratégicos e fornecer valor focado usando equipes de desenvolvimento de “Agile Release Trains”, tipicamente formado por 50 a 125 pessoas para reduzir o tempo de ciclo de desenvolvimento de software. O SAFe fornece orientação abrangente para desenvolver melhores sistemas e software em grandes organizações, mais rapidamente. Essa estrutura está se tornando muito popular e parece gerar resultados positivos, conforme mostrado em vários estudos de caso.

Arquitetura Agile

A harmonização entre a arquitetura e as equipes Agile pode contribuir para a entrega de projetos bem-sucedidos. É por isso que o Scaled Agile Framework reconhece a necessidade de arquitetos ágeis. “Arquitetura ágil é um conjunto de valores, práticas e colaborações que suportam o design e a arquitetura ativos e evolutivos de um sistema. (…) A arquitetura ágil suporta práticas de desenvolvimento Agile por meio de colaboração, design emergente, arquitetura intencional e simplicidade de design.

Como as práticas de desenvolvimento Agile, a arquitetura ágil também permite o design para testes, capacidade de implementação e capacidade de liberação. É ainda apoiada por prototipagem rápida, modelagem de domínio e inovação descentralizada”, de acordo com a Scaled Agile, criadora do SAFe. Os arquitetos ágeis podem ser arquitetos de negócios, arquitetos corporativos, arquitetos de soluções ou arquitetos de sistemas.

Como apontado no artigo intitulado “Agile Architecture – an Oxymoron?”, “seria um erro esperar que você pudesse simplesmente pegar a arquitetura corporativa tradicional e colocá-la em um framework como o SAFe (…) – e então entregar arquitetura em pontos-chave no processo ágil. A natureza altamente colaborativa do fornecimento ágil, a necessidade de autonomia e autoatendimento do time, e o conceito de arquitetura mínima viável requerem uma mudança na forma como a arquitetura corporativa é desenvolvida e entregue, de forma a também honrar os princípios que são refletidos no Agile Manifesto”.

No SAFe, a combinação de design emergente, arquitetura intencional e práticas ágeis (principalmente Scrum e Kanban) é chamada de pista de arquitetura, da qual a base técnica é extraída para criar valor para o negócio.

A função dos arquitetos corporativos no SAFe é fornecer governança de arquitetura, direção técnica, colaboração iterativa e uma estratégia de implantação de solução completa em todos os fluxos de valor SAFe no nível do portfólio, criando épicos de ativação, que são grandes partes de trabalho feitas de várias histórias de usuários, para permitir as alterações comerciais e técnicas desejadas.

Quanto aos arquitetos de soluções ou de sistemas, eles começam a estabelecer a pista de arquitetura para os fluxos de valores SAFe criando blueprints de arquitetura com uma visualização de sistema, com base na direção fornecida pelo arquiteto corporativo. Parte disso envolve a criação de um estado futuro para a arquitetura e o desenvolvimento ideal de um plano de transição, com incrementos para melhorar a organização de seu estado atual para o estado futuro.

Os arquitetos corporativos e de negócios podem ser instrumentais na entrega de projetos sofisticados e ter a capacidade de realizar essas quatro tarefas a seguir:

1 - Priorizar iniciativas estratégicas;

2 - Decompor fluxo de valor de alto nível/estágios de valor e recursos de negócios

3 - Auxiliar na definição de épicos e histórias de usuários usando elementos de arquitetura, e finalmente

4 - Eliminar subprojetos ou sprints duplicados.

Priorização de iniciativas estratégicas

Os arquitetos corporativos e de negócios devem se engajar precocemente antes do início do pipeline de entrega contínua do Scrum e Kanban usado no SAFe. Eles devem certificar-se de vincular todos os estágios dos fluxos de valor do SAFe aos seus recursos capacitadores, conceitos de informação e seus vários departamentos e unidades de negócios para esclarecer como o negócio realmente funciona.

No início de um projeto, os arquitetos podem priorizar iniciativas estratégicas, identificando os principais, porém problemáticos, recursos de negócios, possibilitando fluxos de valor usando várias técnicas de medição, conforme indicado no texto ““The Relationship Between Business Architecture and Agile

“A arquitetura de negócios aplicada a programas Agile ajuda as equipes a definir uma base nos recursos de prioridade mais alta e a trabalhar para garantir o alinhamento à estratégia de negócio. Ele não atrapalha o time, mas trabalha lado a lado com a equipe para estar melhor preparado e acelerá-la, em vez de atrasá-la. Aplica agilidade e o sucesso da equipe às partes de maior valor do negócio”.

Dessa forma, a arquitetura comercial e empresarial fortalece o SAFe no nível do portfólio, definindo como a agilidade estratégica deve ser e como fazê-la. Sem uma arquitetura adequada, as equipes Agile precisam prever, imaginar, tentar e gerenciar um único futuro baseado em muitas incógnitas.

Decompondo fluxo de valor de alto nível/estágios de valor e recursos de negócios

Os arquitetos corporativos e de negócios também podem decompor os estágios que definem um fluxo de valor em subestados (se necessário) e dividir os recursos de negócios em subcapacidades com vários níveis de profundidade para maior exploração, refinamento e precisão. Essa decomposição permitirá a elaboração de épicos muito mais precisos e definições de histórias de usuários em um ritmo muito mais rápido.

Além disso, os arquitetos também podem alinhar fluxos de valor e/ou etapas de valor para impactar estratégias e objetivos, participando ou acionando stakeholders (incluindo personas e clientes de vários segmentos de mercado), mapeando processos de negócios, entregando propostas de valor (muitas vezes feitas de vários produtos e serviços), permitindo capacidades.

O mesmo pode ser realizado com recursos, sabendo como um recurso está alinhado com aplicativos de suporte, criando conceitos de informações, permitindo processos, impactando estratégias e objetivos, impactando a iniciativa etc.

Definindo épicos e histórias de usuários usando arquitetura

Os arquitetos corporativos e de negócios também precisam traduzir os temas estratégicos de negócios de sua organização em épicos mais detalhados. Ao colocar mais recursos na arquitetura no início do processo SAFe, a probabilidade de o programa fornecer sistemas e software mais úteis para os usuários de negócios deverá aumentar significativamente.

Quando uma história épica ou de usuário é aprovada para passar da lista de pendências para revisão e análise de negócios, o proprietário do épico tem a responsabilidade de criar um business case leve, de acordo com o SAFe. Isso envolve examinar o tamanho, o impacto e os benefícios exatos do épico para a organização.

Ao usar o modelo detalhado dos arquitetos corporativos e de negócios, os proprietários de épicos ou histórias de usuários têm uma compreensão muito melhor do escopo comercial de seus épicos e dos benefícios que eles proporcionarão à organização. Isso acelera a capacidade de análise de negócios para agilizar o épico ou a história do usuário para a próxima fase.

Essa função de consultoria do arquiteto corporativo e de negócios, dentro dos níveis do fluxo de valor e do programa SAFe, não se limita a auxiliar os proprietários épicos e os analistas de negócios. A mesma função de consultoria dos arquitetos pode ser obtida com gerentes de soluções e gerentes de produtos, entre outros.

Eliminação de subprojetos ou sprints duplicados

Os arquitetos corporativos e de negócios podem finalmente detectar, sinalizar e eliminar subprojetos ou sprints duplicados que podem aparecer em diferentes Agile Release Trains. Alguns programas SAFe podem ter mais de 10 Agile Release Trains independentes rodando em paralelo, cada um deles com tipicamente entre 50 e 125 pessoas, entregando seus marcos  todos ao mesmo tempo.

É muito possível que alguns dos subprojetos, Scrums ou Kanbans em um Agile Release Train  sejam idênticos a outras partes de um Agile Release Train totalmente diferente. Os arquitetos geralmente têm as ferramentas e a mentalidade apropriadas para encontrar essas duplicidades, tornando possível alocar esses recursos para outro lugar e aumentando ainda mais a eficiência dos programas SAFe.

Tags
Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail