Home > Gestão

Escassez de IPv4: uma bomba relógio para CIOs e CTOs?

A adoção do IPv6 está desacelerando, reforçando a necessidade do alerta de que os perigos impostos pelo esgotamento do IPv4 não devem ser subestimados

Vincentas Grinius *

22/03/2019 às 8h47

Foto: Shutterstock

No período que antecedeu o ano 2000, a indústria global de TI se mobilizou para combater a ameaça potencial representada pelo chamado Bug do Milênio. Em 2019, os responsáveis ​​pela saúde e pelo bom funcionamento das redes de dados de suas organizações estão enfrentando uma nova ameaça crescente devido ao esgotamento de endereços IPv4. Ao contrário do Bug do Milênio, no entanto, essa ameaça não tem um prazo definido para incentivar a ação. Muitas organizações internacionais de grande porte não estão planejando os possíveis impactos da inevitável escassez de IPv4 ou sua mudança para o seu sucessor IPv6 e, como resultado, estão sentados em sua própria bomba-relógio pessoal que pode explodir a qualquer momento.

O básico

O IPv4 (Internet Protocol versão 4) permite que os dispositivos se conectem à web. Para computadores se comunicarem uns com os outros, um pacote de dados deve ser transferido através da rede contendo os endereços IP exclusivos de ambos os dispositivos de comunicação.

O IPv4, o protocolo de Internet mais utilizado, usa um esquema de endereços de 32 bits, permitindo um total de aproximadamente 4,3 bilhões de endereços únicos. Quando o IPv4 foi criado, no início dos anos 80, isso parecia mais do que suficiente, mas nos últimos 12 meses, os cinco registros internacionais responsáveis ​​pela alocação de blocos de endereços IP a ISPs têm relatado que os estoques de endereços IPv4 estão quase totalmente esgotados.

O IPv6, o protocolo sucessor do IPv4, usa um esquema de endereço de 128 bits, o que significa que ele contém muito mais informações e pode suportar um número incrível de endereços únicos - um total de 340 combinações possíveis de undecillion (3,4 x 10 ^ 28).

Os benefícios da adoção do IPv6 variam de acordo com os requisitos, tamanho e estrutura de uma empresa, mas, na maioria dos casos, a economia de custos é um dos benefícios imediatos devido às redes se tornarem mais eficientes e seguras. Espera-se também que os custos de suporte aos sistemas IPv4 herdados comecem a aumentar no futuro, enquanto os custos marginais do IPv6 permanecerão estáveis.

Para as empresas com presença global, outro importante benefício do IPv6 é o aprimoramento das comunicações com parceiros comerciais internacionais, como China e Índia, onde a adoção do IPv6 é consideravelmente maior do que no Ocidente.

Implantação IPv6

Os principais incentivos para a implementação do IPv6 incluem a simplificação operacional resultante da remoção do espaço de endereços da rede, os custos reduzidos de gerenciamento de redes complexas e a proteção contra choques em negócios de rede que poderiam surgir do espaço de endereço adicional indisponível em uma rede.

Como resultado, muitas empresas maiores, como a Microsoft, estão tomando medidas para desativar o IPv4, executando somente o IPv6 dentro da empresa. Em um blog recente, a empresa descreve sua rede IPv4 como "potencialmente frágil"e "operacionalmente desafiadora". E a rede mista (ou seja, aquela que executa IPv4 e IPv6 simultaneamente) como "complexa".

Em seu relatório de 2018 sobre o estado da implantação do IPv6, a Internet Society descobriu que, embora os níveis de adoção do IPv6 estivessem aumentando, apenas 25% de todas as redes conectadas à Internet têm conectividade IPv6. No mesmo relatório, o Google informa que 49 países entregam mais de 5% do tráfego em IPv6 e só 24 países entregam um índice superior a 15%.

 Por que tão lento?

Grandes organizações voltadas para o futuro, como a Microsoft e o MIT, abraçaram o IPv6 como o futuro, assim como países como a China e a Índia, onde o crescimento fenomenal da conectividade com a Internet alimentou uma verdadeira escassez de endereços IPv4. No entanto, a mais recente pesquisa global sugere que o crescimento da adoção do IPv6 está na verdade diminuindo - e ninguém parece saber exatamente o(s) motivo(s).

Um fator parece ser a falta de uma data-limite definida para o IPv4 e a urgência que tal prazo criaria. Tal como está, para muitas empresas, é imperativo fazer o investimento necessário nas suas redes para implementar o IPv6.  Mas, sem um caso de negócio claro para mudar para o IPv6, os gerentes de rede da empresa têm pouca esperança de acessar o orçamento necessário para gerenciar essa mudança.

Também há motivos para questionar a existência de uma falta urgente do IPv4. Por causa do NAT (quando um IPv4 externo pode ter centenas de IPs internos ocultos), nosso mundo ainda é capaz de sobreviver usando apenas IPv4. Até onde sabemos, nenhum dos registros diz que você deve implementar o IPv6 se quiser ser um provedor de internet.

Além disso, há muitos endereços IPv4 'sem emprego' por aí. Isso significa que algumas organizações os possuem, mas não os atribuíram a nenhum dispositivo. Elas podem estar mantendo esses endereços para vendê-los, em um momento oportuno, ou talvez simplesmente por terem adquirido mais recursos do que precisavam. Uma rápida olhada na lista de transferências do RIPE mostra que existem mais de 0,5 milhão de endereços IPv4 esperando para serem usados.

Outra razão para a desaceleração na adoção do IPv6 pode ser a falta, até recentemente, de um recurso global de gerenciamento de endereços IP, em que as organizações pudessem supervisionar todo o seu IP a partir de uma única plataforma.

As razões descritas acima sugerem que é improvável que a implantação do IPv6 chegue ao topo da lista de prioridades de qualquer CTO em breve, mas os perigos impostos pelos baixos estoques de IPv4 não devem ser subestimados. Sendo este o caso, pode-se argumentar que os CIOs são aqueles que devem assumir a liderança na avaliação do verdadeiro risco de esgotamento do IPv4 para suas organizações e encontrar um espaço para a migração do IPv6 na agenda do C-suite.

Por enquanto, para a maioria das empresas, a boma relógio continua funcionando.

 

(*) Vincentas Grinius é CEO e co-fundador da Heficed

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail