Home > Tendências

Dimensione corretamente sua propriedade digital com essas 3 dicas

Processo bem estabelecido é essencial para garantir que as empresas tenham os recursos que precisam em todos os momentos

Redação

05/04/2019 às 13h42

Foto: Shutterstock

Empresas sempre se esforçaram para gerenciar com precisão suas propriedades digitais corporativas. Tradicionalmente, os padrões de compra significavam comprar hardware e software como parte de um plano de cinco anos, com a demanda frequentemente superando a capacidade muito antes de o ciclo terminar.

Com a velocidade acelerada dos negócios, essa abordagem foi substituída pela necessidade de mais flexibilidade e capacidade de resposta - e é aí que entra o modelo DevOps. Mas, como muitos líderes empresariais já sabem, o uso de serviços na nuvem não pode por si só fazer todo o controle de custos. De fato, erros de configuração e entendimento significam que muitas equipes não controlaram adequadamente o uso de recursos, levando a custos muito maiores do que o esperado no orçamento.

Então, como as empresas gerenciam a capacidade de forma eficaz na era dos negócios elásticos? A Claranet separou três pontos a serem considerados. Confira.

1. Planejar picos de demanda

Ao planejar uma implantação de data center tradicional, o CTO da companhia deve especificar a capacidade suficiente de processamento e armazenamento para lidar com picos de demanda. Mesmo que essa estimativa esteja correta, a capacidade não utilizada é desperdiçada quando a demanda é menor - e este é o tipo de desperdício que torna o CFO particularmente infeliz.

A escalabilidade infinita e sob demanda da infraestrutura de nuvem ajuda a superar o desafio de planejamento de capacidade. Configurado corretamente, o processamento e armazenamento adicionais podem ser incorporados automaticamente conforme a demanda aumenta. E porque são elásticos, esses serviços são reduzidos quando a demanda cai.

Essa elasticidade também está disponível para operações que não são do data center. Softwares hospedados, como o Microsoft Office 365, estão disponíveis com base no aluguel por estação, para que as empresas possam adicionar e remover licenças com as alterações no número de funcionários. Em outras palavras, as equipes sempre têm acesso às
ferramentas de que precisam, e nunca ficam com um monte de licenças (dispendiosas) não utilizadas entre fases de intenso uso.

2. Não esqueça a largura de banda

Uma pesquisa da revista Comms Business descobriu que as empresas do Reino Unido classificam a conectividade da internet como um dos fatores mais importantes para suas operações. 42% delas afirmam que as operações seriam interrompidas caso perdessem a conectividade externa. O estudo também descobriu que investir em conectividade mais rápida proporcionaria os maiores benefícios para os negócios, de acordo com quase um terço dos entrevistados. Apesar disso, a maioria das empresas não está conseguindo realizar os investimentos necessários, deixando-os à mercê dos concorrentes.

Embora a largura de banda da Internet seja uma preocupação central, as empresas sempre
se debateram com problemas nessa área. Os avanços nas tecnologias com e sem fio aumentam periodicamente a capacidade disponível - e há sempre um desenvolvimento que acompanha isso imediatamente.

No entanto, a questão da largura de banda interna atingirá um ponto crítico no futuro
próximo. O Gartner afirma que haverá 20,8 bilhões de "coisas" em uso até o final deste ano, à medida que a IoT atingir massa crítica. Geralmente, esses sensores inteligentes geram quantidades relativamente pequenas de dados, mas isso se soma rapidamente ao lidar com milhares de dispositivos em cima dos sistemas existentes.

3. Use a elasticidade como critério ao avaliar parceiros

Como normalmente a área de TI resolve o problema de capacidade de hardware comprando
mais hardware, muitos fornecedores de tecnologia ainda estão configurados para propagar esse modelo. Se um parceiro em potencial ganhar dinheiro trocando de caixa, a definição de “elástico” provavelmente envolverá a compra de mais kit.

Em vez disso, procure um fornecedor experiente que não apenas venda serviços em nuvem,
mas que possa ajudar as empresas a se adaptarem para aproveitá-las. Elasticidade não significa exatamente o uso irrestrito de serviços on-tap. Em vez disso, trata-se de um uso inteligente da infraestrutura hospedada para controlar os custos sem afetar o desempenho. Por exemplo, isso poderia incluir aplicativos de reengenharia para aproveitar ao máximo o uso de Kubernetes, introduzindo elasticidade em seus processos também.

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail