Home > Gestão

Como criar uma cultura de inovação para a 2ª fase da Transformação Digital

A chamada DX 2.0 exige uma reavaliação radical da estratégia e dos processos de um negócio, explica a IDC

Esther Shein, CIO/EUA

08/01/2019 às 9h19

Foto: Shutterstock

Uma cultura de inovação não é a primeira descrição que vem à mente quando se fala de um fabricante doméstico de 90 anos, mas é algo que as autoridades da John Matouk & Co a estão implementando ativamente como parte fundamental de sua estratégia de Transformação Digital.

O empenho de Matouk em inovar ecoa o de muitas organizações: manter-se relevante e competir de forma eficaz contra empresas mais ágeis, assim como atrair e reter talentos. Enquanto a empresa se orgulha da qualidade de seus produtos, experiências de marca e relacionamento com os clientes, há um risco no horizonte.

"Fabricamos os mesmos produtos há quase 100 anos e há autenticidade em nossa herança, então as pessoas continuarão comprando de nós”, diz Stuart Kiely, vice-presidente de estratégia digital da Matouk, que produz lençóis finos e roupas de cama luxuosas. Mas ele sabe que não é uma boa ideia descansar em seus louros. “As empresas de têxteis domésticos e de roupas de luxo estão se sentindo pressionadas por disruptores digitais e concorrentes que afirmam oferecer melhor qualidade do que a nossa e cortar o intermediário e reduzir os custos”, diz ele. Essas jovens empresas abordam o marketing a partir de uma estrutura digital first, e “é esse tipo de pressão que nos leva a ... permanecer no nosso jogo e sermos capazes de competir e continuar a inovar” nossos processos de fabricação, bem como nossas operações de marketing e vendas", diz ele.

Por que a mudança de cultura é necessária
No mundo empresarial altamente dinâmico de hoje, a cultura da inovação é primordial. Para chegar lá, as organizações precisam ir além da adição de recursos digitais a seus produtos e serviços. Precisam reformular seus processos de negócios - o que a IDC chama de “DX 2.0”, a segunda fase da Transformação Digital.

"A DX exige uma reavaliação radical da estratégia e dos processos de um negócio: como a empresa interage com seus clientes, como ela impulsiona a excelência operacional, como ela aborda a inovação e decide quais tecnologias usar como base", explica a IDC.

Mas a mudança não vem fácil. Oitenta e sete por cento dos tomadores de decisão de TI relatam que seus departamentos estão se esforçando para se adaptar a um papel crescente que inclui a adoção de iniciativas de inovação e a manutenção eficiente de sistemas de missão crítica, de acordo com o Insight Intelligent Technology Index 2018. A percepção do departamento sobre si mesmo pode ser parte do problema, com 38% dos profissionais de TI descrevendo a TI como um centro de custo, em comparação com apenas 20% que a consideram um centro de inovação.

A necessidade de mudança cultural é impulsionada em partes iguais pelo medo na diretoria “sobre como todos serão desintermediados” e “um apetite por crescimento oportunista”, diz James McKeen, co-autor de Driving IT Innovation: A Roadmap. para os CIOs Reinvent the Future, que também é vice-presidente sênior e diretor de tecnologia da Empire Life Insurance, em Kingston, Ontário.

As organizações estão buscando a TI quase que exclusivamente para inovar e criar novos produtos e serviços que as ajudem a sustentar sua capacidade de gerar receita, acrescenta Heather Smith, coautora do livro, que também é pesquisadora associada sênior na Universidade de Queen's, em Londres. Kingston, Ontário, e pesquisadora associada à Society for Information Management.

“O problema sempre foi o descompasso. A empresa diz: 'Mostre-me o dinheiro e o business case', e a TI diz: 'Ainda não temos o business case, mas sabemos que é importante e temos que nos preparar para ele'', diz Smith.

A TI deve reverter essa abordagem, considerar o caso de negócio primeiro e focar na otimização do negócio, tornando-a mais transparente, e na transformação, que é mudar o modelo do negócio, diz McKeen.

Fazer isso é o primeiro passo para iniciar uma cultura de inovação.

Inovação começa com liderança
Se os executivos e os líderes seniores não tiverem uma mentalidade inovadora, é provável que o resto do negócio jamais esteja aberto a mudanças.

"Acho que, se você analisar os currículos desses indivíduos, provavelmente não encontrará pessoas que tenham sido empreendedores antes ou que tenham iniciado organizações sem fins lucrativos ou clubes", observa Derek Chin, diretor de inovação da consultoria de negócios digitais Nerdery. Em vez disso, eles cresceram nas fileiras montadas para construir coisas em escala, diz ele.

"Quando os executivos não são inerentemente inovadores, eles não vão entender como ser inovadores ou o que criará uma cultura de inovação, porque eles têm pouca disposição para a aprendizagem", diz ele. Grande parte do trabalho de Nerdery envolve ajudar líderes seniores a desenvolverem habilidades para criar coisas novas, diz ele; um processo que "não acontece da noite para o dia". Mas quando esses líderes começam a ver o que é preciso para ser inovador "e realmente acreditam que é o caminho para criar novo valor, isso escorre para a organização e para o que eles investem para trazer o resto da organização para o mesmo caminho.”

Mas não é só a liderança sênior que pode não ter uma mentalidade inovadora. Muitas vezes, é a média gerência que não enxerga o quadro geral, observa Geoff Woollacott, consultor sênior de estratégia e analista principal da TBRI. “Eles conhecem bem sua tarefa; eles provavelmente não estão cientes, nem se importam com o impacto de sua tarefa em outras divisões”, diz ele. Embora o CEO se reúna com os subordinados diretos e todos concordem que precisam implementar mudanças, “a ciência do real leva os corações e as mentes a reproduzir a lógica anterior e continuar fazendo o sempre fzeram”.

Se esse nível intermediário de gerenciamento não aprecia ou compreende por que algo precisa ser feito de forma diferente, “então a resistência e a não-conformidade são a areia nas engrenagens da automação.” Há um lugar, acredita Woollacott, para o velho e o novo modo de pensar. O impedimento para a aceleração de TI "não é um problema de TI, é um problema de governança de dados e regras de negócios".

Mudança de base
McKeen e Smith dizem que a implementação de uma cultura de inovação é muito desafiadora. A organização deve nutrir a mudança encontrando “pessoas naturalmente inovadoras” de dentro e incentivando suas ideias, diz ele. Muitas vezes, “essas pessoas voam sob o radar. Então,  engendrar a cultura da inovação é não exigi-la, mas sim caçar pessoas naturalmente dotadas para tal”, diz ele. Esses membros da equipe encorajarão outros, colocando a empresa no caminho de promover uma cultura de inovação.

Mas a maioria das pessoas sente a necessidade de permissão para inovar, observa Doug Tedder, principal consultor da Tedder Consulting. "É um erro. A inovação tem que ser parte do 'business as usual'". Ninguém é mais qualificado para identificar áreas de inovação do que as pessoas na linha de frente, diz ele. "Você tem que definir o que significa inovação e dar aos funcionários permissão e capacidade para fazê-lo." Só porque alguém não está na "equipe de inovação" não significa que elnão tenha ideias, diz ele. “Se você quer uma cultura inovadora, essa cultura tem que ser inclusiva.”

Woollacott também aconselha a TI a “aprimorar as habilidades de vendas consultivas. É assim que você vai ter líderes da linha de negócios comprando o que você sabe que tem que fazer para oferecer o tipo de serviço que eles esperam. ”

Mentalidade inovadora
Uma boa maneira de avaliar se você tem cultura de inovação avaliar se “quando ideias ousadas são trazidas à mesa, seu pessoal as recebe com um ambiente de crítica ou de criação”, Diz Chin. "Eles estão derrubando as ideias ousadas que podem estar fazendo com que se sintam desconfortáveis ​​ou estão criando maneiras de fazer com que essas ideias funcionem para o mercado e para a organização?"

Tanto Chin quanto McKeen dizem que é fundamental garantir que a falha seja aceitável. É importante criar uma atmosfera "onde não há problema em falhar, porque você não obtém sucesso todas as vezes", diz McKeen. "Você precisa de uma cultura de experimentação."

“Com a inovação, reconheça que ninguém fez isso antes. Então você precisa ser mais flexível e paciente com o desenvolvimento das ideias”, diz Chin. “Inovação é mais uma questão de aprendizado - não de execução” e os líderes de negócios devem medir se o progresso está sendo feito.

Em vez de medir seu ROI em um investimento ou lucro líquido de um trimestre, isso pode significar medir se houve um aumento na satisfação do cliente, explica ele.

"O CIO é frequentemente medido por ficar dentro do orçamento e atingir o prazo", diz Chin.

Os líderes de negócios também devem mudar sua mentalidade de negócios primeiro para colocar o usuário em primeiro lugar, diz Chin. As startups estão fazendo isso e estão focadas em como podem ajudar seus usuários a realizar o que precisam mais rapidamente, gastando menos, diz ele. Mas Chin reconhece que “pode ser difícil dizer, 'vou ter uma margem menor em algo porque é no melhor para os meus clientes'.

Inovação em ação
Para Kiely da Matouk, a transição dos sistemas de fabricação e front-office da empresa para a nuvem ajudou a Matouk a "se comportar como uma startup".

Uma vez que você tenha a estrutura de sistemas correta e a visão de mundo correta, o terceiro componente é permitir que os funcionários tomem decisões mais criativas e competitivas, diz ele.

Mas ajuda a ter um pequeno departamento de TI, acrescenta, e uma atmosfera em que as pessoas possam interagir, colocar algo em produção, ajustá-la e mantê-la em movimento rapidamente. Como os outros, Kiely diz que uma cultura inovadora surge "onde há uma disposição para experimentar coisas novas e ficar bem se elas não funcionarem e forem desmanteladas.”

Mas atenção: certifique-se de que o que você está construindo é compatível com suas raízes fundamentais, ele acrescenta. “Você não pode simplesmente copiar o que o Google ou a Amazon fazem. Você tem que descobrir o que funciona para você.

Kiely diz que é apaixonado por implantar tecnologia de alto impacto. “Não importa se é uma startup sexy do Vale do Silício ou uma fabricante de tecidos de 90 anos de idade. O importante é saber o quanto você pode ser criativo e colocar soluções onde você vai ver um impacto direto”, acrescenta.

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail