Home > Tendências

Cloud Computing: 5 tendências para 2019

O uso de múltiplas nuvens voltadas para impulsionar a inovação, complementadas por containers e computação sem servidor, estão entre elas

Clint Boulton, CIO/EUA

20/11/2018 às 9h27

cloud2019_1201492987.jpg
Foto:

A computação em nuvem tornou-se a plataforma de fato para alimentar a Transformação Digital e modernizar os portfólios de TI. As empresas estão obtendo agilidade nos negócios e/ou redução de custos com o uso de software fornecidos por empresas de cloud pública como Amazon Web Services (AWS), Microsoft e Google. 

Na verdade, a maioria das empresas adquire serviços de nuvem em dois ou mais fornecedores. Uma tendência que ganhará força em 2019, impulsionando as receitas da AWS, Microsoft, Alibaba, Google, IBM e Oracle, que aproveitarão a maior parte dos US $ 200 bilhões que devem ser gastos com cloud em 2019, de acordo com a Forrester Research .

Apesar das rigorosas exigências do Regulamento Geral de Proteção de Dados da União Européia (GDPR), a expansão geográfica da nuvem também tem crescido. Os fornecedores estão expandindo seus portfólios de serviços e suas presenças regionais em todo o mundo.

Outra mudança também está em curso à medida que a nuvem avança em sua adolescência: em vez de apenas fornecer servidores e armazenamento temporários mais baratos, a nuvem oferecerá cada vez mais serviços inovadores de desenvolvimento para aplicativos corporativos, diz Dave Bartoletti, analista da Forrester Research.

Por exemplo, as empresas não estão mais buscando aprimorar a estratégia de nuvem perfeita; em vez disso, elas querem saber o que seus concorrentes estão fazendo com as nuvens públicas. Eles estão construindo análises de marketing? Se sim, onde? Eles estão construindo aplicativos IoT? Como e com quem? O que importa nessas conversas, diz Bartoletti, são as discussões sobre como mover dados residentes em aplicativos corporativos centrais, como SAP e Oracle, para nuvens públicas.

Essa abordagem de busca por inovação aumentará a adoção e os gastos da empresa, à medida que elas atualizarem os principais aplicativos de negócios combinados com serviços de análise, Machine Learning, IoT, mensageria e banco de dados nativos na nuvem. “Em 2019, a computação em nuvem será uma forma abreviada da melhor maneira de transformar ideias disruptivas em software”, diz Bartoletti.

Aqui, a CIO.com analisa as principais tendências que devem moldar a adoção da nuvem em 2019.

1. Estratégias multicloud ganham tração
Quando se trata da nuvem pública, a State Farm está apostando no longo prazo. Enquanto a maioria das empresas já fez grandes apostas em softwares sob demanda, a State Farm está transferindo seus dois principais aplicativos para a nuvem pública nos próximos meses, disse Ashley Pettit, vice-presidente sênior de TI da empresa. A abordagem conservadora é por design “para garantir que tenhamos os controles certos” para conformidade e segurança, comenta o executivo.

Como a maioria das empresas que optaram por esse modelo, a State Farm está adotando o software de nuvem pública de vários fornecedores. A empresa está movendo seu aplicativo móvel Drive Safe & Save para a AWS este ano e planeja portar o software de modelagem de preços e assinaturas no início do ano que vem, diz Pettit. Embora a AWS seja o principal provedor de nuvem da State Farm, ela também usa Microsoft Azure e o Google Cloud Platform para variar suas opções.

A diversificação de opções de nuvem é um tema comum. A Honeywell está usando IBM e Microsoft Azure, enquanto a General Electric usa os serviços da AWS e do Azure. Para a State Farm, a medida é parte de uma mudança mais ampla para o desenvolvimento de software ágil e “nativo em nuvem” para obter maior flexibilidade na criação de software no futuro, diz Pettit.

2. Inovação na nuvem
Graças aos containers, ao Kubernetes e à computação “sem servidor”, o modo como os principais aplicativos corporativos estão sendo implantados está sendo reformulado. A adoção de containers cresceu nos últimos anos à medida que os desenvolvedores corporativos modernizaram a implantação de aplicativos, diz Bartoletti. O Kubernetes, o software que automatiza a implantação, dimensionamento e gerenciamento de containers, emergiu como a camada de orquestração de escolha da empresa. Em 2019, o Kubernetes se tornará mais fácil de implantar, dimensionar e proteger, com os fornecedores lançando novos recursos para a orquestração de políticas de segurança orientada por APIs.

O modelo emergente de computação “sem servidor” também ganhará impulso à medida que mais empresas começarem a  implementar serviços e aplicativos digitais. Na computação sem servidor, os clientes desenvolvem, executam e gerenciam aplicativos sem criar e manter a infraestrutura para executá-los. Ele fornece uma API para associar a função a um ou mais eventos, como quando um sensor de IoT facilita uma ação. Espere que a AWS, a Microsoft, o Google e outros fornecedores de nuvem aumentem seus portfólios para computação sem servidor, também chamado de Função como serviço (FaaS).

Sem servidor, junto com containers e Kubernetes formarão a base para modernizar os principais aplicativos de negócios, diz Bartoletti. "No futuro, toda a nuvem será sem servidor", diz Bartoletti, acrescentando que a indústria de tecnologia está apenas na "ponta da lança" em relação serverless.

O Gartner estima que mais de 20% das empresas globais implementarão tecnologias de computação sem servidor até 2020.

3. Impulso renovado para a nuvem privada
Três abordagens principais para a nuvem privada se cristalizarão em 2019, diz Bartoletti, que define a nuvem privada como uma plataforma para hospedagem de cargas de trabalho não adequadas para nuvem pública devido a custo, segurança, conformidade, dados e projeto arquitetônico, entre outros motivos.

Uma abordagem faça-você-mesmo implica o uso do VMware vSphere e da infraestrutura definida por software, uma abordagem que bancos como a Synchrony adotaram, mas que Bartoletti diz ser “cara, complexa e disfuncional”. Envolve o uso do software de código aberto OpenStack. Um terceiro envolve fazer com que um fornecedor o crie para sua empresa, usando pilhas de software convergentes ou hiperconvergentes para minimizar seu fardo técnico.

“Em cada cenário, os sistemas legados ainda existirão e você ainda precisará integrá-los nesses ambientes mais novos”, diz Bartoletti.

cloudcomputing

4. Passagem rápida para PaaS
As empresas definirão sua estratégia de plataforma como serviço (PaaS) para “equilibrar a experiência dos dias 1 e  2” em 2019, diz Bartoletti. Ele observa que as empresas se casarão com a excelente experiência do primeiro dia, que inclui a criação e implantação de aplicativos, com uma experiência aprimorada do segundo dia de governar plataformas operacionais e aplicativos.

Cada organização decidirá se aproveitará ofertas PaaS exclusivas de um provedor de nuvem específico ou se concentrará na neutralidade da nuvem, diz Bartoletti. Alguns continuarão buscando a abstração de qualquer nuvem enquanto esperam que os serviços de valor agregado e neutros de fornecedor, como o Kubernetes e o TensorFlow, amadureçam e se tornem mais fáceis de operar em qualquer lugar. Bartoletti aconselha os CIOs a escolherem uma abordagem, mas estarem dispostos a reavaliá-la regularmente.

Em última análise, Bartoletti diz: "Seu dia 1 de experiência de desenvolvedor é mais importante para as equipes de aplicativos - não o comprometa apenas para facilitar a experiência de operações do segundo dia".

5. Os ecossistemas SaaS vão continuar brilhando
Em 2018, os fornecedores de SaaS aumentaram as execuções de integração com movimentos como a compra do fornecedor de gerenciamento de API MuleSoft pela Salesforce e a oferta da Workday para desbloquear sua plataforma. Em 2019, espere ecossistemas industriais baseados em SaaS impulsionados por parceiros de software corporativo como Microsoft, Oracle e SAP, diz Bartoletti. Os primeiros exemplos virão de indústrias intensivas em cadeias de suprimentos com uma forte necessidade de compartilhar informações e colaborar entre organizações, nos segmentos industrial, de saúde, manufatura e governo, diz Bartoletti.

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail