Fazer login no IT Mídia Redefinir senha
Bem-vindo de volta,
Digite seu e-mail e clique em enviar
Ainda não tem uma conta? Cadastre-se
Salvar em Nova pasta de favoritos

+

Criar pasta
Salvar Escolher Pasta
ClearSale reduz tempo de análise antifraude com migração para Microsoft Azure
Home > Tendências

ClearSale reduz tempo de análise antifraude com migração para Microsoft Azure

Análise de dados em nuvem e IA permitem avaliação mais rápida e criteriosa de cadastros, auxiliando na detecção de possíveis fraudes

Da Redação

31/07/2020 às 13h03

Foto: Shutterstock

O isolamento social decorrente da pandemia, que fechou lojas físicas e impediu as pessoas de realizarem compras no modelo tradicional do varejo, elevou o comércio on-line. O faturamento do e-commerce cresceu 56,8% entre janeiro e maio deste ano e os pedidos on-line tiveram alta de 65,7% em comparação com o mesmo período do ano passado, de acordo com um estudo da Compre&Confie, empresa do grupo ClearSale, em parceria com a ABComm. No entanto, com isso, houve também um aumento de 18% no número de tentativas de fraudes no Brasil em março.

Apenas no mês de março, a ClearSale conseguiu evitar cerca de R$ 69 milhões em fraudes. Segundo a empresa, tais números evidenciam a necessidade de criação de métodos rápidos e eficazes que reduzam a atuação dos fraudadores, uma vez que estes custos econômicos refletem no valor dos produtos, tanto para as empresas, quanto para o consumidor final.

Com o desafio de integrar bases de dados de transações de diferentes indústrias, a ClearSale desenvolveu uma nova infraestrutura de dados baseada na plataforma de nuvem Azure, da Microsoft. Com a migração e o uso de Inteligência Artificial (IA), a empresa conseguiu reduzir o tempo de análise de pontuação de créditos de uma semana para apenas seis horas, o que equivale a uma redução de 96% no tempo de análise antifraude de cadastros.

A empresa, que antes fazia análises antifraudes apenas para o varejo eletrônico, ampliou a sua atuação para outras indústrias como forma de diminuir o impacto das fraudes em diferentes mercados. A partir disso, o volume de dados gerados cresceu exponencialmente e a empresa viu a necessidade de um ambiente no qual pudesse alocar os dados de forma escalável, cruzar informações de tentativas de cadastros fraudulentas entre os negócios de forma rápida e eficaz e treinar os modelos de machine learning para identificar incoerências nas transações.

CIO2503

E-book por:

Com a reestruturação, os analistas passam a ter uma visão completa de todo o universo de dados da ClearSale. “Para o projeto, decidimos usar uma estrutura de servidores paralelos, infinitamente escalável, e que entrega performance e elasticidade de maneira consistente. Para isso, utilizamos Azure SQL como interface, garantindo uma migração mais fácil para os analistas de dados de outras plataformas, ganhando eficiência na análise de dados”, explica Rubens Monteiro, Head de Engenharia de Dados da ClearSale.

Ainda de acordo com o executivo, com a nova estrutura baseada em tecnologia Microsoft, a categorização das informações ficou mais fácil e também possibilitou maior sinergia e integração no uso de dados de diferentes bases.

“Com Azure, conseguimos unificar todas as bases de dados, aumentando assim a nossa capacidade de identificar as fraudes. Acontece que os fraudadores utilizam credenciais falsas ou roubadas de consumidores em mais de uma tentativa, usando, por exemplo, um dado que já foi barrado em uma compra de e-commerce, para solicitação de cartão de crédito. Ao cruzarmos os dados de cadastros fraudulentos de toda a nossa base de clientes, conseguimos validar ou não as transações muito mais rápido e de forma mais eficiente”, comenta.

Atualmente, os clientes direcionam os dados da transação para o aplicativo de proteção contra fraude da ClearSale que, por meio do uso de IA, consegue identificar os dados do pedido, a sua compatibilidade com o histórico dos consumidores, dentre outros comportamentos, podendo assim cruzar todas essas variáveis de forma inteligente. Atualmente o sistema analisa cerca de 10 milhões de transações por mês em 150 países. Destas, apenas 4,3% requerem análise manual dos dados e em 1% dos casos é feita uma ligação para o consumidor para validação.

Nesse cenário, fazer o cruzamento dessas informações melhora a capacidade de autenticação e detecção de fraude, com redução de tempo e valor. Isso possibilita que a companhia entregue um melhor serviço para os clientes, com informações que possibilitam uma melhor decisão sobre os negócios.

Vai um cookie?

A CIO usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Fechar anúncio

15