Fazer login no IT Mídia Redefinir senha
Bem-vindo de volta,
Digite seu e-mail e clique em enviar
Ainda não tem uma conta? Cadastre-se
Salvar em Nova pasta de favoritos

+

Criar pasta
Salvar Escolher Pasta
Como o modelo de trabalho híbrido tem ajudado a VMware a navegar durante a pandemia
Home > Carreira

Como o modelo de trabalho híbrido tem ajudado a VMware a navegar durante a pandemia

Adoção do modelo inclui nova tecnologia de sala de conferência e experimentos com reuniões realizadas em realidade virtual

Clint Boulton, CIO (EUA)

22/01/2021 às 16h29

Foto: Adobe Stock

Jason Conyard teve um assento na primeira fila da pandemia de Covid-19, antes da maioria dos líderes de TI. Viajando pela Índia e depois por Cingapura, em janeiro e fevereiro de 2020, Conyard teve uma noção do perigo que emergia da China e se dirigia para outros países.

Conyard, então Vice-Presidente de TI responsável por gerenciar a experiência de tecnologia dos 33.000 funcionários da VMware, começou a avaliar suas cadeias de suprimentos, antecipando os recursos que seus colegas necessitariam e confirmando que a equipe estava equipada para trabalhar em casa. Quando o coronavírus atingiu os Estados Unidos em março, a VMware mudou de direção, com a maioria dos funcionários baseados em escritórios sendo instruídos a trabalhar em casa. Da noite para o dia, 95% dos funcionários da VMware trabalhavam remotamente, uma mudança radical e rápida em qualquer medida.

“A boa notícia é que já tínhamos muitos dos recursos de que precisávamos”, diz Conyard, que foi promovido a CIO em setembro, depois de trabalhar por mais de cinco anos na empresa de software. “Eu não tinha noção de como isso seria importante quando a pandemia atingisse”. Seguindo em frente, Conyard considera como ajudar a empresa a navegar em um local de trabalho futuro sem fronteiras e como isso afetará a tecnologia e os talentos.

O desafio de Conyard espelha o de muitos outros líderes de TI que enfrentam a pandemia global. Quase um ano após a eclosão, as empresas estão investindo em rastreamento de contato, scanners térmicos, sensores e outras ferramentas de segurança e estão reimaginando os escritórios como ambientes de trabalho flexíveis. A maioria dos líderes de TI está permitindo comunicações em tempo real para facilitar reuniões com participantes físicos e virtuais, assinando aplicativos de hotelaria para permitir que os funcionários reservem uma mesa ou sala de reunião por um dia e implementando software de produtividade e colaboração adequado para equipes híbridas.

CIO2503

E-book por:

O futuro do trabalho está aqui

Enquanto a maioria das empresas se esforçava para entender a tecnologia e os processos necessários para dar suporte ao trabalho remoto, a VMware tinha uma vantagem inicial. Há alguns anos, ela embarcou no Future of Work, uma iniciativa para fornecer às pessoas a tecnologia e as práticas adequadas para trabalhar em escritórios, residências e outros locais remotos. O Future of Work é essencialmente um modelo de trabalho híbrido para o qual muitas empresas estão mudando após a pandemia. É liderado por líderes seniores da VMware que se reúnem com frequência para definir os processos e tecnologias necessários.

A saber, a VMware já implantou produtividade de escritório SaaS, colaboração de vídeo e ferramentas VPN, bem como muitas de suas próprias criações, incluindo o Workspace One, um pacote de software que fornece logon único e infraestrutura de desktop virtual, gerenciamento de endpoint e outros tipos de ferramentas de gerenciamento corporativo.

A equipe de TI complementou esses recursos enviando novos alto-falantes, webcams, monitores grandes e outros hardwares para os funcionários, diz Conyard. Reconhecendo que a colaboração em esforços de programação exigiria uma nova capacidade virtual, a VMware padronizou no Miro, uma ferramenta de quadro branco digital que permite aos usuários compartilhar, colaborar e refinar o código, replicando os quadros físicos esgotados que tipificam as sessões Scrum.

Visando atualizações de AV e VR

Este ano, Conyard está repensando as salas de conferência da VMware para “nivelar o campo de jogo” para participantes físicos e virtuais. Suas salas estão equipadas atualmente com grandes telas de projeção e um conjunto de microfones e câmeras que facilitam o encontro entre os presentes e a maioria dos funcionários que comparecem remotamente de acordo com as políticas de distanciamento social.

Mas o desafio está em garantir que os participantes remotos sejam tratados como participantes plenos. A qualidade do áudio em salas de conferência tende a ser duvidosa para aqueles que se conectam remotamente de seus laptops ou telefones celulares. E a experiência visual também não é nada para se gabar, com participantes remotos renderizados como headshots ou avatares em uma tela, tornando difícil detectar a linguagem corporal e misturar o conteúdo da apresentação, diz Conyard.

Aqui, Conyard vê a realidade virtual (RV) tendo um papel a desempenhar para facilitar a “conexão emocional” nas reuniões, acrescentando que suas equipes ainda estão experimentando os aplicativos e o hardware que os executa. O Workspace One da empresa se integra a muitos headsets de RV, resolvendo problemas de integração e gerenciamento de endpoint, mas continua difícil digitar nas configurações de RV, impedindo a tomada de notas. Além disso, poucos funcionários possuem um fone de ouvido de RV, que costuma ser caro.

Basicamente, o Future of Work é sobre a VMware reconhecer as preferências dos funcionários sobre como e onde desejam trabalhar, uma flexibilidade que a está ajudando a atrair talentos em mercados que não havia considerado anteriormente. “A pandemia criou uma oportunidade para acelerarmos esse pensamento e partir daí”, diz Conyard.

E enquanto Conyard gerencia a pegada de tecnologia global da VMware, ele insiste que ajudar as pessoas a navegar pelas mudanças é talvez sua missão mais crítica. Nesse sentido, Conyard classifica a inteligência emocional como um bem valioso - e que ele busca em suas contratações.

“Meu trabalho como CIO é muito menos sobre tecnologia e muito mais sobre pessoas”, diz Conyard.

É uma avaliação justa em um momento em que os CEOs desejam CIOs que possam demonstrar empatia pelos funcionários, diz Daniel Sanchez-Reina, Diretor de Pesquisa Sênior do Gartner. “[CEOs] ainda estão inseguros sobre o futuro e querem CIOs determinados que tomem e implementem decisões oportunas, enquanto exibem destreza emocional para serem diplomáticos e darem suporte”, diz ele, acrescentando que a demanda por CIOs que possam demonstrar empatia sobre os desafios das partes interessadas aumentou 92 % de 2019 a 2020.

Vai um cookie?

A CIO usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Fechar anúncio

15