Fazer login no IT Mídia Redefinir senha
Bem-vindo de volta,
Digite seu e-mail e clique em enviar
Ainda não tem uma conta? Cadastre-se
Salvar em Nova pasta de favoritos

+

Criar pasta
Salvar Escolher Pasta
Com TIVIT Labs, CTO George Bem acelera inovação e transformação cultural da companhia
Home > Carreira

Com TIVIT Labs, CTO George Bem acelera inovação e transformação cultural da companhia

Na TIVIT desde 2019, George Bem assumiu desafio de liderar hub de inovação independente da multinacional brasileira

Rafael Romer

27/04/2021 às 11h36

Foto: Divulgação

Planejar e executar a estratégia de tecnologia da TIVIT olhando para dentro de casa, mas sem perder de vista as demandas do mercado. Esse foi o desafio duplo assumido por George Antonio Peixoto Bem quando, em outubro de 2019, embarcou na multinacional brasileira no cargo de CTO e diretor de inovação.

Com quase três décadas de experiência na indústria, incluindo passagens por empresas como Netshoes, Natura e Capgemini, ambas tarefas eram velhas conhecidas do executivo. Executá-las ao mesmo tempo, no entanto, seria um passo novo em sua carreira – e uma possibilidade que o empolgou desde o início.

“É uma experiência diferente. Eu estou dentro de uma empresa de tecnologia, fabricando tecnologia para o mercado e também para resolver os problemas internos”, contou o vencedor da categoria Aumento de Receita do Prêmio Executivo de TI de 2021, da IT Mídia. “Eu sempre estive em tecnologia, mas fui sempre um cara de tecnologia com um pé no negócio. Sempre preocupado em entender o que o negócio faz”, completou.

Logo que chegou à TIVIT, George mergulhou no planejamento e operacionalização daquela que seria uma de suas ocupações principais na organização: o TIVIT Labs. Então recém-anunciado como um investimento de R$ 20 milhões, o projeto tinha como objetivo criar um hub de inovação independente para a TIVIT, capaz de acelerar o processo de transformação digital e cultural da companhia e, ao mesmo tempo, impactar seu ecossistema de clientes e parceiros.

CIO2503

E-book por:

“A gente tinha que criar um organismo que fosse diferente do que a gente tem, senão a gente seria engolido pelos processos do dia a dia. A gente tinha que ter aquela licença poética para pensar fora da caixa, senão não ia funcionar. Prontamente o pessoal entendeu que a gente precisava fazer isso”, explicou o diretor de tecnologia e inovação. Em três meses, a estrutura e equipe do Labs estavam prontas e a iniciativa entrou em operação.

A matéria completa no IT Forum.

Tags
Vai um cookie?

A CIO usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Fechar anúncio

15