Home > Carreira

6 habilidades em TI que não te levarão (provavelmente) a lugar nenhum

Amplie suas habilidades além de nichos de alta demanda para garantir que sua carreira continue a prosperar no futuro híbrido e baseado em nuvem

Paul Heltzel, CIO (EUA)

22/07/2021 às 9h01

Foto: Shutterstock

Quando se trata de habilidades, o segredo para preparar qualquer carreira de TI para o futuro é a diversificação. Em uma pesquisa recente da Deloitte, a maioria dos CIOs disse que um terço dos conjuntos de habilidades atuais de sua equipe não será relevante nos próximos três anos.

Na verdade, 68% dos executivos entrevistados pela Deloitte disseram que a lacuna de habilidades de sua organização é de "moderada a extrema", com 27% classificando-a como "maior" ou "extrema".

O cenário de TI está evoluindo rapidamente e os empregadores estão buscando habilidades em combinações que se alinham com suas necessidades futuras. Para ajudar sua carreira a evitar um beco sem saída, conversamos com líderes de tecnologia para identificar áreas que estão se aproximando do fim de seu ciclo de vida - e como você pode reverter isso para estabelecer um conjunto de habilidades renovado que manterá sua carreira crescendo.

Habilidades de TI legadas e locais

O aumento dos serviços baseados em nuvem, juntamente com uma tendência para ambientes de trabalho híbridos e remotos, reduziu a necessidade de equipe de TI no local. Aqueles cujas habilidades são focadas em hardware físico e sistemas legados podem ver suas opções de carreira limitadas mais cedo ou mais tarde, diz Susie Cummings, Diretora e Líder Nacional de Serviços de TI na BDO Digital.

“Funcionários que são generalistas com habilidades amplas, mas nenhuma área contemporânea - cibernética, nuvem, etc. - de especialização no assunto provavelmente terão dificuldade para permanecer relevantes em posições atuais ou futuras”, diz Cummings. “Também estamos vendo os limites entre TI e negócios. Ser um recurso puramente técnico sem a capacidade de navegar em conversas com líderes de negócios sobre o valor de um futuro investimento em TI pode causar, cada vez, mais desafios”.

Peter Tsai, Chefe de Insights de Tecnologia da Spiceworks Ziff Davis, diz que a necessidade de habilidades básicas em torno da compreensão da integração de infraestrutura, sistemas operacionais e software não vai desaparecer - mas também não fará com que os profissionais de tecnologia se destaquem.

“As tendências atuais influenciaram as habilidades de tecnologia em demanda”, diz Tsai. “Uma década atrás, as certificações de TI mais úteis podem ter girado em torno de… equipamentos de rede, sistemas operacionais e ambientes de virtualização. No entanto, com um foco maior na proteção contra ameaças cibernéticas e mudança de software e infraestrutura para um modelo 'como serviço', muitas das certificações mais bem pagas agora envolvem segurança de TI e computação em nuvem”.

Expertise em apenas uma linguagem de programação

Aqueles que se destacam em linguagens de programação individuais atualmente em uso podem sentir uma sensação de segurança, mas a necessidade de entender várias linguagens crescerá rapidamente nos próximos anos, diz Ivan Panchenko, Cofundador e Vice-CEO da Postgres.

“No passado, um profissional de tecnologia podia usar uma tecnologia por uma década - não é mais o caso”, diz Panchenko. “As inovações vêm em um ritmo mais rápido. Uma má decisão de design, uma aquisição por um concorrente, uma mudança de licença - e linguagens e estruturas anteriormente populares começam a perder seus usuários. Agora, todas as empresas líderes de tecnologia estão adicionando uma segunda e terceira linguagens de programação nas seções de habilidades desejadas de suas descrições de trabalho. Os desenvolvedores de software sênior costumam mudar para pilhas de tecnologia 100% novas em apenas alguns meses e ter sucesso em suas novas funções”.

Alguns profissionais de tecnologia podem ter encontrado uma compensação maior como recompensa por focar em uma área, mas também podem deixar uma carreira em tecnologia vulnerável, diz David Wintrich, Diretor Acadêmico da bootcamp Tech Elevator. “Evite se tornar excessivamente especializado em produtos específicos ou tecnologias de nicho. Os generalistas serão mais adaptáveis ​​aos cenários de mudança de tecnologia e melhor equipados para evoluir com as necessidades das organizações”.

Garantia da Qualidade

Tony Lysak, CEO do Software Institute, argumenta que as habilidades de TI têm expectativa de vida limitada e diz que o teste com script está em declínio.

“No momento, as habilidades de TI que estão chegando ao fim de seu ciclo de vida incluem teste manual e SQL”, diz Lysak. “Eles estão sendo substituídos progressivamente por UX/UI, membros de equipes multifuncionais com habilidades de teste automatizado e engenheiros baseados em nuvem, muitas vezes com habilidades especializadas em big data. Funções como administradores de sistemas e engenheiros de rede estão mudando rapidamente para funções de nicho dentro da cibernética e da nuvem, onde novos fornecedores de software e produtos aparecem semanalmente”.

Wintrich também vê a necessidade de testes manuais desaparecendo à medida que mais organizações adotam a automação. “A familiaridade com as ferramentas de script de reprodução de registros se tornará menos procurada”, diz Wintrich.

Isso significa que os profissionais de TI com habilidades nessas áreas devem buscar novas oportunidades em dados, analytics e segurança, à medida que a maioria das empresas trabalha na transformação digital, diz Lambert A. Rugani, Diretor Administrativo da Prática Oficial de Tecnologia da ZRG.

“Vimos mais automação e padronização”, diz Rugani. “A mudança para o desenvolvimento ágil e DevOps reduziu a necessidade de equipes de QA consideráveis”.

Hard skills sem soft skills

As equipes de tecnologia precisam de altos níveis de colaboração, e aqueles que podem se comunicar de forma eficaz verão seu estoque aumentar à medida que os outros caem, diz Wintrich.

“Certifique-se de que você é capaz de fazer contribuições que não dependem apenas de habilidades técnicas pesadas [hard skills]. Existem coisas que podem tornar toda a equipe e organização mais eficazes, incluindo habilidades de gerenciamento de projetos e certificação Scrum master, treinamento de documentação técnica e desenvolvimento de recursos de coleta de requisitos, como escuta ativa, juntamente com o conhecimento de domínio que permite que você entenda mais facilmente e colabore com colegas de trabalho”.

Operações de data center

Renato Mascardo, CTO da Accela, diz que os data centers não vão a lugar nenhum, mas certas habilidades para mantê-los serão menos necessárias devido à otimização.

“Estamos em uma grande mudança no sentido de consumir mais recursos da nuvem e deixar as tarefas do data center de nível inferior para outros”, diz Mascardo. “Haverá muito menos construções de novos data centers e mais reutilização da capacidade existente do data center conforme os departamentos de TI mudam para a nuvem. Os engenheiros de operações de data center devem começar a se familiarizar com a execução de operações na nuvem, que é uma habilidade completamente nova e diferente”.

Configuração e gerenciamento de máquina física

A automação e a migração da nuvem estão impulsionando as novas tendências de tecnologia em TI, diz Molly Brown, Vice-Presidente de Engenharia da Qumulo. Essas áreas de cultivo também exigem novas habilidades.

“Se você pensar nisso como o tempo total gasto no trabalho, haverá menos tempo gasto em tarefas de configuração manual e movimento físico manual das máquinas”, diz Brown. “Vamos gastar mais tempo desenvolvendo recursos que permitam às empresas obter o máximo de seus dados. Não estamos substituindo humanos por máquinas, mas ensinando ambos a colaborar melhor em um novo ambiente de nuvem. As habilidades de TI que você já possui ainda serão aplicadas - apenas em um ambiente diferente. Ainda queremos entender se os recursos estão sendo usados de forma eficiente. Ainda precisamos ser capazes de coletar dados e analisá-los para responder às perguntas de negócios. E ainda precisamos entender como mapear problemas de negócios maiores de volta às soluções de TI”.

Zoë Morris, Presidente do Frank Recruitment Group, diz que mesmo antes da pandemia as organizações estavam se preparando para ambientes de trabalho totalmente remotos e híbridos, mas agora esses esforços se intensificaram.

“Por esse motivo, muitos dos elementos físicos presentes em algumas funções de tecnologia logo se tornarão uma coisa do passado, já que os dados e o software simplesmente deixarão de existir no local”, diz Morris. “Agora, é sobre ser capaz de personalizar o software em nuvem e saber como se familiarizar com algo que só existe on-line. Saber como consertar fisicamente as coisas não fará parte da função do dia-a-dia de um profissional de TI comum. Compreender como as coisas funcionam e como podem ser melhoradas será muito mais importante. A tecnologia será muito menos “mão na massa” e mais sobre ser 'ligada'”.

A chave para se preparar para o futuro: combinar e conquistar

Embora o ritmo acelerado de inovação possa ser intimidante, nunca houve mais recursos on-line para elevar suas habilidades tecnológicas, diz Cummings, da BDO Digital.

“Se um indivíduo for mais qualificado e experiente, demonstrar domínio da solução de tecnologia e adicionar capacidades de liderança ou criação de valor de negócios criará oportunidades de carreira de longo prazo”, acrescenta ela. “As empresas hoje também procuram profissionais de TI que possam colaborar e gerenciar com eficácia seu trabalho e as expectativas do cliente/internas - especialmente com a maioria ainda trabalhando em modo remoto ou híbrido. Já se foram os dias de trabalho isolado, portanto, reunir habilidades de TI sólidas e contemporâneas com habilidades sólidas de gerenciamento de projetos e comunicação será uma combinação poderosa”.

Brown, de Qumulo, diz que, como acontece com a maioria das coisas, a chave para manter sua carreira avançando é saber como proteger os resultados financeiros de sua organização.

“O trabalho não acaba; ele muda”, diz Brown. “Costumava ser mais simples em um mundo onde você configurava um servidor de $ 5.000 para o seu data center e sabia o custo exato. Agora você precisa aprender a monitorar a otimização de custos para a nuvem. E nem sempre é do interesse de um provedor de nuvem ajudá-lo a entender a eficiência em seu data center. Portanto, você precisa pegar as mesmas técnicas básicas de TI para análise e otimização que desenvolveu no data center local tradicional e reformulá-las para o mundo da nuvem. Você está respondendo às mesmas perguntas de negócios, mas agora para a nuvem: como posso tornar meu consumo mais eficiente? Que valor estamos obtendo com os serviços que usamos?”

O estudo da Deloitte examina o futuro das áreas atualmente em demanda, como ciência de dados e, novamente, o foco está na diversificação de habilidades. Os analistas de dados geralmente criam modelos que exigem trabalho significativo para serem aplicados a um ambiente de produção, o que está levando a uma nova área chamada MLOps.

“As práticas de MLOps incentivam a comunicação entre as equipes de desenvolvimento e produção expandidas; como o DevOps, é uma abordagem profundamente colaborativa, permitindo que uma equipe cada vez maior de profissionais trabalhe em conjunto com mais eficiência para fazer mais de maneira padronizada”, relata o estudo. “Esses novos jogadores podem ajudar os cientistas de dados a testar e ajustar suas criações, implantar modelos para produção, gerenciar modelos de produção, resolver problemas relacionados à segurança e governança e remover impedimentos para iniciativas de IA e ML associadas a infraestruturas de dados desatualizadas”.

Song Pang, Vice-Presidente Sênior de Engenharia de Cliente da NetBrain, diz que algumas das pressões impulsionadas pela Covid-19 levaram os profissionais de TI a serem solicitados a fazer mais com menos funcionários por mais de um ano, e talvez não possamos voltar atrás.

“A próxima geração de trabalhadores de TI terá que ser mais híbrida e aprender a se expandir”, diz Pang. “Estamos vendo uma mudança da inteligência humana na velocidade humana para a inteligência humana na velocidade da máquina. Mas sempre haverá a necessidade de pensamento crítico e resolução de problemas - o que os engenheiros amam”.