Fazer login no IT Mídia Redefinir senha
Bem-vindo de volta,
Digite seu e-mail e clique em enviar
Ainda não tem uma conta? Cadastre-se
Salvar em Nova pasta de favoritos

+

Criar pasta
Salvar Escolher Pasta
5 habilidades que um DPO precisa desempenhar para adequar sua organização à LGPD
Home > Carreira

5 habilidades que um DPO precisa desempenhar para adequar sua organização à LGPD

Lei permite que o trabalho possa ser realizado por empresas especializadas, mas alguns cuidados precisam ser tomados, alerta especialista

Da Redação

14/10/2020 às 12h30

Foto: Adobe Stock

A entrada em vigor da LGPD, em 17 de setembro, instituiu uma nova figura no ambiente de tratamento e proteção de dados pessoais, a do DPO (Data Protection Officer). O profissional é responsável por, entre outras atribuições, proteger as informações dos titulares, assim como as da empresa, além de atuar como uma ponte entre a organização, o titular dos dados e a Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD).

Podcast Entre Tech: A LGPD entrou em vigor, e agora DPO?

Mas, afinal, para desempenhar bem o seu papel dentro das organizações e com o consumidor, quais são as habilidades necessárias este novo profissional em ascensão?

Uma vez que a lei permite a pessoa jurídica como DPO, as empresas podem pular a etapa da educação e treinamento de um funcionário específico e contratar serviços especializados. “A contratação de uma empresa para este trabalho ajuda o cliente a manter o foco em seu negócio e reduz o tempo de aprendizado da nova lei”, afirma Paulo Poi, diretor de GRC – Governance, Risk and Compliance, América Latina da Cipher, empresa do grupo Prosegur especializada em cibersegurança.

CIO2503

E-book por:

Poi, entretanto, alerta que a contratação de uma empresa especializada para esta função exige a tomada de alguns cuidados. Na lista abaixo, o especialista recomenda alguns cuidados que os gestores precisam ter em relação aos aspectos essenciais que o prestador de serviços precisa performar durante a execução de seu trabalho.

1. O profissional não precisa ser, necessariamente, formado em Direito; Entretanto, é fundamental ter conhecimentos de TI e de interpretação de normas e leis

2. Conhecimento técnico para operação de softwares;

3. Boa compreensão de estratégias de segurança e particularidades do tratamento de dados, como armazenamento e tratamento;

4. Autonomia para desenvolver suas funções e promover melhorias;

5. Boa comunicação para lidar com gestores, clientes, autoridades e sócios.

Vai um cookie?

A CIO usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Fechar anúncio

15