Home > Tendências

Blockchain: guia completo

O tão badalado DLT tem potencial para promover a disrupção da TI de maneiras só comparáveis à chegada da Internet

Lucas Mearian, Computerworld/EUA

31/01/2019 às 9h56

Foto: Shutterstock

O Blockchain, que começou a emergir como uma opção tecnológica do mundo real em 2016 e 2017, está preparada para mudar a TI da mesma forma que o software de código aberto fez há um quarto de século. E da mesma forma que o Linux levou mais de uma década para se tornar um marco no desenvolvimento de aplicativos modernos, o Blockchain provavelmente levará anos para se tornar uma maneira mais eficiente e econômica de compartilhar informações e dados entre redes de negócios abertas e privadas.

Baseado em uma topologia distribuída, peer-to-peer (P2P), o Blockchain ou a tecnologia ledger distribuída (DLT) permite que os dados sejam armazenados globalmente em milhares de servidores -  e que qualquer pessoa na rede possa ver as entradas de todos em tempo real. Isso dificulta que um usuário controle ou manipule a rede.

No entanto, em incidentes altamente divulgados ao longo dos último cinco anos, blockchains foram hackeados, geralmente por meio de um aplicativo de criptografia. Blocos de menor tamanho com menos nós (ou computadores) também foram suscetíveis a fraudes, com possíveis ladrões ganhando controle da maioria dos nós.

Para as empresas, no entanto, o Blockchain mantém a promessa de transparência transacional - a capacidade de criar redes de comunicação seguras e em tempo real com parceiros em todo o mundo para suportar tudo, desde cadeias de suprimentos até redes de pagamento, negócios imobiliários e compartilhamento de dados de saúde.

O hype recente em torno desta tecnologia relativamente nova é real porque o DLT, em essência, representa um novo paradigma de como a informação é compartilhada; vendedores de tecnologia e empresas, não surpreendentemente, correram para aprender como poderiam usar a tecnologia de contabilidade distribuída (DLT) para economizar tempo e custos administrativos. Várias empresas já lançaram, ou planejam lançar, programas piloto e projetos reais em vários setores - desde tecnologia financeira (FinTech) e assistência médica a pagamentos móveis e remessa global.

Portanto, embora o Blockchain não substitua os bancos de dados relacionais corporativos tradicionais, ele abre novas portas para o movimento e o armazenamento de dados transacionais dentro e fora das empresas globais.

Impulsionada principalmente por investimentos em tecnologia financeira (nas fintechs), o Blockchain tem visto um rápido aumento na adoção para desenvolvimento de aplicativos e testes piloto em vários setores e gerará mais de US $ 10,6 bilhões em receita até 2023, de acordo com um relatório da ABI Research. Espera-se que a maior parte desse valor de receita venha de vendas e serviços de software.

Espera-se também que a adoção do Blockchain seja estável, já que as mudanças estão ganhando impulso, de acordo com Karim Lakhani, pesquisador do Crowd Innovation Lab e do NASA Tournament Lab no Harvard Institute for Quantitative Social Science. "Conceitualmente, Blockchain é como o TCP/IP aplicado ao mundo dos negócios e das transações", disse Lakhani. "Nos anos 70 e 80, ninguém acreditava que o TCP/IP pudesse ser tão robusto e escalável como era. Agora, sabemos que o TCP/IP nos permite toda essa funcionalidade moderna que tomamos como garantida na web. "O Blockchain tem o mesmo potencial", explica.

Martha Bennett, analista da Forrester Research, afirma que qualquer projeto Blockchain ou "DLT" é uma iniciativa estratégica de longo prazo, e a decepção será inevitável se os esperados milagres não se concretizarem.

"Não é realista esperar um modelo de custo sólido ou uma declaração de benefícios definitiva porque é simplesmente cedo demais para isso", disse Bennett. "Para reunir evidências reais, precisamos ter um número de implantações totalmente operacionais e em execução por pelo menos dois anos. E simplesmente ainda não chegamos lá."

O que é o Blockchain e como funciona?
Em primeiro lugar, o Blockchain é um livro eletrônico público construído em torno de um sistema P2P que pode ser compartilhado abertamente entre usuários diferentes para criar um registro imutável de transações, com um selo de tempo e vinculado ao anterior. Toda vez que um conjunto de transações é adicionado, esses dados se tornam outro bloco na cadeia (daí o nome).

O Blockchain só pode ser atualizado por consenso entre os participantes do sistema, e uma vez que novos dados são inseridos, nunca podem ser apagados. É uma tecnologia que grava uma vez e agrega muitas, tornando-a um registro verificável e auditável de cada transação.

Embora tenha um grande potencial, o desenvolvimento da tecnologia ainda está na sua infância. CIOs e seus colegas de trabalho devem esperar retrocessos na implantação da tecnologia, incluindo a possibilidade real de erros sérios no software usado no topo do Blockchain. E como algumas empresas já descobriram, não é a solução ideal para muitos problemas técnicos.

Organizações de padronização do Blockchain, universidades e start-ups propuseram novos protocolos e métodos de consenso para espalhar a carga de trabalho computacional e de armazenamento de dados para permitir maior throughput transacional e escalabilidade geral - um problema persistente para o Blockchain. E o Hyperledger Project, da Linux Foundation, criou ferramentas modulares para criar redes de colaboração Blockchain.

Enquanto alguns grupos da indústria estão trabalhando para padronizar as versões do software Blockchain, há também centenas de startups trabalhando em suas próprias versões da tecnologia de contabilidade distribuída.

Por que tanto barulho em torno do Blockchain? Em uma palavra, bitcoin - a criptomoeda loucamente sensacionalista que permite transcrições de pagamento através de uma rede aberta usando criptografia e sem expor as identidades de proprietários de bitcoins individuais. O bitcoin popularizou o Blockchain. Outras formas de criptomoeda ou dinheiro virtual, como o Ether (baseado na plataforma blockchain Ethereum), também ganharam força significativa e abriram novos espaços para trocas monetárias transfronteiriças.  (O Ethereum foi introduzido em 2013 pelo desenvolvedor Vitalik Buterin, que tinha 19 anos na época.)

O termo bitcoin foi cunhado em 2008 quando Satoshi Nakamoto (provavelmente um pseudônimo de um ou mais desenvolvedores) escreveu um artigo sobre uma "versão peer-to-peer de dinheiro eletrônico que permitiria que pagamentos online fossem enviados diretamente de uma parte a outro sem a necessidade de passar por uma instituição financeira. "

Por mais de um ano, no entanto, o Bitcoin esteve em uma montanha-russa, com seu valor caindo de um pico de quase US $ 20 mil para um pouco mais de US $ 3,5 mil, principalmente devido ao fato de não ter valor intrínseco; seu valor é baseado apenas na alta demanda e na oferta limitada. Ao contrário das moedas fiduciárias ou ações, não há instituição ou governo apoiando o valor do bitcoin.

Isso pode mudar para criptomoedas algum dia.

Os governos já fizem estudos para a criação de moedas estáveis, ou criptomoedas, apoiadas por um ativo estável, como uma moeda fiduciária de ouro. Da mesma forma o Blockchain também está sendo usado para digitalizar outros ativos, como carros, imóveis e até mesmo obras de arte.

Blockchain públicos versus privados
Como uma rede peer-to-peer, combinada com um servidor de marcação de tempo distribuído, os ledgers públicos de blockchain podem ser gerenciados de forma autônoma para trocar informações entre as partes. Não há necessidade de um administrador. Com efeito, os usuários do Blockchain são o administrador.

Uma segunda forma de Blockchain, conhecida como Blockchain privado ou permissionado, permite que as empresas criem e administrem centralmente suas próprias redes transacionais que podem ser usadas inter ou intra-empresa com parceiros.

Além disso, as redes Blockchain podem ser usadas para "contratos inteligentes" ou scripts para automação de negócios que são executados quando certas condições contratuais são atendidas. Por exemplo, depois que um lote ruim de alface fez com que os clientes adoecessem com a e-coli, o Walmart e a IBM criaram uma cadeia de fornecimento baseada em Blockchain para rastrear produtos do campo até a mesa. O Walmart pediu a seus fornecedores de produtos que enviem seus dados para o banco de dados Blockchain até setembro de 2019. Uma vez no Blockchain, a produção pode ser rastreada automaticamente através de contratos inteligentes de ponto a ponto, removendo a intervenção humana e o erro.

A De Beers, que controla cerca de 35% da produção de diamantes do mundo, também lançou uma cadeia de suprimentos baseada em Blockchain para rastrear a autenticidade de diamantes e ajudar a garantir que eles não estejam vindo de regiões devastadas pela guerra, onde os mineradores são explorados.

Os contratos inteligentes também podem ser usados para aprovar a transferência de ativos, como imóveis. Uma vez que as condições sejam atendidas entre compradores, vendedores e suas instituições financeiras, as vendas de propriedades podem ser confirmadas no DLT. Por exemplo, a ShelterZoom, sediada em Nova York, está lançando um app imobiliário que permite que agentes imobiliários e clientes vejam todas as ofertas e aceitações em tempo real. Ele também permitirá o acesso online a títulos de propriedade, hipotecas, documentos legais e de inspeção residencial através do livro-caixa criptografado baseado em Ethereum.

Quão seguro o Blockchain é?
Embora nenhum sistema seja "inalcançável", a topologia simples do Blockchain é a mais segura hoje, de acordo com Alex Tapscott, CEO e fundador da Northwest Passage Ventures, uma empresa de capital de risco que investe em empresas de tecnologia Blockchain.

"Para mover qualquer coisa de valor sobre qualquer tipo de Blockchain, a rede [de nós] deve primeiro concordar que essa transação é válida, o que significa que nenhuma entidade pode entrar e dizer de uma forma ou outra se uma transação aconteceu ou não", explica  Tapscott. "Para hackear, você não teria que hackear apenas um sistema como em um banco ..., você teria que hackear todos os computadores naquela rede. Não é algo impossível de ser feito, mas éBsignificativamente melhor do que qualquer coisa que tenhamos hoje", disse ele.

Os recursos de computação necessários para a maioria dos sistemas blockchain são enormes, disse Tapscott, devido ao número de computadores envolvidos. Por exemplo, o Blockchain do bitcoin aproveita entre 10 e 100 vezes o poder de computação de todas as fazendas de serviço do Google juntas.

Mas mesmo uma escala maior nem sempre pode impedir hacks.

Um recente “ataque de 51%” na troca de tokens do Ethereum Classic mostrou porque o Blockchain não é impermeável. Um ataque de 51% refere-se a um mau ator que obtém o controle da maioria das CPUs em um pool de mineração de criptomoeda. Tais ataques são geralmente limitados a blockchains menores com menos nós porque eles são mais suscetíveis a uma única pessoa que toma o controle baseado em um mecanismo de consenso de Prova de Trabalho (PoW).

Mesmo que as redes Blockchain sejam seguras, os aplicativos executados sobre eles podem não ser tão seguros, de acordo com Bruce Schneier, um criptógrafo e especialista em segurança.

"Não é assim que esse tipo de coisa será quebrada. Ela será quebrada por causa de alguma insegurança no software", disse Schneier.

Os avanços da Blockchain dependem de escalabilidade
Um dos principais problemas enfrentados pelo blockchain envolve a escalabilidade ou a capacidade de concluir transações quase em tempo real, como a compensação de pagamentos por meio de cartões de crédito.

A escalabilidade já foi identificada como um problema com criptomoedas como bitcoin e Ether. Se um livro distribuído for capaz de obter adoção por empresas de tecnologia financeira (FinTechs) e competir com redes de pagamento centenas de vezes mais rápido, ele deve encontrar uma maneira de aumentar a escalabilidade e a taxa de transferência e resolver os problemas de latência.

O "sharding"
O sharding é um dos vários métodos populares que estão sendo explorados pelos desenvolvedores para aumentar o throughput transacional. Em termos simples, o particionamento é uma forma de distribuir a carga de trabalho computacional e de armazenamento em uma rede P2P, de modo que cada nó não seja responsável pelo processamento da carga transacional de toda a rede. Em vez disso, cada nó apenas mantém informações relacionadas à sua partição ou shard.

As informações contidas em um fragmento ainda podem ser compartilhadas entre outros nós, o que mantém o ledger descentralizado e teoricamente seguro, porque todos ainda podem ver todas as entradas; mas simplesmente não processam e armazenam todas as informações, como saldos de conta e código de contrato, por exemplo.

Nos sistema Blockchain de hoje, cada computador ou nó de autenticação registra todos os dados no ledger eletrônico e faz parte do processo de consenso. Em blockchains grandes, como o do bitcoin, a maioria dos nós participantes deve autenticar novas transações e registrar essas informações para serem adicionadas ao ledger. Isso torna a conclusão de cada transação lenta e árdua.

Por causa disso, o bitcoin, que é baseado em um PoW, pode processar apenas 3,3 a 7 transações por segundo - e uma única transação pode levar 10 minutos para ser finalizada.

O Ethereum, por sua vez, só é capaz de processar de 12 a 30 transações por segundo. Em comparação, a VisaNet da Visa processa, em média, 1.700 transações por segundo.

No ano passado, a fundação por trás do  Ethereum começou a explorar formas  de aumentar o desempenho após o ledger blockchain e a criptomoeda atingirem mais de um milhão de transações por dia.

Dois ajustes foram propostos. Um deles era um mecanismo de "camada 2" - processando transações da cadeia em um banco de dados padrão e registrando apenas entradas permanentes no livro de registros; a outra solução, fragmentada, permite que muitas outras transações sejam processadas em paralelo ao mesmo tempo.

As organizações e startups de padrões Blockchain também estão explorando mecanismos de consenso mais recentes para criar um DLT mais eficiente e menos intensivo em computação.

Quais indústrias usam Blockchain?
Mesmo que esses avanços estejam sendo explorados, as indústrias estão aumentando os pilotos e as implementações de Blockchain. Os blockchains estão sendo usados ​​em uma ampla variedade verticais. (Já foi apresentado até mesmo como uma  forma de trocar créditos de carbono.)

No transporte marítimo, por exemplo, um conhecimento de embarque de cargas tem sido tradicionalmente baseado em papel, o que requer múltiplas assinaturas de inspetores e receptores antes que as mercadorias possam ser entregues. Mesmo quando o sistema é eletrônico, ainda é necessário que várias partes assinem embarques de carga, criando um longo processo administrativo.

A Maersk está pilotando um sistema de rastreamento de carga baseado em Blockchain com 94 participantes parceiros, incluindo mais de 20 operadores de portos e terminais. A tecnologia de contrato inteligente pode rastrear a temperatura dos containers usando a tecnologia IoT e informar quando eles saem dos portos e chegam aos destinos.

Cada participante da cadeia de fornecimento de remessa pode visualizar o progresso das mercadorias através do ledger Blockchain, entendendo onde um container está, durante o seu deslocamento. Eles também podem ver o status dos documentos alfandegários ou visualizar os conhecimentos de embarque e outros dados em tempo real. E, como é um registro imutável, ninguém pode modificar, excluir ou até mesmo anexar qualquer um dos blocos sem o consenso de outras pessoas na rede.

A Genpact, por exemplo, anunciou um  serviço para finanças e contabilidade que alavanca contratos inteligentes baseados em Blockchain para capturar todos os termos e condições entre um cliente e uma organização para um pedido.

Blockchain e as FinTechs
Mas é entre as FinTechs que o Blockchain está brilhando no momento.

A tecnologia remove terceiros da equação; em outras palavras, uma transação financeira em um Blockchain não precisa de nenhum banco ou patrocinador do governo, e isso significa que não há taxas.

O Blockchain presta-se a vários casos de uso comum no mercado de serviços financeiros, incluindo conformidade regulatória,  pagamentos e liquidações internacionais, rastreamento de ativos e custódia, e acordos de trade finance e pós-negociação/transação, de acordo com a IDC .

Como as entradas de Blockchain podem ser vistas em tempo real, a tecnologia também tem o potencial de reduzir o tempo de liberação e liquidação, o que pode levar até cinco dias.

Um relatório da Accenture afirma que a tecnologia Blockchain pode reduzir os custos de infraestrutura para oito dos dez maiores bancos de investimento do mundo em uma média de 30%, "traduzindo para US $ 8 bilhões a US $ 12 bilhões em economias anuais para esses bancos".

O JP Morgan criou o que é indiscutivelmente uma das  maiores redes de pagamentos de Blockchain  até hoje: a Interbank Information Network (IIN). No fim de 2017 a  empresa de serviços financeiros anunciou que o Royal Bank of Canada e o Australia and New Zealand Banking Group haviam ingressado na INN, "representando volumes significativos de pagamentos transnacionais".

O JP Morgan criou a rede para reduzir significativamente o número de participantes necessários para responder à conformidade e outras consultas relacionadas a dados que podem atrasar os pagamentos.

"O IIN melhorará a experiência do cliente, diminuindo a quantidade de tempo - de semanas para horas - e os custos associados à resolução de atrasos de pagamento", disse Emma Loftus, chefe de Global Payments e FX da JP Morgan Treasury Services. "As capacidades do Blockchain nos permitiram repensar como informações críticas podem ser obtidas e trocadas entre bancos globais".

Enquanto isso, a Mastercard, no final de 2017, também lançou  sua própria rede Blockchain  para permitir que bancos e comerciantes parceiros façam pagamentos internacionais com maior rapidez e segurança. O serviço Blockchain da Mastercard pode ser usado para limpar transações de cartão de crédito e eliminar tarefas de administração usando regras de contrato inteligentes, acelerando assim a liquidação da transação.

Blockchain e os pagamentos móveis
Antes de lançar uma bolsa eletrônica baseada em Blockchain,  a fornecedora de câmbio estrangeira KlickEx  era limitada em escala pela sua própria  infraestrutura. O serviço atende cerca de 1 milhão de usuários por dia em oito países, ou cerca de 80% dos domicílios em sua região do Pacífico.

Hoje, a KlickEx lida com cerca de 90% a 95% de todos os pagamentos eletrônicos para a região que são de US $ 200 ou menos. Quando não sobrecarregado, o antigo sistema de troca era capaz de liquidar pagamentos entre 90 e 200 segundos. Mas um problema comum de processamento geralmente atrasava o processo: os pagamentos recebidos superavam os pagamentos emitidos, forçando-a a usar o processamento em lote. O que fazia com que os pagamentos entrassem nas filas, criando atrasos que podiam levar dias.

Um novo sistema de pagamento baseado criado pela KlickEx baseado em Blockchain pode processar pagamentos transnacionais em segundos.

O provedor do sistema de pagamentos da Polinésia fez uma parceria com a IBM para criar  uma rede de pagamento de código aberto  como uma nova bolsa internacional baseada em um Blockchain. A nova rede usa a Blockchain Platform, da IBM,  para permitir a troca eletrônica de 12 moedas diferentes nas ilhas do Pacífico, bem como na Austrália, Nova Zelândia e Reino Unido.

"Ao trazer a IBM para amadurecer a tecnologia, achamos que estamos empurrando algo como 8 milhões ... de capacidade de pagamentos por dia, o que está muito longe de onde começamos", disse o CEO da KlickEx, Robert Bell.

Blockchain para cuidados de saúde
O Blockchain também pode atuar como uma rede de colaboração, permitindo que as diversas partes do grupo troquem e adicionem informações, como o prontuário eletrônico do paciente, em tempo real. O Blockchain atua como uma ferramenta de verificação, garantindo que somente usuários autorizados - como um médico, provedor de seguros ou paciente - possam fazer alterações no ledger.

A interoperabilidade do Blockchain poderia sustentar a troca de dados, servindo como uma alternativa aos atuais  intercâmbios de informações sobre saúde  (HIEs); essencialmente, funcionaria como uma malha de rede para transmitir dados de pacientes de forma segura, quase em tempo real, para profissionais de saúde, farmácias, empresas de seguro saúde e pesquisadores clínicos, de acordo com a IDC .

Em 2017, a startup MintHealth lançou um registro de saúde pessoal portátil para dispositivos móveis com base em Blockchain. A MintHealth estará lançando a plataforma para planos de seguro de saúde comercial para ajudar pacientes com condições crônicas, como insuficiência cardíaca, diabetes e hipertensão, que representam mais de 90% dos custos com saúde hoje. Além disso, os pacientes em risco, mas ainda não sofrendo, de condições crônicas também se beneficiam ao ter acesso a seus registros médicos e ao controle de seus próprios dados de saúde, inserindo dados como sinais vitais ou níveis de glicose no sangue.

A start-up Hu-manity.co fez uma parceria com a IBM para desenvolver um livro eletrônico que fornece aos consumidores a chave criptográfica para conceder seus dados pessoais, permitindo até que os pacientes ou outros controlem a finalidade específica para a qual são usados, ao mesmo tempo permitindo que eles eventualmente lucre com isso.

O novo Global Consent Ledger começará com dados de assistência médica de residentes nos EUA e fornecerá uma trilha de dados digitais armazenados na Blockchain Platform, da IBM, que usa a especificação Hyperledger Fabric.

O IBM Watson Health e a Food and Drug Administration dos EUA  também estão explorando o uso de Blockchain  para troca segura de dados de pacientes, incluindo registros médicos eletrônicos sensíveis (EMRs), ensaios clínicos e dados selecionados de dispositivos móveis e wearables.

Em novembro, a Amazon anunciou um serviço de análise destinado a vasculhar dados não estruturados dentro dos EMRs para oferecer insights que os médicos podem usar para tratar melhor os pacientes. O novo  serviço de nuvem Comprehend Medical, da Amazon,  é um mecanismo de processamento de linguagem natural que permite ler anotações de médicos, prescrições de pacientes, transcrições de entrevistas em áudio e relatórios de patologia e radiologia - e usar algoritmos de Machine Learning para transmitir informações médicas relevantes a fornecedores de serviços de saúde.

Agora, no início de 2019, a SAP lançou um serviço de rastreamento da cadeia de fornecimento baseado em Blockchain que permitirá aos atacadistas de medicamentos autenticar as embalagens de medicamentos devolvidas pelos hospitais e farmácias.

Centro de Colaboração de Informação da SAP para Ciências da Vida será inicialmente usado para rastrear o retorno de medicamentos não utilizados aos atacadistas. Mas a SAP planeja expandir o uso da tecnologia para incluir uma gama mais ampla de processos da cadeia farmacêutica de suprimentos.

Carreiras em Blockchain estão decolando
À medida que mais empresas exploram os pilotos Blockchain, os empregos para os desenvolvedores Blockchain estão se tornando mais necessários. O desenvolvedor Blockchain está em primeiro lugar entre as cinco melhores carreiras emergentes, e as vagas de emprego para trabalhadores com essas habilidades mais do que dobraram neste ano. (O que diminuiu fori o interesse de muitos tecnólogos em trabalhar com bitcoin).

Em suma, a demanda por profissionais de Blockchain está crescendo rapidamente.

Em dezembro, o LinkedIn revelou suas cinco principais carreiras emergentes e, em conjunto com  outros dados recentes, descobriu que o desenvolvedor de Blockchain está no topo da lista.

As ofertas de emprego para quem pode desenvolver Blockchains cresceram 33 vezes no ano passado, de acordo com  o Relatório de Empregos Emergentes dos EUA de 2018 . Em segundo lugar estão  os engenheiros de Machine Learning .

Como as empresas devem se aproximar do Blockchain
Independentemente de quem desenvolveu qualquer nova tecnologia, as empresas devem sempre adotar uma abordagem pragmática ao adotá-la. Isso é verdadeiro também para o Blockchain.

"Você não pode ignorar, mas não pode simplesmente adotar cegamente uma nova tecnologia. A chave é ver se faz sentido para solucionar o seu problema", disse Gupta.

Um número crescente de plataformas Blockchain estão sendo desenvolvidas em paralelo, com aplicações especializadas em cima delas, de acordo com Gupta. A indústria precisará de mais padronização para incentivar a adoção generalizada.

"Tais desafios são comuns com as novas tecnologias", disse ele, "e mesmo com essa preocupação, o Blockchain está gerando muito interesse".

De acordo com Angus Champion de Crespigny, Líder Blockchain da Ernst & Young, a tecnologia Blockchain também é adequada para  propagar políticas de segurança e gerenciamento de acesso a identidades , que podem atravessar uma miríade de mercados. O fato de cada registro Blockchain conter um hash criptográfico exclusivo usado para rastrear esse bloco, bem como outros na cadeia associada, significa que os dados não podem ser modificados. Isso faz com que seja perfeito para fins de manutenção de registros e auditoria, acrescentou.

De Crespigny observou que mais fornecedores estão produzindo produtos específicos de negócios, "o que é realmente o que é necessário".

Blockchain: muito hype?
Em um relatório conjunto divulgado no final de 2018 durante a conferência de Tecnologia de Monitoramento, Avaliação, Pesquisa e Aprendizagem (MERL), os pesquisadores estudaram 43 casos de uso de Blockchain e concluíram que todos sub-entregaram em reivindicações.

E, quando contataram vários provedores de Blockchain sobre os resultados do projeto, o silêncio foi ensurdecedor. "Ninguém estava disposto a compartilhar dados", disseram os pesquisadores em seu post no  blog .

Em sua pesquisa , Christine Murphy, pesquisadora social da  Social Solutions International  e John Burg e Jean Paul Pétraud, bolsistas da Agência dos  Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional , descobriram uma proliferação de press releases, white papers e artigos escritos persuasivamente divulgando os muitos atributos do Blockchain. "No entanto, não encontramos nenhuma documentação ou evidência dos resultados que a Blockchain conseguiu alcançar. Também não encontramos lições aprendidas ou insights práticos, como estão disponíveis para outras tecnologias em desenvolvimento", relataram os pesquisadores.

O futuro do Blockchain
A razão pela qual algumas organizações sentem-se desanimadas em seguir em frente (ou não) é porque o Blockchain vai ao âmago de como organizamos nossas informações e nossa infraestrutura de manutenção de registros. Qualquer revisão centrada no Blockchain não acontecerá da noite para o dia.

O TCP/IP - a base do mundo da internet que agora tomamos como seguro - levou 30 anos para ser desenvolvido.

"Quando começamos isso na década de 1970, ninguém previu que eu poderia estar em Boston e o FaceTime com meu dispositivo móvel com alguém em Xangai. Isso era ficção científica", disse Lakhani, da Harvard.

"Minha sensação é que a consolidação do Blockchain vai levar tempo. Precisamos entender tanto a lógica empresarial quanto a lógica técnica, as aplicações a serem desenvolvidas e as pessoas a serem treinadas para usá-la", disse ele. Estamos diante de uma nova maneira de compartilhar informações ".

Tags
Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail