Home > Gestão

Apesar das dificuldades, Brasil precisa avançar na Transformação Digital

Para VP do Gartner, é preciso avançar em iniciativas do tipo. Um caminho, de fato, sem volta

Cassio Dreyfuss*

11/12/2018 às 11h00

transformacaodigital.jpg
Foto: Shutterstock

Uma série de ideias e conceitos novos tem sido apresentadas para que as empresas sejam bem-sucedidas nos seus programas de transformação. Uma ideia recente é “ContinuousNext”, a fórmula do sucesso para a Transformação Digital.

Precisamos pensar organizações públicas e privadas como organismos vivos, em contínuos processos de transformação. Para isso, precisamos promover mudanças culturais significativas que, turbinadas pela tecnologia, vão criar capacitações e modelos de negócios, gerando novos resultados, continuamente.

Mesmo com o difícil cenário e as incertezas que temos hoje no Brasil, é preciso preparar suas organizações para lidar com o que vem por aí. Mas em que grau isso é possível no Brasil de hoje, de 2019, de 2020? Neste mundo global não tempos opção. Não conseguimos ficar de fora. Temos de reagir da melhor maneira que pudermos à realidade que se apresenta – e que surpreende a cada momento – e, ao mesmo tempo, avançar com as iniciativas de transformação digital na medida que nos é possível. Não podemos deixar para depois.

Teremos mudanças muito significativas pela frente. Mas será que podemos pensar em grandes programas para implantá-las em nossas organizações, hoje, no Brasil? Nós, do Gartner, somos muito enfáticos a respeito: devemos avançar, sim – gradualmente: na velocidade em que engajamos toda a organização e mudamos nossa cultura; na velocidade em que evoluímos para criar e gerenciar o ciclo de vida de produtos digitais; na velocidade em que aprendemos a modelar nossa organização como uma “Digital Twin Organization”, criando um modelo digital dinâmico que apoia gestão, otimização e transformação digital da organização; na velocidade em que aprendemos a usar “inteligência aumentada” para apoiar nossas análises, decisões e ações; e, finalmente, na velocidade em que aprendemos a proteger a privacidade de nossos clientes, parceiros e colaboradores.

Isso não acontece por acaso. É preciso orquestrar essas mudanças – e isso aponta diretamente para os líderes da tecnologia e da informação:

- Convençam a alta administração e consigam, mais que patrocínio, participação. Não basta que aprovem a missão e até autorizem um orçamento. É preciso envolvimento direto.

- Construam uma sólida cumplicidade com os líderes de negócios. Essa não é uma iniciativa isolada. Precisamos alinhar, integrar e coordenar as ações.

- Ganhem a confiança e o compromisso das pessoas para conduzi-las nessa jornada. Todos são personagens importantes desta história.

Assumam essa nova liderança!

Mas é preciso ser agora. A missão de cada líder de tecnologia é apontar a direção, engajar todos e orquestrar os esforços. Complexo, arriscado – mas fascinante!

(*) Cassio Dreyfuss é vice-presidente e líder de Pesquisa do Gartner para o Brasil

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail