Home > Gestão

Agile, DevOps e seus 5 princípios para uma transformação colaborativa

Elas não são apenas práticas tecnológicas. Elas são projetadas para mudar a maneira como as pessoas trabalham juntas

Isaac Sacolick, InfoWorld/EUA

14/12/2018 às 8h14

Foto: Shutterstock

Você pode ouvir muito sobre a cultura e a mentalidade das organizações de TI em torno do Agile e do DevOps. Se você já conhece a TI há tempo suficiente, provavelmente testemunhou a luta entre as equipes de desenvolvimento que desejam lançar rapidamente e as operações de TI que desejam controlar as alterações para que a infraestrutura e os aplicativos sejam executados de maneira confiável.

Há muito trabalho que as equipes de TI assumem ao se comprometer com práticas Agile e DevOps. É provável que as equipes ágeis amadureçam e ampliem sua prática definindo as funções de Mestre Scrum, adicionando práticas e amadurecendo como usam ferramentas de gerenciamento ágil . As equipes Devops podem começar implementando pipelines de CI/CD e , em seguida, testes automatizados para depois tentar adicionar mais alertas  em nível de aplicativo .

Acontece que Agile e DevOps não são apenas práticas e tecnologias - elas são projetadas para mudar a maneira como as pessoas trabalham juntas.

Como sua empresa está embarcando em transformações Agile e DevOps? Como você saber se os times estão realmente colaborando? E o que você deve fazer para promover a colaboração, a cultura e a mentalidade das equipes?

Aqui estão cinco princípios que ajudarão a guiar essa transformação colaborativa e cultural.

1. Equipes colaborativas resolvem os problemas certos
Você já deve ter visto equipes  de TI que de tão focadas em uma solução técnica acabaram perdendo a noção do que estão resolvendo e por quê? O que acontece quando as equipes superam um problema técnico e definem uma solução que é demasiado complexa para implementar?

Essas são situações típicas nas quais a equipe mergulhou na solução de problemas sem recuar e pensar estrategicamente.

Boas equipes colaborativas estabelecem disciplinas em torno da resolução de problemas por meio de:

- Definição de oportunidade com uma declaração clara do objetivo e por que ele é importante.

- Entendimento das necessidades e valores do usuário que devem ser considerados na solução.

- Revisão das oportunidades no contexto de outras pessoas e decidindo qual é a prioridade mais alta.

- Uso da regra de reunião e duas pizzas de Jeff Bezos, designando uma equipe diversificada para resolver o problema.

- Compreensão das restrições e alavancagem dos dados relevantes para se concentrar em opções viáveis.

- Esforços de time-boxing para solução e considerando múltiplas opções.

- Comunicação dos resultados e dos próximos passos recomendados.

2. Grandes equipes são focadas no cliente, mas também abordam a dívida técnica de forma agressiva
As melhores equipes buscam obter o equilíbrio certo entre o fornecimento de iniciativas estratégicas, a resposta às necessidades e problemas dos clientes e a solução da dívida técnica. Isso é fácil de dizer, mas muito difícil de conseguir na prática quando há usuários gritando sobre problemas, líderes exigindo prazos, e equipes de segurança que corrigem sistemas e aplicativos vulneráveis ​​com patches agressivos.

Equipes fortes são hipersensíveis sobre como priorizam seu dia e usam seu tempo de forma eficiente para atender prioridades. Por exemplo. Eles procuram reduzir reuniões desnecessárias, eliminar etapas desnecessárias em seus procedimentos e investir em sua própria automação de fluxo de trabalho.

Também é fácil para as equipes deixar a dívida técnica ficar aquém das necessidades de negócios, mas as melhores equipes não deixam a dívida técnica acumular . Têm orgulho em sua arquitetura,  do desempenho dos sistemas e do seu código. Acham a infraestrutura mal dimensionada inaceitável e atenuam, em vez de se preocuparem com, a segurança e outros riscos. Eles assumem a responsabilidade pelo que estão construindo e pelo que foi construído antes.

3. Equipes auto-organizadas estabelecem padrões  de funcionamento
Um dos princípios do Manifesto Ágil é “as melhores arquiteturas, requisitos e projetos emergem de equipes auto-organizadas”. As melhores equipes colocam esse princípio em prática, encontrando o equilíbrio certo entre auto-organização, experimentação e desenvolvimento de provas de conceito versus desenvolvimento de práticas padrão, arquiteturas e metodologias.

Não é  algo tão fácil quanto parece. Para equipes menores, é difícil encontrar tempo suficiente para realmente definir, documentar, comunicar e medir um padrão quando muitos dos esforços de todos estão apenas realizando o trabalho diário. Para organizações maiores, as equipes que usam uma ideia e a escalam para que outras pessoas possam usá-la, exigem comunicação e colaboração muito além de suas principais responsabilidades.

No entanto, é exatamente isso que as equipes Agile e DevOps fazem. Equipes auto-organizadas recebem grande poder e flexibilidade para fazer as coisas certas bem. Com essa flexibilidade, deve haver a responsabilidade adicional para estabelecer as melhores práticas e seguir os padrões.

4. Grandes equipes desenvolvem KPIs e usam retrospectivas para melhorar
Boas equipes sempre buscam melhorar seus processos, práticas e colaboração. Grandes equipes fazem isso formalizando indicadores-chave de desempenho (KPIs) e processos de melhoria.

Como isso é feito na prática?

- As organizações de TI selecionam e medem os principais indicadores de desempenho, especialmente em áreas de prática deficiente que afetam a produtividade, a qualidade ou outros princípios operacionais.

- Os KPIs são revisados ​​regularmente e as equipes captam feedback adicional sobre a melhoria de processos em reuniões retrospectivas. O feedback mais importante é priorizado para melhorias no processo.

- Quando as organizações têm várias equipes, as que se destacam em KPIs específicos são solicitadas a orientar equipes com desempenho insatisfatório.

- Os KPIs otimizados são descartados e substituídos regularmente por outras áreas de melhoria.

5. Grandes equipes resolvem conflitos em pequenos grupos, e comemoram vitórias em grupos maiores
Adaptar a TI não acontece sem a superação de obstáculos e conflitos. Há debates sobre prioridades, padrões, plataformas tecnológicas e metodologias de implementação.

As melhores equipes reconhecem os conflitos e procuram resolvê-los com equipes pequenas e informadas. Eles procuram resolver os conflitos rapidamente adotando uma mentalidade de “E se o caminho A estiver errado?”. Em outras palavras, eles estão abertos a assumir riscos mensuráveis ​​e falhar rápido, evitando a paralisia provocada pelos conflitos.

Por outro lado, grandes equipes celebram as pequenas coisas em grandes formas. Muitas organizações estão usando a tecnologia de forma mais estratégica e isso coloca uma pressão significativa na TI para entregar mudanças de aplicativos mais frequentes, resolver problemas operacionais mais rapidamente e melhorar a qualidade geral das experiências do usuário. É fácil esquecer os sucessos de hoje porque os líderes sempre perguntam: "O que vem a seguir" e "Como você pode fazer melhor?"

As melhores equipes reconhecem suas realizações e impulsionam a mudança de cultura fazendo com que seus stakeholders e colegas comemorem suas vitórias.

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail