Home > Tendências

A próxima vítima da guerra cibernética pode ser o seu negócio

Parece que vivemos perpetuamente em estado de alerta, e as empresas precisam garantir que as suas equipes de segurança estejam preparadas para ataques

Rick Grinnell, CIO (EUA)

30/01/2020 às 10h00

Foto: Shutterstock

Como você se prepara para ataques cibernéticos ou ameaças à segurança desconhecidas? Essa é uma pergunta que todos temos que fazer depois dos ataques com mísseis que os EUA trocaram com o Irã. Como muitos estão (com razão) preocupados com a possibilidade de uma guerra começar no Oriente Médio, é provável que ocorra uma retaliação no ciberespaço, colocando em risco todas as nossas redes e infraestrutura.

O mais preocupante sobre a situação é a falta de transparência. A maioria dos membros do Congresso (norte-americano) não tinha ideia de que o ataque era iminente e, quando foram informados, muitos reclamaram que as suas perguntas não foram respondidas. Se o Congresso não sabe o que está acontecendo, você pode ter certeza de que os CISOs das grandes corporações também não estão sendo informados ou têm conhecimento de quaisquer incidentes que possam ter consequências físicas e cibernéticas que alteram o status quo. Portanto, sem uma coordenação possível, como se manter preparado?

Antecipar o conhecido

A resposta fácil. Esteja sempre preparado para qualquer coisa. Mas um ato de guerra cibernética requer um estado de alerta mais alto do que o habitual. Essa história deve ser um aviso aos CISOs para garantir os sistemas certos para se proteger contra um possível ataque feito como um ato de guerra cibernética. Nos Estados Unidos, o Departamento de Segurança Interna está aconselhando as empresas norte-americanas a ficarem preparadas.

Mas as ameaças não são apenas do Irã. Também sabemos que a Rússia, China, Ucrânia e outros países usaram ataques cibernéticos contra entidades norte-americanas. Como estamos focados no que o Irã pode fazer, esses outros países poderão ver uma abertura para lançar ataques. E não apenas esses outros países podem ver os EUA mais vulneráveis, como também podem usar o Irã como escudo para os seus próprios ataques.

CIO2503

E-book por:

Por exemplo, o Financial Times reportou em outubro uma equipe de espionagem cibernética russa que primeiro invadiu hackers iranianos e depois, sob esse pretexto, atacou mais de 30 países. Tanto a Agência de Segurança Nacional dos EUA quanto o Centro Nacional de Cibersegurança do Reino Unido, que descobriram o método de ataque, alertaram que essa era uma nova tática, usada para criar confusão sobre os culpados. Seria muito fácil para grupos de espionagem cibernética da Rússia, China e outros estados-nações cibernéticos usarem uma forma semelhante de ataque contra entidades americanas, fazendo parecer que o Irã é o agressor, o que aumentaria as tensões com o país.

Como você pode se preparar para o desconhecido?

Este pode ter sido o primeiro alerta desse tipo, mas certamente não será o último. Quando há um conflito de governos, é mais provável que o caminho da vingança seja o atacar as corporações. Os CISOs precisam garantir que as suas equipes de segurança estejam preparadas para um ataque cibernético e possam reagir em uma fração de segundo.

O que é necessário são sistemas resilientes e adaptáveis ​​a essas ameaças mais sofisticadas. Tecnologias como a IA desempenharão um papel enorme nesse nível de preparação e permitirão uma recuperação mais rápida dos sistemas, se o pior acontecer.

Nesta nova realidade, as organizações precisam aceitar mais a ideia de que os seus negócios podem ser vítimas de guerra.

Tags
Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail