Home > Tendências

A nuvem 2.0 está chegando – e foi o que você pensou que a nuvem 1.0 seria

Nuvem mudou a maneira como pensamos gerenciamento de dados e cargas de trabalho distribuídas. Com uma grande pegadinha. Mas isso está prestes a mudar

Mike Feibus, CIO (EUA)

05/03/2020 às 14h00

Foto: Shutterstock

Pergunte a qualquer CIO sua opinião sobre multicloud - onde dados e aplicativos percorrem perfeitamente entre todas as nuvens públicas, nuvem privada e local, para obter o menor custo e o melhor desempenho - e é provável que você obtenha uma ou duas respostas distintas.

Uma reposta normalmente vem dos menos experientes, que ainda não migraram para uma nuvem pública como AWS, Microsoft Azure ou Google Cloud. Eles não se impressionam com o conceito, pois eles tinham a impressão de que a nuvem deveria funcionar assim mesmo. E a outra? É daqueles que já tiveram a mesma impressão que os outros. Em seguida, eles migraram dados e cargas de trabalho para plataformas públicas. Agora, eles ficam se perguntando se é possível chegar à verdadeira multicloud.

Na verdade, é possível. De fato, agora estamos começando a ver uma nova consolidação de produtos surgindo para solucionar as deficiências das multicloud atuais. Em janeiro, o Gartner cunhou o termo “Cloud Data Ecosystems” (ecossistemas de dados em nuvem) para essa classe emergente de produtos. A empresa de analistas 451 Research, no final do ano passado, classificou-os como "Enterprise Intelligence Platforms" (plataformas de inteligência corporativa). E a Cloudera, que possui a plataforma mais abrangente da categoria, no último verão apelidou a categoria de "Enterprise Data Cloud".

Eu chamo de nuvem 2.0. E quando tudo estiver dito e feito, será tudo o que o Cloud 1.0 deveria ser.

O que sobe…

Atraídos pela promessa da capacidade de computação e armazenamento sob demanda aparentemente ilimitada, muitos usuários ansiosos por abandonar as decisões de capitalização do datacenter saltaram com os dois pés para o modelo de nuvem. Porém, muitos logo encontraram os pés presos onde aterrissaram. Isso ocorre por duas razões.

CIO2503

E-book por:

Primeiro, eles estavam firmados em contratos de longo prazo, que assinaram para garantir preços preferenciais sem saber quanto de capacidade eles realmente precisavam. Portanto, mesmo pagando uma taxa fixa, na prática acabavam pagando mais. Alguns acabaram usando apenas uma fração da capacidade reservada. E aqueles que subestimaram a quantidade de armazenamento e computação de que precisavam acabaram enfrentando cobranças excessivas surpreendentes.

O segundo motivo é que eles aprenderam o quão difícil pode ser trazer dados para casa a partir de serviços em nuvem com todos os metadados associados intactos. O abandono de registros históricos e outras associações contextuais descritivas diminui drasticamente o valor dos dados para análises futuras. Em parte, como um esforço para se libertar, as empresas investiram cada vez mais na capacidade da própria nuvem privada, desenvolvendo através de terceiros, a terceirização de um datacenter ou investindo em boas práticas antiquadas e de volta à terra, em capitalização no local. O objetivo era maximizar seus próprios recursos e depois explodir na nuvem somente quando absolutamente necessário.

"Definitivamente, há muita atividade de repatriamento em andamento. Os clientes realmente gostam do conceito de nuvem híbrida. Então, eles estão construindo ou terceirizando sua própria nuvem privada", explica Henry Vail, Diretor Técnico para Software-Defined Infrastructure no Data Center Group da Lenovo.

É importante entender que as empresas que se aventuraram na nuvem estão mais entusiasmadas do que nunca com o modelo de nuvem e permanecem comprometidas a ele. Mesmo alguns que ainda não mergulharam na nuvem real estão investindo e se beneficiando da flexibilidade e eficiência de máquinas virtuais, contêineres e microsserviços. Todos os provedores de nuvem estão respondendo com suas próprias opções de nuvem híbrida. No final do ano passado, de fato, os três grandes provedores de nuvem pública revelaram ou aprimoraram programas para estender seus serviços a implantações em nuvem privada:

  • A AWS anunciou sua própria oferta de infraestrutura como serviço (Iaas), AWS Outposts;
  • A Microsoft, que introduziu o Azure Stack para estender seus serviços de nuvem ao datacenter dos clientes em 2017, lançou o Azure Arc, que estendeu o guarda-chuva do Azure Stack para incluir uma gama mais ampla de hardware e serviços;
  • O Google divulgou sua própria plataforma de nuvem híbrida, o Google Anthos.

Entra a multicloud

Todos os serviços são extensões bem-vindas, na medida do possível. Ou seja, enquanto todos eles estão estendendo suas plataformas de suas próprias nuvens públicas para nuvens privadas hospedadas em datacenters locais, nenhum está fazendo muito para ajudar seus clientes a sair do seu próprio domínio e entrar nas infraestruturas de nuvem dos concorrentes. Você encontrará praticamente a mesma coisa com outros fornecedores, sejam IBM e Redhat, HPE ou Oracle.

Plataformas como Nutanix e VMware da Dell são únicas, pois oferecem suporte a várias plataformas na nuvem. Mas primeiro você deve escolher seu cavalo. Deslizar de um para o outro ainda pode ser um desafio. É difícil culpar os provedores de nuvem pública por não quererem abrir caminho para os clientes pagantes, embora eles possam ter que fazer isso algum dia, porque os clientes querem multicloud.

De fato, a capacidade de mover para a esquerda e para a direita entre as plataformas de nuvem, bem como para cima e para baixo da nuvem pública para ativos particulares ou arrendados é o que todos ouvimos quando se fala sobre os passos da nuvem. Infelizmente, não é o que os provedores de nuvem estão realmente dizendo. Pelo menos ainda não.

"Os clientes realmente querem esse painel único de vidro para gerenciar tudo. Eles querem flexibilidade para acessar dados e colocar cargas de trabalho onde mais faz sentido, por razões de custo ou capacidade. Hoje, os clientes querem saber com que rapidez eles podem se mover”, conta Cindy Maike, Vice-Presidente de Soluções Industriais da Cloudera.

A resposta, é claro, é que depende - principalmente de quão bem você desenvolveu sua arquitetura na nuvem. Se você preparou seus dados e cargas de trabalho desde o início terá muito mais facilidade. E há mais ajuda no caminho. Na parte dos negócios de analytics e Machine Learning, por exemplo, empresas como Databricks, Looker e Rancher ajudam a orquestrar projetos de ML em diversas implantações. E empresas como Panoply, Qubole e Snowflake coordenam dados em implantações de nuvem híbrida e multicloud.

A Cloudera é única na medida em que fornece gerenciamento de dados e ML com sua nova Cloudera Data Platform, resultado da combinação de recursos do Hortonworks, adquirido há pouco mais de um ano. Uma parte essencial da plataforma da Cloudera são seus recursos de governança, que ajudam as operadoras a definir e manter parâmetros de metadados para segurança, conformidade regulatória e análise de dados - mesmo em plataformas na nuvem.

Naturalmente, outras plataformas independentes de gerenciamento de dados também buscam a governança de várias nuvens. Em última análise, todos precisarão, porque não podemos obter dados verdadeiros em várias nuvens sem dados e portabilidade de aplicativos sem esforço.

E esse é o coração e a alma do Cloud 2.0: exatamente o que queríamos do Cloud 1.0.

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail