Home > Carreira

A matemática do PISA e o que isso tem a ver com a tecnologia

Posição ruim do Brasil no PISA é explicada essencialmente pela dificuldade em resolver as questões iniciais

Beni Kuhn*

02/05/2019 às 12h24

IAensinomatematica.jpg
Foto: Shutterstock

Em julho do ano passado, quatro pesquisadores do Insper publicaram um artigo sobre o desempenho dos alunos brasileiros no PISA de 2015.

Os pesquisadores avaliaram que os alunos brasileiros têm uma forte queda de desempenho ao longo da prova, assim como outros países latino-americanos. Além disso, os resultados mostram que esse cenário se deve principalmente à falta de conhecimento e habilidades para responder a prova, uma vez que eles gastam muito tempo nas primeiras questões e não alcançam as últimas.

Eles ainda afirmaram que na segunda parte da prova, depois de um breve intervalo, o desempenho melhora um pouco, o que indica que parte do mal desempenho do Brasil parece ser também devido à falta de habilidades para fazer provas como a do PISA. Eles concluem que a posição ruim do Brasil é explicada essencialmente pela dificuldade em resolver as questões iniciais.

Uma das conclusões mais intrigantes é a que relaciona as habilidades cognitivas dos alunos e as habilidades socioemocionais, como persistência, concentração e determinação como fatores chave para um desempenho satisfatório.

Olhando pela perspectiva da tecnologia há muitas contribuições a se fazer. O ecossistema de plataformas que oferecem conteúdos e análises precisas de dados são oportunidades reais, viáveis e acessíveis para virarmos o jogo ao nosso favor.

Gamificação como solução

A gamificação pode ser a solução, pois se utiliza de estratégias próprias dos jogos para transformar os processos de aprendizagem em um grande atrativo para os alunos, afinal a competitividade é natural do ser humano.

A gamificação potencializa o aprendizado, além de motivar e engajar o aluno na resolução dos mais diversos desafios, enriquecendo o processo de autoaprendizagem, por meio de um ambiente desafiador preparado para estimular os alunos na busca constante do conhecimento.

Com o apoio da tecnologia, já é possível perceber que um ambiente lúdico e divertido através da gamificação pode ser transformador, pois é possível desenvolver as habilidades cognitivas e apoiar nossos alunos no desenvolvimento das habilidades socioemocionais.

*Artigo por Beni Kuhn é fundador e CEO da Colaborativa é Economista pela PUC-SP. Desde 2009 estuda e atua em projetos de transformação digital organizacional. Em 2016 fundou a Colaborativa, uma consultoria de tecnologia educacional que vem apoiando instituições de ensino a inovarem e trilharem o caminho inevitável da transformação cultural e digital na educação.

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail