Home > Carreira

9 dicas para saber lidar com pessoas tóxicas no trabalho

Especialistas apresentam abordagens para conviver com colegas que pendem para o drama, colocam defeito em tudo, fazem fofoca, espalham boatos...

Da Redação, com Network World/EUA

13/12/2018 às 19h44

Foto: Shutterstock

Ninguém é igual a ninguém. Alguns são otimistas e alegres enquanto outros pendem para o drama, colocam defeito em tudo, fazem fofoca, espalham boatos, primam por abordagens pessimistas. Pessoas “tóxicas” [que se enquadram nos atributos citados ao final da frase anterior] estão por todo lugar. Estão, também no ambiente corporativo e podem ser parte de sua equipe ou sentar perto de sua baia. Inclusive, um desses profissionais pode ser seu chefe, fornecedor, subordinado, colega, cliente; sempre com uma postura combativa, crítica ou improdutiva.

A menos que tenha muita sorte, algum profissional com tais características provavelmente trabalhará com você. Não há muito como mudar suas personalidades. Talvez máximo que você pode fazer é criar métodos para conviver com eles e não se deixar contaminar. A Network Word EUA conversou com alguns líderes de TI e psicólogos para tentar descobrir uma estratégia adequada para reduzir o sofrimento e a negatividade em seu dia de trabalho. Aqui vão algumas dicas.

1. Tente não rotular
Há um perigo em rotular pessoas, ressalta Pamela D. Garcy, psicóloga e consultora de carreira. “Rótulos criam estereótipos que não ajudam a lidar muito efetivamente com a questão”, afirma. Ela recomenda que se tente compreender a causa raiz que desencadeia aquela postura/problema na pessoa. A ideia é que essa abordagem lhe ajude a traçar uma estratégia para estabelecer um relacionamento o mais positivo possível com seu colega.

2. Parte do problema ou da solução?
É fácil dizer que é tudo culpa dos outros, mas uma moeda tem dois lados. Questione-se: você está contribuindo para o comportamento tóxico? Se deixa contaminar por esse sentimento sendo puxado por uma espiral emocional cadente? O que é capaz de fazer para evitar que isso aconteça?

“O segredo reside em como está contribuindo para os comportamentos indesejáveis e o que está a seu alcance para melhorar a situação”, aconselha Dustin Wells, presidente e CEO da fornecedora de software Headspring. O executivo acredita que a postura mais correta é não deixar que sua ação ou inação torne uma situação ruim ainda pior.

3. Mude de perspectiva
Algumas coisas estão fora de sua “jurisdição”. Logo, concentre-se em pontos que é capaz de controlar. Isso, muitas vezes, requer uma mudança de perspectiva. “Trata-se de algo que irá ajudá-lo a bloquear a ideia de ser contaminado por um comentário maldoso direcionado a uma tarefa que executou proferido por alguém que não gosta de seu trabalho”, acredita Pamela Rucker, CIO Advisor da The Rucker Group, sobre situações que podem parecer uma afronta direta e pessoal.

A executiva observa que essa alteração de perspectiva exige certo exercício de introspecção, mas certamente irá ajudá-lo a construir uma abordagem mais equilibrada, filtrando fatos e abordagens. A ideia é não se deixar ser sugado pelo comportamento negativo de uma pessoa frente a determinada situação. “Você tem pelo menos duas opções: remoer os problemas ou apostar em uma solução”, comenta.

4. Difíceis ou tóxicas?
Outro fator importante, segundo Pamela, é garantir que você fez uma distinção correta do comportamento. A pessoa pode apenas ter um comportamento difícil, ou seja, ser alguém que protege seu território, que mantém excesso de zelo ou que fica presa a uma maneira específica de raciocínio. Esse tipo de profissional (cujo estilo também é pautado por uma postura de confronto e resistência), quando se chega ao cerne das questões, tende a contribuir para a atividade.

“Descobri que, em muitos casos, a minha dificuldade de trabalhar com certos indivíduos pode ser apenas uma questão de relacionamento ou estilo. Levei um tempo para chegar a essa conclusão porque, muitas vezes, encarei questões sob viés pessoal quando se opunham a algumas ideias que tinha”, ilustra a executiva.

Ela diz que, eventualmente, precisava dar um passo para trás e desenvolver relacionamentos mais fortes com as pessoas certas, o que toma tempo para compreender estilos e formas de lidarem com certas situações. Quando fez isso de maneira assertiva, o resultado foi uma relação de trabalho mais produtiva.

Funcionários tóxicos, por outro lado, carregam com mais do que apenas questões comuns de relacionamento e estilo. São pessoas que podem espalhar a negatividade pela organização, por meio de sentimentos que variam de raiva, medo, desconfiança, vergonha, mágoa e abandono. “São elementos que trazem algo prejudicial a todos com quem tem contato, danificando a equipe”, adiciona.

5. Compreenda suas próprias questões
Pamela observa que, em alguns casos, ela mesma precisava fazer com que indivíduos com esse perfil “tóxico” precisam conhecê-la. Aprender esta lição lhe permitiu melhorar muitos relacionamentos difíceis. “Quanto mais você se conhece mais compreende as outras pessoas, entende estilos e formas mais adequadas de interagir, mais fácil é trabalhar com um time heterogêneo”, comenta.

6. Estabeleça limites
Você até pode permitir que algum colega de trabalho te sugue, mas saiba isso é algo evitável. Há pelo menos um pequeno momento para tomar uma decisão, um microssegundo de liberdade no qual é possível fazer uma escolha e dizer a si mesmo: quero ou não encorajar ou me envolver neste drama? Essa barreira pode (e deve) ser erguida com educação para que se crie de limites. Certamente, será preciso repetir isso algumas vezes até que suas intenções virem rotina.

7. Descubra qual é o problema para você
O comportamento do colega de trabalho afeta o seu desempenho? Se a resposta for sim, tente criar um veio para comunicar isso a essa pessoa explicando seus pontos e procurando uma solução no modelo “ganha ganha” (talvez até propondo uma visão otimista ou alguma sugestão para que aumente a autoestima de seu interlocutor). Caso sinta que esse diálogo direto tenha se esgotado, envolva algum gerente ou supervisor para ajudá-lo.

8. Trabalhe sua inteligência emocional
A inteligência emocional vai ajudar você a entender as motivações das pessoas e seus comportamentos e encontrar um melhor posicionamento frente a determinada situação/relação. Trata-se de algo que “ajuda a lidar com pessoas difíceis ou tóxicas a partir de um ponto de vista racional, o que lhe permite concentrar-se sobre os fatos, por reconhecer e gerir as suas emoções, em comparação com as da outra pessoa. É importante que se entenda a situação corretamente e não reagir de forma exagerada ou levar o lado pessoal”, sugere John DiCamillo, CTO e diretor de infraestrutura e serviços para Arup, uma empresa independente de designers, engenheiros, consultores e especialistas técnicos. Faça sempre a sua parte e mantenha o foco em apreender e crescer.

9. Cuide de sua sanidade
Um dos temas recorrentes citados por Garcy é autocuidado. Pode parecer óbvio, mas é algo muitas vezes esquecido. “Descanse, coma alimentos saudáveis, faça exercícios, passe um tempo com pessoas positivas e conecte-se com você mesmo”, lista Garcy. Fazer isso só pode aumentar suas chances de um resultado melhor e vai ajudá-lo a levar um estilo de vida mais saudável.

Considerações finais
“É importante reconhecer que nem todos os desafios terão uma solução imediata. Portanto, seja paciente”, aconselha. As pessoas de sucesso trabalharão em busca de uma solução de longo prazo, em vez de uma versão de curto prazo recheada de estresse.

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail