Home > Carreira

7 sinais de que você está sendo explorado no trabalho (e como mudar isso)

Paul Heltzel, CIO (EUA)

15/11/2019 às 16h02

Foto: Shutterstock

Há um ditado bastante comum de que a recompensa por um bom trabalho é receber mais trabalho. Aplique essa verdade à TI, um setor com reputação de ter que trabalhar por longas horas e por ter que cumprir prazos quase impossíveis. Pronto, agora você tem a receita para o esgotamento.

De fato, há evidências de que aqueles que parecem gostar do seu trabalho têm mais chances de serem aproveitados (no mau sentido) nas empresas. De acordo com um estudo realizado pela escola de negócios da Duke University, as pessoas que se identificam como “apaixonadas” pela sua função costumam ser as mais maltratadas.

Os pesquisadores descobriram que é mais provável que esses profissionais recebam horas extras sem remuneração, deixem a família nos fins de semana para trabalhar e realizem funções que não constam nas suas descrições de cargo. Alguns gerentes veem genuinamente mais trabalho como recompensa, ou simplesmente pensam que as pessoas que desfrutam dos seus empregos se voluntariam para assumir mais tarefas, segundo o levantamento.

Então, como você pode julgar quando as exigências do seu trabalho são irracionais? Especialistas dizem que alguns dos sinais mais óbvios incluem ser forçado a realizar trabalhos extras sem reconhecimento, receber prazos impossíveis ou quando o pagamento é frequentemente atrasado. Com isso em mente, aqui estão algumas dicas para você avaliar se está sendo explorado no trabalho, bem como alguns conselhos sobre como lidar com um chefe difícil e, potencialmente, como resolver a situação.

1. Trabalho sem alegria

Talvez seja hora de conversar com seu gerente quando o seu trabalho, que anteriormente era agradável, começar a parecer um beco sem saída, sem espaço para mais nada na sua vida. "Você está contando os minutos até poder sair do escritório?", questiona Mari Hegyi, gerente sênior da Limeade. "Se você ama o seu trabalho, mas não tem tempo para mais nada, isso é um indicador, é demais." Mas e se o seu gerente for difícil ou manipulador? Se você tem um relacionamento sólido com ele, não estaria nessa situação, então como lidar? “Se há algo que está frustrando você, diga. Gosto de usar o modelo SBI - situação, comportamento, impacto - ao fornecer feedback. Documente suas conversas por e-mail. Se suas tentativas não o levarem a lugar algum, fale com alguém do RH. Se isso parecer intimidador - o que eu espero que não - converse com outro líder em quem você confia”, diz Hegyi.

2. Problemas de pagamento

Um sinal clássico de que você está sendo explorado é quando seu salário chega atrasado - e repetidamente. Se você está isento de horas extras, ser pago depois de 30 dias pode realmente violar as leis trabalhistas. "Você está sendo pago no mesmo dia todo mês?", pergunta Hegyi. “Certifique-se de conhecer seus direitos lendo o manual do funcionário. Entre em contato com outras pessoas para ver como é a experiência delas.” Se a situação não está tão clara, por exemplo, se você está sendo solicitado a trabalhar mais, mas sem ganhar por isso, Hegyi aconselha que você faça uma análise. "Você sente que há um equilíbrio entre o que está fazendo e o que está recebendo em troca? Isso pode ser uma compensação, mas não se esqueça do poder das oportunidades de reconhecimento, desenvolvimento ou avanço", acrescenta a especialista.

3. Seu setor virou rotina

Quando o equilíbrio entre a vida profissional e a pessoal não recebe atenção, as condições podem levar a equipe a sofrer desgaste, afirma Chris Nicholson, CEO da Skymind. E esse cenário é particularmente real nas startups. "Você precisa realmente ter cuidado, tanto como colaborador quanto como gerente", declara Nicholson. "Muitas das melhores pessoas, especialmente se nunca trabalharam em uma startup antes, simplesmente acabam se esforçando demais."

Um gerente que não entende o processo provavelmente sobrecarregará a equipe com prazos impossíveis, além de longos turnos que contribuem para a sensação de exploração. "Avalie a sua situação", sugere Nicholson. “Ainda há coisas sobre o seu trabalho que você gosta? A segunda coisa a se perguntar é: quanto me custa esse trabalho e vale a pena? Você ainda tem tempo para a sua família? Ou para cuidar de si mesmo? Todos devem ser claros em seus objetivos, mas talvez você queira um emprego que permita pagar o aluguel e também construir uma família. A terceira coisa a perguntar é: como as coisas mudaram no trabalho ao longo do tempo? Você está ficando mais ou menos estressado? A gerência está tomando decisões que fazem sentido? Quando eles prometem algum tipo de melhoria, eles entregam ou não? Você está tendo uma conversa honesta com eles sobre isso?"

4. Falta de limites

Nicholson, da Skymind, ressalta que alguns colaboradores de TI acabam passando dos limites do que é saudável para cumprir os prazos, independentemente de os gerentes serem os culpados. "Em algumas partes da tecnologia, como jogos, as equipes de produtos recorrem a diferentes tipos de estimulantes para permanecer criativos e cumprir seus prazos", explica Nicholson. "Isso é provavelmente um mau sinal e insustentável a longo prazo."

Em alguns casos, o problema pode não ser a má intenção da liderança, mas um cenário perfeito que leva os funcionários a se sentirem no limite. “Nas startups, pelo menos, existem recursos severamente limitados, fundadores inexperientes e toda a equipe tentando resolver novos problemas com cronogramas difíceis de cumprir”, observa Nicholson. “Nessas situações, lidar com o trabalho de várias pessoas é apenas parte do acordo. Você está correndo em direção à uma linha de chegada que não pode ver."

5. Ser deixado no escuro

O CIO da INAP, Jeff Atkinson, concorda que os funcionários têm maior probabilidade de serem tratados injustamente quando não entendem seu lugar. "Garanta que seus funcionários possam entender a situação", aconselha Atkinson. “Compreender o papel deles no cenário geral e onde as atividades rotineiras e não rotineiras fazem a diferença. Criar um equilíbrio entre o trabalho diário e as atividades que manterão os membros de TI envolvidos e produtivos também é extremamente importante. Por fim, nunca esqueça as habilidades pessoais, como gerenciamento de tempo, comunicação etc., e o papel que elas podem desempenhar para aliviar a exaustão e a frustração dos trabalhadores.”

Para Atkinson, a pior atitude que o gerente pode ter é negar que o problema existe. “Isso não desaparece, e talentos mal utilizados ou sobrecarregados inevitavelmente desestabilizam. Fique em sintonia com suas equipes e garanta que todos os membros tenham um canal para expressar suas opiniões sobre papéis, procedimentos e operações.”

6. Falta de compreensão

Às vezes, surgem problemas sobre gerentes que não entendem as questões que as suas equipes estão tentando resolver. Pior, diz Syed Ahmed, cofundador e CTO da Tara AI, isso pode levar a uma falta de envolvimento que aprofunda o nível de desconexão, principalmente quando um produto está sendo desenvolvido.

"Os desenvolvedores podem sentir uma falta de realização e sentir que estão trabalhando em projetos impossíveis de resolver", afirma Ahmed. “Os gerentes precisam trabalhar arduamente para garantir que estejam cientes de evitar equipes sobrecarregadas de trabalho. Eles não devem confiar apenas nos relatórios de dados quantitativos. Devem consistentemente adicionar o elemento humano ao gerenciar suas equipes - o que também significa ter uma noção de quando os desenvolvedores estão sentindo que a situação está sem controle.”

7. Pagamentos atrasados

Quando um colega sai da empresa e o trabalho dele vai para você, é razoável questionar se isso é correto, especialmente se não houver aumento de salário ou qualquer reconhecimento. Mas essa é uma situação de exploração? “Um aumento salarial nem sempre pode ser uma opção para seu empregador, mas outros benefícios podem ser estendidos para mostrar que ele conhece e aprecia o trabalho adicional que você está executando”, diz Julia Kanouse, CEO da Illinois Technology Association. Ela aponta para compensações alternativas, como dias extras de férias ou bônus.

Mas abordar a falta de remuneração ou reconhecimento pode ser difícil, e as mudanças de papéis não são necessariamente são sinal de exploração. "Um gerente que não está tirando vantagem de seus funcionários oferecerá proativamente essas vantagens e verá a carga de trabalho adicional como uma maneira de preparar alguém para o próximo trabalho", declara Kanouse. "Mas se você estiver em uma situação em que o trabalho continua a se acumular com pouco ou nenhum reconhecimento, é hora de reavaliar.

Certamente é uma oportunidade de negociar salário adicional, bônus, tempo flexível - o que for mais importante para você. Como em qualquer negociação, é importante ter todas as informações - seja capaz de documentar o trabalho adicional que você executou e esteja pronto para defender por que você acha que isso justifica a sua solicitação." Se você estiver nessa situação, Kanouse recomenda ainda pensar no estilo de trabalho do seu gerente e adaptar a sua abordagem para aumentar a sua influência.

“Se você é capaz de entender como uma pessoa funciona, como toma decisões, como gosta de trabalhar, você pode moldar melhor a maneira como interage. Se o seu gerente é um tipo de pessoa que se relaciona com os negócios, lembre-se de limitar a conversa fiada. Se ele ou ela precisar de muitos dados para poder tomar uma decisão, forneça uma pesquisa em segundo plano e pontos de dados importantes ao fazer uma recomendação. Ferramentas como DISC, uma avaliação da personalidade no local de trabalho podem fornecer dicas interessantes sobre como trabalhar com uma personalidade que pode ser muito diferente da sua.”

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail