Home > Gestão

7 novas regras de liderança em TI

Graças às rápidas mudanças nas soluções e estratégias tecnológicas, as velhas regras não são mais relevantes

Dan Tynan, CIO/EUA

04/02/2019 às 7h41

liderenca_189927245.jpg
Foto: Shutterstock

Poucas coisas no mundo mudaram mais dramaticamente nos últimos 10 anos do que a tecnologia. Mas muitos líderes de tecnologia ainda estão se pautando por regras antigas e desatualizadas.

Já se foram os dias em que a TI dava ordens para que todos na empresa fossem obrigados a segui-la. E que o departamento de TI era estritamente um tomador de pedidos, simplesmente tentando atender às demandas dos executivos de negócios.

O crescente ritmo de mudança significa que as empresas não podem mais se dar ao luxo de levar meses (ou anos) para implementar projetos de TI grandes e caros; entrega contínua e constante é a nova lei. As organizações também não podem escolher entre inovação ou segurança - elas precisam de ambas. Isso coloca mais pressão sobre os CIOs para entregar novas iniciativas de maneira segura e compatível.

Hoje, os líderes de TI estão ajudando os usuários de negócios a escolher o melhor de um catálogo cada vez maior de ferramentas e serviços, enquanto orientam a organização por meio de sua transformação tecnológica. À medida que as empresas se tornam mais dependentes dos dados para impulsionar as decisões, os líderes de tecnologia têm mais poder e maior responsabilidade.

As regras antigas utilizadas pela TI deixam de ser relevantes. Aqui está o que as substituiu.

Regra antiga: a TI cria as regras (e tenta aplicá-las)
Nova regra: os usuários criam as regras (e a TI tenta mantê-las fora de problemas)
Estabelecendo políticas, aplicando padrões, certificando-se de que tudo com um LED esteja seguro e firme. Lembra dos velhos tempos?

Hoje os usuários fazem as regras. Seu trabalho é guiá-los gentilmente na direção certa, para garantir que eles não coloquem as operações e a empresa em risco.

“O papel do CIO mudou de executor para curador”, diz Jonathan Stone, CTO/COO da Kelser.

Cinco anos atrás, os líderes de tecnologia decidiram quais aplicativos o negócio usaria e quem teria acesso a eles. Agora eles estão constantemente avaliando como as novas tecnologias podem beneficiar os negócios e orientando os usuários sobre as melhores soluções.

“Toda a equipe ainda precisa estar na mesma página, e o CIO ainda decide qual página é essa”, diz Stone. "Mas você não os vê mais tomando decisões abrangentes como: 'Não fazemos nada baseado na nuvem'".

Regra antiga: manter as luzes acesas
Nova regra: manter os dados fluindo
As velhas tarefas diárias de TI - administrar direitos de acesso, gerenciar a qualidade dos dados e gerar relatórios - são normalmente tratadas por equipes de negócios com pouca ou nenhuma supervisão de TI, diz Mark Settle, CIO da Okta. Hoje é tudo sobre dados.

"As principais responsabilidades da TI estão cada vez mais focadas na integração de dados em vários aplicativos, no gerenciamento de dados mestres em nível corporativo e na aplicação de salvaguardas de segurança cibernética", diz Settle. "A TI torna as empresas mais competitivas, automatizando processos, democratizando dados e reduzindo a fricção em relação ao usuário".

Gol Paulo Palaia

Claro, todo mundo tem dados; é como você usa os dados que pode fazer a diferença ou prejudicar a empresa. E os CIOs estão posicionados de forma única para entender os dados e como aproveitá-los, diz Ari Lightman, professor de mídia digital e marketing do Heinz College, da Universidade Carnegie Mellon.

"Os dados que você usa para criar novos serviços ou ofertas de produtos estão se tornando mais importantes para uma variedade de pessoas em sua organização", diz ele. "Os CIOs têm um conhecimento muito íntimo de quais dados a organização coleta, como ela os retém e como eles são oferecidos a grupos diferentes. O molho especial é como você comunica as ações que a organização precisa tomar com base no que os dados estão informando".

Regra antiga: não liberar até que esteja pronto
Nova regra: integrar e entregar até acertar

No passado, os projetos de tecnologia se arrastavam notoriamente por meses ou anos antes de serem colocados em produção. O novo mundo ágil tem tudo a ver com integração e entrega contínuas.

"Costumava ser, 'Oh, isso tem que ser feito perfeitamente'", diz Heather A. Smith, pesquisadora sênior da Society of Information Management e co-autora de Driving IT Innovation: um roteiro para CIOs para reinventar o futuro . "Agora eles estão dizendo: 'Trabalharemos com você até acertarmos'. Não sei te dizer quantas vezes ouvi pessoas de negócios dizerem, 'a TI implementou este sistema e apenas se afastou, mas ele só tem cerca de 50% do que precisamos'. Agora, a TI está percebendo que terá que trabalhar de forma contínua para entregar valor ".

Como os CIOs são parceiros dos CEOs para promover uma cultura de inovação e transformação, a TI deve mudar a maneira como funciona, observa David Rosen, tecnólogo de Transformação Digital da Tibco Software.

"Os CIOs devem promover uma cultura em que o foco na perfeição seja substituído por uma ênfase maior na velocidade e na disposição de assumir riscos e fracassar rapidamente", diz ele.

Regra antiga: Proteger o perímetro
Nova regra: não confiar em ninguém
A explosão dos serviços baseados em nuvem, a ampla aceitação do BYOD e do acesso remoto e o surgimento de dispositivos IoT mudaram completamente o modelo de segurança das empresas, diz Hed Kovetz, CEO da Silverfort.

"Não podemos confiar nos controles de segurança do perímetro para bloquear os cibercriminosos em nossos ambientes", diz ele. "Não podemos mais pressupor que pessoas de dentro são sempre confiáveis. Não podemos confiar em ninguém."

Com as ameaças crescendo exponencialmente e as grandes violações de dados acontecendo quase que diariamente, as empresas não podem mais tratar funcionários e outras pessoas de dentro da empresa como inocentes até que se prove a culpa, diz Kovetz. Em uma rede de confiança zero, qualquer pessoa que tente obter acesso aos recursos da rede deve ser autenticada e autorizada, independentemente de sua posição na organização.

"No passado, quando as redes tinham perímetros claros que podiam ser contidos e controlados, a segurança da rede era de propriedade do CISO", diz Kovetz. "Mas, graças às mudanças provocadas por tendências como migração de nuvem, BYOD e IoT, os CIOs precisam se envolver mais do que nunca na segurança de rede."

Regra antiga: bloquear todos os dispositivos
Nova regra: manter os usuários satisfeitos
O trabalho não acontece mais apenas no escritório, entre as 9h e as 17h. Os funcionários estão trabalhando em seu próprio tempo, em seus próprios espaços e, muitas vezes, em seus próprios dispositivos. Isso significa que a TI não pode mais esperar realisticamente controlar o que está no laptop ou smartphone doméstico de todos, diz Avani Desai, presidente da Schellman & Co., um avaliador independente de conformidade de segurança e privacidade.

Até 2020, metade de todos os funcionários dos EUA estará trabalhando remotamente. Mesmo em setores altamente regulamentados, como finanças ou saúde, bloquear mídias sociais ou limitar os aplicativos que podem viver em dispositivos de usuários não será totalmente possível. E se você tentar, corre o risco de perder seus funcionários mais talentosos para uma organização com políticas mais flexíveis, diz Desai.

Mais do que nunca, a TI deve equilibrar as necessidades de conformidade e segurança da organização com os desejos dos usuários finais. Em outras palavras, os CIOs modernos precisam ser tão bons em RH quanto na segurança da informação. É preciso proteger as aplicações, independente do dispositivo.

Regra antiga: escolha um parceiro, fique com ele por toda a vida
Nova regra: mantenha suas opções em aberto
Era uma vez CIOs que simplificavam seus portfólios, comprometendo-se com um grande fornecedor para implementar a maior parte da tecnologia em uso na empresa. Mas as falhas de entrega, as taxas onerosas de licenciamento, a inflexibilidade e o aprisionamento do fornecedor azedaram muitas dessas relações.

Hoje em dia as empresas podem fazer muito melhor  buscando parceiros tecnológicos mais ágeis que possam satisfazer suas necessidades sem renegociações prolongadas ou penalidades, diz Mike Meikle, CEO da secureHIM.

"É tudo sobre economia de custos e flexibilidade", diz Meikle. "As empresas agora querem os melhores parceiros de vendas, cujos SLAs são mais flexíveis, permitindo que eles respondam com mais agilidade a um mercado que muda rapidamente."

Ainda assim, flexibilidade e liberdade têm um custo.

"Mais fornecedores e soluções significam maior complexidade", acrescenta. "E muitas empresas cometem o erro de pensar que o uso de fornecedores terceirizados ou SaaS permitirá que eles reduzam o número de funcionários, de modo que acabam perdendo conhecimento institucional valioso."

O sucesso de fazer malabarismos com vários provedores de serviços também exige a instalação de um programa de gerenciamento de fornecedores para garantir que os SLAs sejam cumpridos e os contratos sejam mantidos.

"Ter um programa de governança maduro também será importante para manter as expectativas da diretoria de acordo com a realidade", acrescenta.

Regra antiga: Se não está quebrado, não conserte
Nova regra: se não está quebrado, quebre
Uma década atrás, o trabalho da TI era manter a disponibilidade alta e os custos baixos, para minimizar interrupções e evitar violações. Hoje, CIO realmente significa Chief Innovation Officer. Mover-se rápido, quebrando as coisas é o novo mandato.

"Os CIOs agora são responsáveis ​​por inovações de produtos e serviços que aumentam as receitas, aumentam a fidelidade e eliminam a concorrência", diz Bhanu Singh, vice-presidente de desenvolvimento de produtos e operações da OpsRamp. "Acima de tudo, eles devem incentivar a tomada de risco calculado, especialmente em torno da tecnologia e dos ecossistemas disruptivos, para manter os negócios e a organização um passo à frente dos concorrentes".

Todas as empresas devem repensar seus processos continuamente, diz Lightman, da CMU. Grandes corporações avessas ao risco devem procurar a TI para avaliar os desafios da inovação e como gerenciá-los.

"Pode haver muita interrupção no mercado dizendo às empresas que elas precisam assumir mais riscos do que poderiam", diz ele. "A liderança em TI pode ajudar, avaliando e compreendendo todos os riscos e como mitigá-los."

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail