Home > Gestão

7 etapas para ter uma nuvem bem arquitetada

Arquiteturas de nuvem eficientes não emergem do nada. Mas os melhores ambientes são construídos a partir do zero

John Edwards, CIO/EUA

27/03/2019 às 17h11

Foto: Shutterstock

Criar uma arquitetura de nuvem forte e confiável é essencial para o sucesso de longo prazo, da TI e da empresa. Infelizmente, muitas arquiteturas de nuvem são construídas aleatoriamente ao longo de vários anos, deixando de atender às demandas impostas pelas tecnologias em rápida evolução e pelos requisitos de negócios.

Se você está construindo sua primeira arquitetura em nuvem, ou se a estrutura de nuvem existente na sua organização está começando a mostrar sinais de idade e/ou planejamento inadequado, as 7 dicas a seguir podem ajudá-lo a obter produtividade e eficiência.

1. Saiba o que você está fazendo

Uma arquitetura de nuvem é uma estrutura holística que depende de relacionamentos simbióticos formados entre componentes individuais, incluindo plataformas de front-end e back-end, um sistema de entrega baseado em nuvem e recursos de rede, observa Michael Tavares, analista de pesquisa da ABI Research. . "Se um desses componentes estiver faltando, não temos uma arquitetura de nuvem", diz ele. "Mais importante, uma mudança em um componente resultará em mudanças em outros componentes."

Você nunca deve improvisar, alerta Thomas Boyles, diretor de serviços de plataforma do Sauce Labs, provedor de nuvem para teste de aplicativos móveis e da Web. Construir uma infraestrutura de nuvem é uma tarefa complexa, e você não pode considerar a escalabilidade e a durabilidade após o fato. "Não cometa o erro de apenas juntar tudo e esperar que funcione", diz Boyles. "Você precisa ser extremamente detalhado e prescritivo sobre o design."

Líderes de nuvem como AWS, Google e Microsoft fornecem blocos de construção sob a suposição de que os adotantes farão o dever de casa e lerão o manual do usuário. "Eles lhe darão blocos de Lego, mas certifique-se de usá-los da maneira certa", diz Ennio Carboni, gerente de produto da CloudHealth. "Caso contrário, você corre o risco de picos de custos não controlados e desestabilização ambiental."

A melhor maneira de obter uma solução de nuvem bem arquitetada é por meio de planejamento e previsão, aconselha Kyle Brown, IBM Fellow e CTO de arquitetura em nuvem do Cloud Labs. "Não há bala de prata", afirma. "As equipes devem definir a arquitetura e planejar de forma incremental para que possam fazer alterações iterativas".

2. Concentre-se nas necessidades dos proprietários de aplicativos

Os serviços em nuvem devem tirar proveito dos recursos nativos da nuvem, diz Sekou Page, da Capgemini. "Maximize o potencial da nuvem em nome do cliente para melhorar o desempenho, aumentar a confiabilidade e minimizar os custos."

"Deve haver um foco radical nas necessidades dos proprietários de aplicativos", declara Chip Childers, CTO da Cloud Foundry Foundation. Childers observa que grande parte do sucesso da AWS foi impulsionada pelo foco nas necessidades dos clientes. "O mesmo deve se aplicar a qualquer provedor de nuvem, público ou privado", diz ele.

Também deve haver um conhecimento prévio das necessidades da empresa, como um todo, antes que decisões cruciais sejam tomadas em relação a armazenamento, escalabilidade, segurança e outros serviços. "Os usuários finais precisam entender onde a infraestrutura de nuvem é melhor gerenciada e estruturada em uma organização e por que", diz Tavares.

As culturas corporativa e de TI também são importantes. "Você precisa ter o nível certo de investimento em toda a organização", explica Boyles.

Uma certa quantidade de conhecimento interno também é necessária, incluindo aí arquitetos de nuvem. "Você precisa de pessoas que tenham feito isso antes e, mais importante, que entendam o caso de uso e a personalidade dos usuários",  aconselha. "Entender as necessidades do grupo de usuários é a chave para um bom planejamento e design."

"Você não pode fazer isso sozinho", acrescenta Justin Stone, diretor sênior de plataformas DevOps da Liberty Mutual. "Uma jornada na nuvem exige várias equipes em uma organização de TI e uma forte conexão comercial", diz ele.

3. Procure escalabilidade e padronização

Os componentes da infraestrutura de nuvem devem ser capazes de se dimensionar de forma independente ao longo de três dimensões principais: armazenamento, computação (memória e capacidade de processamento) e rede. "Não importa as escolhas específicas feitas, você deve preparar a plataforma para escalar de maneira padronizada", recomenda Childers.

A arquitetura de nuvem de uma organização não deve depender de nenhum provedor de serviços em nuvem, alerta o professor William Rials, do Programa de Tecnologia Aplicada da Universidade de Tulane. "Uma arquitetura de nuvem bem definida deve se concentrar em padrões abertos tanto quanto possível para atingir a compatibilidade máxima entre os diferentes provedores de serviços de nuvem e a infraestrutura local."

ascensão dos microsserviços é impulsionada em grande parte pela rápida adoção de containers padronizados . "Essa tecnologia permite que os desenvolvedores empacotem seu código em pacotes leves, independentes de plataforma, que podem ser facilmente transferidos por diferentes infraestruturas", diz Tavares. "Dada a ascensão do mercado multinuvem, os containers são um aspecto essencial da infraestrutura de nuvem que permite o desenvolvimento individualizado e coordenado de aplicativos em diferentes software."

4. Inove, não imite

A TI nunca deve confiar em formas legadas de pensar. "Isso inclui a maneira como eles operam, protegem, monitoram, implantam e assim por diante", observa Page.

A tentação de "lift and shift", de uma arquitetura local existente para a nuvem, embora difícil de resistir graças aos seus benefícios imediatos de tempo e custo, é quase sempre a abordagem errada para construir uma arquitetura em nuvem. "Talvez o maior 'não-não' seja pensar na nuvem como nada mais do que um 'data center no céu' para o qual você apenas move aplicativos ... e declara a vitória", diz Miha Kralj, diretor de estratégia em nuvem da Accenture. "CIOs que fazem o lift and shuft de suas aplicações sem um roteiro para o futuro muitas vezes descobrem que não estão obtendo o valor que esperavam e, em alguns casos, caem em uma dívida técnica em que estão pagando muito mais do que esperavam."

A inovação na nuvem requer uma equipe de TI que esteja disposta a adotar novas abordagens e tecnologias. "Assegurar a combinação certa de habilidades é fundamental", afirma Roland Barcia, um renomado engenheiro do IBM Cloud Labs. É errado supor que uma equipe que foi originalmente montada para construir soluções tradicionais de data center poderá funcionar de maneira tão eficaz ao desenvolver soluções nativas em nuvem, observa ele. "Em vez disso, será importante treinar as equipes de operações para que desenvolvam mais habilidades definidas por software."

O suporte externo também é valioso. "A parceria com provedores de nuvem e parceiros de software que entendem seu negócio e seus objetivos é fundamental para começar", observa Stone.

5. Varie sua dieta de armazenamento em nuvem

Focar em um único tipo de armazenamento também  não é uma boa opção, declara Tavares. A maioria dos principais fornecedores de nuvem oferece uma variedade de serviços de armazenamento. A AWS, por exemplo, fornece o Simple Storage (S3), o Elastic Block Storage (EBS), um Elastic File System (EFS), etc.

"Nenhuma opção de armazenamento único se adapta a todas as situações", diz ele. "Além disso, aproveitar diferentes opções de armazenamento em nuvem para diferentes conjuntos de dados pode trazer benefícios funcionais, de custo e desempenho".

6. Construa conexões resilientes

Uma nuvem bem arquitetada fornece alta largura de banda e baixa latência. "A camada de rede precisa ser ágil e fornecer aos usuários finais a capacidade de se mover com rapidez e eficiência entre servidores e, em alguns casos, outras nuvens", explica Mike Attar, CIO da Future Tech Enterprise. "As funções administrativas e de monitoramento devem ser fáceis para facilitar também as decisões sobre como utilizar os recursos da nuvem."

"Uma arquitetura de nuvem bem definida envolve não apenas a infraestrutura da nuvem, mas também a conectividade", observa Rials. Por padrão, as organizações se conectam a provedores de serviços em nuvem pela Internet. "Todo grande provedor de serviços em nuvem oferece uma conexão privada de sua localização para sua infraestrutura de nuvem", diz ele.

Como uma arquitetura de nuvem bem definida envolve uma abordagem com várias nuvens , ter conexões separadas para cada provedor de serviços de nuvem pode ter um custo proibitivo.

7. Integre a segurança

Os serviços de segurança na nuvem nunca devem ser isolados de outros serviços. "Em vez disso, eles devem ser integrados em serviços adicionais, como armazenamento e aqueles relacionados à escalabilidade aprimorada", diz Tavares.

Princípios sólidos de segurança devem ser incorporados em todas as camadas da arquitetura da nuvem. "As organizações que usam serviços de nuvem devem ter um entendimento claro de onde a responsabilidade do provedor de serviços em nuvem termina e de onde a responsabilidade da organização começa", diz Rials. Muitos novos adotantes de nuvem fazem a suposição incorreta de que a segurança cibernética é responsabilidade total do provedor de serviços em nuvem. "Uma arquitetura de nuvem bem definida tem a segurança cibernética enraizada em toda a arquitetura", observa ele.

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail