Home > Carreira

6 traços essenciais de líderes de TI orientados a negócios

O papel do CIO está rapidamente se transformando em um responsável por impulsionar as mudanças nos negócios. Veja como sacudir sua abordagem

Mary K. Pratt, da CIO (EUA)

26/04/2019 às 14h38

Foto: Shutterstock

Marc Lalande se viu lidando com um cenário típico dos CIOs: o uso não autorizado de um aplicativo. Lalande, CIO e sócio da empresa de serviços criativos Sid Lee, aprendeu sobre essa shadow IT à espreita no escritório da empresa em Nova York depois que um de seus gerentes de TI a identificou como fora dos padrões globais de tecnologia da organização. Lalande investigou e descobriu, como é frequentemente o caso, que os funcionários começaram a usar o Slack para colaborar porque sentiram que essa plataforma específica atendia melhor às suas necessidades.

Em vez de reprimir, Lalande estendeu a mão aos funcionários, ouviu o raciocínio deles e determinou que o Slack fosse expandido para a sede de Sid Lee em Montreal, bem como para seus escritórios em Los Angeles, Paris e Toronto.

Lalande diz que a vontade de adotar soluções trazidas a bordo pelos funcionários, a agilidade de absorvê-lo na TI e a visão de como ele poderia ser aproveitado para retornos ainda maiores, falam da mentalidade que os CIOs devem ter hoje. “Se eu tivesse resistido, teríamos perdido uma oportunidade ”, diz ele.

E a TI hoje, diz ele, trata de aproveitar oportunidades. “O departamento de TI precisa ajudar a empresa a ganhar mais dinheiro. Então, como CIO, você precisa se concentrar no negócio. Não se trata de fornecer o computador, a rede ou o servidor – isso, qualquer um pode fazer. É sobre como podemos aumentar o negócio”, diz Lalande.

O líder de TI orientado a negócios

A transformação digital está colocando mais e mais demandas na posição de CIO, com o papel passando por uma profunda mudança da implementação e manutenção de um portfólio confiável e estável de tecnologia de back-office para criar maneiras de a tecnologia fazer dinheiro para suas organizações.

Essa mudança requer um tipo diferente de CIO, de acordo com especialistas em administração, pesquisadores e executivos. “Estamos ouvindo de CEOs e pesquisas de opinião de executivos que é necessário que o papel do CIO seja alterado, e que as pessoas que desempenham esse papel desenvolvam novas habilidades e competências. Isso definitivamente está aumentando, e isso não vai desaparecer ”, diz Suzanne Adnams, vice-presidente e analista da empresa de pesquisa e consultoria Gartner.

Outros veem a mesma tendência. Considere, por exemplo, as conclusões da Pesquisa Global de CIOs 2018 da Deloitte. Descobriu-se que as duas principais expectativas para os CIOs são, alinhar-se com os negócios e transformar os processos de negócios. A excelência operacional de TI ficou em terceiro lugar.

Com base nessas descobertas, a Deloitte descreve os dois tipos de CIOs necessários no futuro. Um deles é o “cocriador de negócios”, que passa a maior parte de seu tempo dirigindo estratégias de negócios ou possibilitando mudanças. O segundo é um “instigador de mudanças”, que lidera a transformação de negócios com tecnologia orientada.

Mas quais são os traços e comportamentos que essa nova geração de líderes de TI deve possuir? O que, exatamente, os CIOs precisam fazer de maneira diferente para ter sucesso no avanço?

1. Reorganize sua abordagem

Para começar, os CIOs precisam mudar a forma como gastam seu tempo, diz Michael Gretczko, diretor da Deloitte Consulting e líder dos serviços Global e U. Human Capital da empresa.

Ele diz que a pesquisa CIO da Deloitte descobriu que pouco mais da metade dos CIOs entrevistados afirmam que eles estão focados em funções operacionais e têm pouco tempo para planejamento estratégico. No entanto, aproximadamente o mesmo número – pouco mais de 50% dos CIOs respondentes – afirmam que desejam redirecionar seu tempo para atender às novas demandas de seu trabalho.

Avançando, Gretczko diz que os CIOs precisam passar mais tempo olhando para fora de suas próprias organizações. Eles devem pensar e se engajar com os clientes da empresa, diz Gretczko, observando que os CIOs de ponta estão no campo ao lado de suas equipes de vendas para atender aos clientes e ouvir suas ideias.

Os CIOs também precisam criar e trabalhar com um ecossistema externo de analistas, investidores, capitalistas de risco e fornecedores que possam proporcionar insights sobre as tecnologias emergentes e como essas podem prejudicar os modelos de negócios.

Além disso, diz Gretczko, os CIOs precisam estar abertos às informações que estão ouvindo sem serem deslumbrados pela tecnologia. “Eles têm que estar ativamente sentindo o que está acontecendo, [mas também] ter uma dose saudável de ceticismo”, acrescenta ele.

Adnams oferece uma visão semelhante. “O CIO precisa ser mais explorador, inovador e sair da área da TI para trabalhar com os líderes de negócios em toda a empresa, trabalhar com a diretoria e o comitê executivo. O foco do CIO precisa mudar [das operações de TI] para a qual toda a organização está tentando alcançar”, diz ela.

2. Visualize os resultados de negócios

Para ter certeza, algumas das principais habilidades necessárias para este novo CIO foram necessárias pelo menos nos últimos anos, dizem Adams e outros especialistas.

Essas habilidades incluem ser bons ouvintes que podem ter empatia, articular palestrantes capazes de explicar tecnologias complexas em termos diretos que se ligam às necessidades de negócios, e gerentes de suporte que constroem equipes técnicas equipadas com as habilidades necessárias para trabalhar nas tecnologias dominantes de hoje, bem como as tecnologias que eles esperam adotar no futuro próximo.

As habilidades necessárias também incluem um entendimento dos fundamentos do negócio, incluindo como as empresas ganham dinheiro.

Os principais CIOs têm mais, no entanto, diz Adnams. “Os que atingiram a curva digital cedo mudaram para executivos de negócios. Eles estão focados em resultados de negócios e metas de negócios. Eles têm conversas sobre valor e investimentos financeiros, gerenciamento de recursos e objetivos estratégicos. Eles entendem o mercado e os clientes”, reflete ela.

“Esses CIOs não apenas entendem onde a tecnologia precisa ser colocada, eles entendem o papel de uma linha de negócios na estratégia da organização como um todo e onde uma tecnologia se encaixa nela, além de como ela pode ser usada para estender mercado ou introduzir novos serviços ou produzir novos clientes.”

Em outras palavras, os CIOs mais bem-sucedidos não usam apenas tecnologia para permitir que a empresa realize uma tarefa; eles visualizam um resultado de negócios que a tecnologia pode possibilitar agora.

3. Abrace o espírito empreendedor

“A TI tem sido um facilitador no passado; agora tem que ser um motorista”, diz Mike Goldstone, sócio-gerente da H.I. Consultoria Executiva. “Essa é a grande mudança que está acontecendo agora com a digitalização”.
Por exemplo, diz Goldstone, um CIO que entende o poder dos dados capturados pela TI e, em seguida, visualiza uma maneira inovadora de usá-los para criar um novo produto ou serviço, ilustra como um CIO orientado a negócios opera nessa era digital.

“Os CIOs precisam ser empreendedores”, indica Goldstone. “Tradicionalmente, os CIOs foram pagos para garantir que eles mantenham as luzes acesas e minimizem os riscos, mas agora eles precisam sair dessa zona de conforto e estar dispostos a assumir riscos calculados.”

Outros, de igual modo, citam a necessidade de os CIOs serem empreendedores, aproveitarem as notícias de mercado e de tecnologia que obtêm de sua rede de parceiros externos e, então, criarem produtos e serviços habilitados para tecnologia que tragam para suas empresas novos clientes e/ou maior quota de mercado – e, assim, em última análise, mais receita.

4. Inspire colegas

“Os CIOs não podem dizer aos seus colegas de trabalho: ‘O que você quer que eu faça por você?’. Eles precisam entender o suficiente para dizer: ‘É isso que devemos fazer’”, diz Bask Iyer, CIO da VMware, fabricante de tecnologia de software empresarial.

Iyer, que também atua como gerente geral para edge e IoT na Dell Technologies, diz que essa tendência à inovação exige que os CIOs sejam altamente colaborativos com os outros em toda as suas organizações; eles não podem mais ser líderes de comando e controle.

“Comando e controle ajudam quando você está implementando sistemas de back-office, mas a inovação não pode ser feita sob exigência”, aponta ele. “Agora, quando você está fazendo um trabalho inovador, precisa inspirar e colaborar. Você tem que construir confiança, e confiança é construída com abertura, autenticidade, empatia e transparência.”

Iyer diz que acredita que seu sucesso como CIO também depende de sua capacidade de cultivar uma equipe forte, desenvolvendo continuamente suas habilidades e criando uma cultura de TI empresarial tão atraente para os tecnólogos quanto a cultura no desenvolvimento de produtos. Ele diz que também acredita que apoiar sua equipe e batalhar por eles é uma obrigação para construir a confiança necessária para que a inovação aconteça.

5. Construa bases sólidas — das quais rompam

Nenhum desses requisitos, no entanto, desloca a necessidade de o CIO ser um tecnólogo, acrescenta Iyer. “É fácil dizer: ‘Seja experiente em negócios’, mas você também não pode perder a parte tecnológica. Isso não vai funcionar em um mundo digital”, afirma ele.

Outros concordam, dizendo que os CIOs da era digital são executivos de negócios e líderes em tecnologia. Eles devem ser inquisitivos, inovadores, empreendedores, inspiradores e visionários. Mas, talvez, acima de tudo, dizem os especialistas, eles precisam definir, articular e direcionar para resultados de negócios específicos.

“Alguns dos líderes de tecnologia mais fortes que vejo, não estão tendo conversas sobre tecnologia. Eles estão falando sobre o resultado dos negócios que estão tentando alcançar. Eles estão ancorados no problema de negócios que estão tentando resolver; é uma característica comum”, diz Will Poindexter, sócio da consultoria de gestão Bain & Co., cujo trabalho inclui liderar suas práticas de inovação digital, tecnológica e ágil.

Poindexter diz que esses líderes estão olhando ativamente para as tecnologias emergentes, pensando em como eles poderiam romper sua indústria e desenvolver ideias sobre a monetização de dados.

“Eles são mais proativos e estão trazendo a tecnologia para a mesa do ponto de vista disruptivo”, assinala ele, observando que Bain acredita que os CIOs devem gastar 50% de seu tempo interagindo com uma ampla gama de parceiros (incluindo clientes) e os outros 50% se concentrando em TI (trabalho que deve incluir a construção de talentos e capacidades). Poindexter acrescenta: “Os melhores CIOs têm duas casas onde estão ativamente envolvidos”.

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail