Home > Tendências

5 ocasiões que o repatriamento de nuvem faz sentido

Até a nuvem tem seus limites. Em determinadas situações, um data center tradicional é o melhor local para hospedar um ou mais aplicativos

John Edwards, da Network World (EUA)

20/04/2019 às 8h14

Foto: Shutterstock

Um número crescente de empresas está retirando aplicativos selecionados da nuvem e os retornando a seus data centers de tijolo e argamassa. O repatriamento de nuvem está ganhando força à medida que as empresas percebem que a nuvem nem sempre é a melhor solução para custos, desempenho e outras preocupações de TI.

Dave Cope, diretor sênior de desenvolvimento de mercado do CloudCenter da Cisco, acredita que a tecnologia evoluiu a ponto de as empresas agora terem a liberdade sem precedentes de localizar aplicativos sempre que os benefícios de custo, desempenho e segurança máximos possam ser alcançados. “Há uma capacidade de colocar cargas de trabalho onde elas melhor residem, com base nas prioridades de negócios, não nas restrições de TI”, observa ele. “Estamos começando a obter essa distribuição natural de cargas de trabalho em ambientes novos e existentes... onde eles fazem mais sentido.”

A infraestrutura em nuvem da sua organização está começando a parecer mais uma gaiola do que um ambiente de recursos ilimitado? Em seguida, considere estes cinco momentos quando retornar aplicativos selecionados para um data center tradicional pode fazer sentido.

1. Para poupar dinheiro

Muitas organizações podem obter economias substanciais reduzindo ou eliminando as despesas operacionais recorrentes da nuvem pública, observa Jeremy Kurth, CTO do provedor de serviços de TI Winxnet. “Uma redução no custo total de propriedade é um dos benefícios potenciais na repatriação”, diz ele. “As ofertas de nuvem pública podem oferecer valor agregado em comparação com as soluções locais, mas geralmente são mais caras em despesas recorrentes.”

As organizações que sentiram que a nuvem pública era a resposta para todos os seus problemas, agora estão descobrindo que as despesas e vantagens simplesmente não são tão relevantes ou aplicáveis a suas situações específicas, explica Kurth. “Considerando o custo total real durante um período de dois a três anos, o argumento convincente de ficar com a nuvem pública simplesmente não aumenta com o tempo, especialmente quando comparado às alternativas mais baratas agora disponíveis no mercado.”

Em geral, o custo é a principal razão para transferir aplicativos em nuvem de volta aos data centers, observa Chris Carreiro, CTO da plataforma ParkView da Park Place Technologies, empresa de suporte e monitoramento de data center. “Se o custo assumido é maior para operar na nuvem, pode fazer sentido para uma empresa trazer de volta uma aplicação ou serviço para as instalação ou localização”, diz ele. “Custo de memória e disco [recursos] continuam a diminuir, mudando a exigência de operar em nuvem, permitindo que uma empresa seja mais flexível.”

Travis Morrison, diretor de TI da cervejaria artesanal New Belgium Brewing, que recentemente migrou seus principais aplicativos de uma nuvem gerenciada para os servidores locais da Dell EMC PowerEdge, diz que custos reduzidos e despesas de manutenção desempenharam um papel importante em trazer o software de volta ao site.

“Queríamos custos previsíveis durante o dimensionamento e temos uma equipe talentosa que pode gerenciar equipamentos no local”, explica ele. “Além disso, o ROI para nuvem diminui com uma pilha hiperconvergente, pois a manutenção é simplificada.”

À medida que o custo do uso de serviços de nuvem pública continua a crescer, melhorias no desempenho e no orçamento podem ser alcançadas ao repatriar aplicativos selecionados. “Alavancando soluções disponíveis e econômicas, como [Windows Server] Storage Spaces Direct, hiperconvergência, memória de classe de armazenamento e redes definidas por software (SDN), a lacuna de flexibilidade, escalabilidade e redundância que tornou as ofertas de nuvem pública tão atraentes diminuiu muito”, explica Kurth.

Aplicativos que precisam acessar grandes quantidades de dados, como ferramentas de mineração de dados, também podem se beneficiar de uma mudança de volta para casa. “Alguns aplicativos movem dados para dentro e para fora em grandes quantidades com frequência”, observa Cope. “Isso pode ser caro com a maioria dos [tipos de] faturamento da nuvem.”

2. Para obter mais controle sobre aplicativos

Os principais candidatos à repatriação são aplicativos altamente usados que oferecem principalmente funcionalidades estáticas. Esse software pode ser mantido com mais eficiência no local, onde seu ambiente é controlado e os custos são fixos e previsíveis, diz Vinod Pisharody, CTO da Array Networks. “A repatriação fornece melhor controle sobre os aplicativos e permite que a TI planeje [melhor] possíveis problemas”, explica ele.

A perspectiva de um controle mais forte foi a principal razão pela qual a New Belgium Brewing trouxe suas principais aplicações da nuvem. “Conseguimos controlar melhor o desempenho, o monitoramento e a solução de problemas do ERP”, diz Morrison. “Eles são nossos aplicativos empresariais e são adequados para a co-localização e hiperconvergência.”

Além disso, no caso da flexibilidade prometida e os benefícios de gerenciamento de um provedor de nuvem falharem em se materializar, a repatriação pode fazer sentido financeiro a longo prazo. “O custo de permanecer na nuvem não pode ser justificado e o aplicativo deve ser movido no local, onde o ambiente pode ser adaptado para se adequar”, recomenda Pisharody.

3. Para melhorar o desempenho do aplicativo

A falha repetida em atender a benchmarks operacionais críticos é um sinal de que um aplicativo baseado em nuvem pode ter um desempenho melhor no local. “Aplicações que são sensíveis à latência, têm períodos intensivos de E/S ou possuem conjuntos de grandes dados e requerem transporte entre vários locais para processamento, são geralmente os principais candidatos à repatriação”, aconselha Jeff Slapp, vice-presidente de serviços gerenciados e de nuvem da 365 Data Centers.

Aplicativos maduros também são frequentemente os principais candidatos à repatriação. É comum as empresas recorrerem à nuvem para avaliar novas ferramentas de negócios e projetos de prova de conceito. No entanto, após o término do período de revisão, o aplicativo pode encontrar um lar mais adequado no data center, observa Carreiro. “Uma vez que eles crescem e se estabilizam, eles são [frequentemente] vistos de volta ao data center”, diz ele. “Aplicativos previsíveis e aplicativos de missão crítica de negócios geralmente encontrarão seu caminho no local se a TI/SI estiver planejando uma mudança.”

Os aplicativos ou cargas de trabalho que dependem de um nível muito alto de desempenho, integração, personalização ou conjuntos de dados maiores, muitas vezes podem ser os principais candidatos para repatriação.

“Em geral, quanto menos ‘normalizada’ ou ‘padronizada’ for a carga de trabalho, menos atraente se tornará a oferta de nuvem pública”, observa Kurth. Isso ocorre porque uma nuvem pública é construída principalmente para escala, o que geralmente requer uma política rigorosa de padronização. “A maioria dos provedores de nuvem pública precisa atingir escala para justificar seus investimentos, e eles fazem isso atendendo à configuração média”, explica ele.

“Quando uma solução ou carga de trabalho não adere à média do setor, os custos adicionais e os benefícios reduzidos da nuvem pública [necessários] para acomodar a situação de ‘estaca redonda no buraco quadrado’ são frequentemente pouco atraentes.”

4. Para conseguir uma segurança mais forte

A criação de uma arquitetura de segurança em nuvem à prova de ataques, especialmente em um ambiente complexo de várias nuvens, pode ser desafiadora e onerosa. “A repatriação da nuvens pode oferecer ambientes mais seguros e a possibilidade de resolver problemas com multi-nuvem”, diz Carl Freeman, diretor executivo de consultoria em nuvem e digital da consultoria empresarial EY.

Kurth acredita que a infraestrutura local pode ser isolada e projetada para apresentar uma área de superfície menor para ataques direcionados do que uma típica nuvem pública grande. “Quando feito corretamente, esse design pode levar a melhores resultados de ‘segurança através da obscuridade’”, observa ele, referindo-se à controversa noção de que quanto menos pessoas estiverem cientes de um aplicativo e de suas medidas de segurança, menos provável será mira de um invasor.

5. Conformidade regulatória simplificada

Em um mundo de TI que está se tornando cada vez mais regulado por vários órgãos governamentais internacionais, cada um com seus próprios conjuntos de regras, executar aplicativos em instalações em um local específico pode facilitar e simplificar a vida, diminuindo a possibilidade de não conformidade acidental. “Suponhamos que um aplicativo foi para a nuvem e, assim, a conformidade com o GDPR exige alterações na retenção ou no uso de dados – o repatriamento beneficiaria o aplicativo”, diz Cope.

Cope acredita que o posicionamento de aplicativos sensíveis ao local, em um local definido, é um exemplo do que eventualmente se tornará uma distribuição natural de cargas de trabalho entre nuvens públicas e privadas e data centers locais. “Assim, a repatriação pode se tornar parte da maturidade da indústria e da tecnologia”, explica ele.

Prossiga com cuidado ao sair da nuvem

Embora a repatriação possa ser tentadora, também é um passo radical com sérias implicações financeiras e operacionais. “Os fornecedores de serviços de nuvem geralmente dificultam muito a saída da nuvem, tanto em termos de custo quanto de contrato”, diz Pisharody. “Além disso, as despesas iniciais para configurar um ambiente local, se ele foi desmontado, ou se nunca existiu, pode ser alto.”

As organizações que arrastam aplicativos para domicílio também podem encontrar vários desafios técnicos. “Ao migrar os aplicativos de volta para o data center local, as organizações desistem da escalabilidade, flexibilidade, disponibilidade e elasticidade da nuvem”, observa Freeman. "Além disso, os datacenters locais podem não ser mais seguros que a nuvem, devido à evolução das ameaças internas.”

Depois, há a questão não tão simples de desvendar todas as interconexões que existem atualmente entre aplicativos, dados e a própria nuvem. “Em geral, a repatriação é dolorosa”, adverte Pisharody. “Separar as partes dos aplicativos que têm dependências no ambiente de execução versus as partes que simplesmente gerenciam dados, provavelmente ajuda a minimizar a interrupção”, diz ele. “Se você arquitetou os serviços específicos da nuvem, haverá uma certa quantidade de novas arquiteturas para poder mover a carga de trabalho de volta para um data center”, acrescenta Cope.

Além disso, as empresas que dependem de big data para tarefas que vão desde análises preditivas até análises de segurança, podem se deparar com um trabalho de movimentação gigantesca. “Mover todos esses dados é um processo tedioso”, observa Cope. Essas organizações podem enfrentar a opção de deixar seus dados na nuvem ou reforçar seus recursos de backup de armazenamento e armazenamento no local.

O planejamento cuidadoso, a pesquisa minuciosa e o treinamento e preparação da equipe são geralmente considerados necessários para um processo de repatriação tranquila. “Conheça os recursos técnicos de sua equipe e entenda sua empresa, seja ela na nuvem ou no local que estiver correto para você”, aconselha Morrison.
“Na maioria dos casos, o repatriamento de nuvens deve ser o último caso”, alerta Freeman. “As organizações devem considerar todas as soluções em nuvem, como multi-nuvem, antes de devolver [aplicativos] a data centers locais.”

Tags
Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter Newsletter por e-mail