Fazer login no IT Mídia Redefinir senha
Bem-vindo de volta,
Digite seu e-mail e clique em enviar
Ainda não tem uma conta? Cadastre-se
Salvar em Nova pasta de favoritos

+

Criar pasta
Salvar Escolher Pasta
5 formas como o racismo questiona os negócios e a liderança
Home > Tendências

5 formas como o racismo questiona os negócios e a liderança

Organizações antirracistas não só garantem a reputação dos negócios, como têm trabalhadores mais saudáveis e seguros, e, assim, mais felizes

Da Redação

28/07/2020 às 16h00

Foto: Adobe Stock

Eventos recentes destacaram o profundo efeito que o racismo sistêmico tem na sociedade. Manifestações em todo o mundo trouxeram à centralidade o tema racismo e uma das formas de combatê-lo é proporcionando mudanças reais, focando nas experiências cotidianas, como o que acontece nos negócios e no local de trabalho, muitas vezes uma em consequência da outra. Partindo de uma lógica de promoção de negócios antirracista, o World Economic Forum (WEF) detalha razões pelas quais o racismo questiona os negócios e expõe as lideranças.

Entre os pontos destacados pelo relatório do WEF está a relação de conscientização dos consumidores e a escolha responsável pela marca que consomem. A maioria dos consumidores afirma que boicotaria uma marca com base em sua posição em uma questão social ou política, por exemplo. Outro ponto ressaltado é a postura interna da organização. Quando os funcionários não se sentem apoiados no trabalho, a criatividade e a inovação sofrem. Da mesma forma, a discriminação no local de trabalho pode prejudicar a saúde dos funcionários e a produtividade de uma organização.

Enquanto as empresas buscam mudar para um modelo de capitalismo de partes interessadas que considera as pessoas e o planeta ao lado dos lucros, seguem cinco maneiras pelas quais o racismo é nocivo para todos envolvidos nos negócios.

1. Abafa a criatividade

É comprovado que a diversidade impulsiona a inovação e, como resultado, o desempenho financeiro das empresas. Afinal, como observa um relatório do Instituto Europeu para Gerenciamento da Diversidade, ele pode ajudar as empresas a se afastar do "pensamento unilateral limitado" e orientá-las na descoberta de novos produtos, mercados e formas de fazer negócios. Um relatório da McKinsey sobre o tema constatou que as empresas que tiveram pior desempenho em diversidade tinham quase 30% mais chances de ter um desempenho inferior à lucratividade.

CIO2503

E-book por:

É crucial que os funcionários de grupos subrepresentados se sintam seguros no local de trabalho se quiserem se envolver totalmente e levar suas melhores ideias para o trabalho. Especialistas dizem que os funcionários "psicologicamente seguros" estão mais interessados em aprender e se conectar com os outros do que apenas parecer bem para seus empregadores.

2. Uma cultura de trabalho tóxica não é boa para ninguém

Por outro lado, uma organização que parece tolerar o comportamento racista cria uma falta de segurança psicológica para seus funcionários. Isso leva ao desengajamento, menor produtividade e maior rotatividade de pessoal. É um problema que persiste e, em todo o mundo, histórias de discriminação e bullying continuam sendo relatadas. Nos EUA, por exemplo, mais da metade dos funcionários negros afirma ter experimentado racismo no trabalho.

Esses preconceitos também existem no processo de contratação. Um estudo dinamarquês, publicado no American Economic Journal, descobriu que preconceitos pessoais levam as pessoas a escolherem colegas da mesma etnia, mesmo que sejam menos produtivos - precedendo 8% de seus ganhos no processo.

3. Aumenta o absenteísmo e as questões de saúde entre os funcionários

A discriminação racial e o bullying no local de trabalho podem afetar a saúde física e mental do trabalhador, e levar as pessoas a fumar ou beber muito como um mecanismo de enfrentamento, de acordo com um estudo do Instituto Nacional de Saúde dos EUA. Além disso, o estresse resultante, diz o relatório, pode levar a um aumento de problemas como obesidade e pressão alta, além de depressão e ansiedade. Comportamentos contraproducentes, como sair do trabalho mais cedo, chegar atrasado ou não concluir o trabalho a tempo, também são comuns.

Quando a discriminação é generalizada, menos explícita, a confiança diminui e a moral da organização diminui. Esse racismo estrutural também resulta em salários mais baixos para os negros e, mais ainda, para as mulheres negras. Os negros recebem menos nos Estados Unidos, por exemplo - homens 13% a menos e mulheres 21% a menos. Essa desigualdade salarial leva à pobreza e acesso limitado aos cuidados de saúde. Nos EUA, a taxa de pobreza das mulheres afro-americanas é quase o dobro da taxa das mulheres brancas em todos os estados, exceto um.

4. Isso leva a relações públicas ruins, perda de renda e litígios

Tudo isso afeta a forma como os negócios são vistos por pessoas de fora da organização. Os funcionários estão entre os maiores advogados em potencial de uma empresa e, quando os funcionários não ficam felizes, espalham a notícia. Isso também pode prejudicar os esforços de recrutamento. Estudos recentes mostram que 70% dos candidatos a emprego agora querem trabalhar para uma empresa que promova a diversidade e a inclusão.

Acrescente a tudo isso o fato de que em muitos países a discriminação racial é contra a lei, e uma empresa atolada em um caso de alto nível pode achar que precisa pagar extensos danos. Novamente, esse é apenas o custo financeiro - o dano à reputação dos negócios pode ser substancial.

5. As pessoas querem fazer negócios com empresas que adotam uma abordagem antirracista

De acordo com um relatório da Edelman, 64% dos consumidores em todo o mundo compram ou boicotam uma marca com base em sua posição em uma questão social ou política. Uma pesquisa mais recente da Edelman, realizada após a morte de George Floyd nos EUA, descobriu que os americanos esperam que as marcas desempenhem um papel fundamental no combate ao racismo sistêmico: 60% disseram que comprariam ou boicotariam uma marca com base em sua reação aos protestos desencadeados pela morte de Floyd. Esse número subiu para 70% na faixa etária de 18 a 34 anos.

Mas as pessoas não querem apenas que as marcas se manifestem - elas querem que elas ajam. A maioria dos participantes da pesquisa pediu que as empresas usassem orçamentos de marketing para educar o público sobre igualdade racial, investissem no enfrentamento das causas do problema e tratassem da diversidade em suas próprias organizações, produtos e comunicações.

Vai um cookie?

A CIO usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Fechar anúncio

15